Operação conjunta colocará seis mil militares nas ruas neste domingo

Apesar do acirramento dos ânimos, secretário Nylton Rodrigues garante que população estará segura

Seis mil agentes da segurança pública, incluindo policiais militares, civis e bombeiros militar, estão escalados para atuar neste domingo (28) no Estado, segundo turno da eleição presidencial. Apesar do acirramento dos ânimos na campanha, o secretário de Estado de Segurança Pública, Nylton Rodrigues, garante que o planejamento é suficiente para uma votação tranquila. 

Nylton se reuniu com o presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo, desembargador Annibal Rezende de Lima, nessa quinta-feira (25) para definir a estratégia do segundo turno. Os órgãos integram uma operação conjunta, que tem ainda a Polícia Militar, a Polícia Civil, o Corpo de Bombeiros, a Polícia Federal e o Ministério Público Eleitoral, por meio do Núcleo de Combate aos Crimes e Corrupção Eleitoral (Nucoe).
 
"Teremos ainda reforço nos cartórios eleitorais. O planejamento está feito e vamos executá-lo da melhor forma possível para que o capixaba tenha direito ao voto tranquilo”, destacou o secretário.

Um gabinete de operações e decisões estará instalado na Sesp no dia da eleição, e terá a coordenação do secretário de Estado da Segurança Pública, com participação ainda do comando-geral da PM e do Corpo de Bombeiros e, também, do delegado-geral da Polícia Civil. Haverá ainda o Centro Integrado de Comando e Controle, em funcionamento no Gabinete de Gestão Integrada da Sesp, no qual diversos servidores das instituições responsáveis monitorão os andamentos do pleito.

Nas ruas, segundo o governo, a Polícia Militar fará o patrulhamento em todos os 78 municípios do Espírito Santo. Cada Comando Regional de Policiamento Ostensivo fez um planejamento, sob a tutela do Comando-Geral da Polícia Militar, respeitando assim as características das diferentes regiões capixabas. As seções eleitorais também foram mapeadas, havendo melhor organização com relação aos comandos responsáveis por sua vigilância.

As ações de polícia judiciária ficarão a cargo das Polícias Civil e Federal. Os órgãos vão contar com seus delegados em todos os municípios do Estado, havendo assim atendimento de ocorrências e, também, o recebimento de denúncias de crimes eleitorais.

Já a Polícia Civil irá atuar de forma supletiva em 71 dos 78 municípios capixabas.  Isso porque a Polícia Federal será a responsável pelas demandas relacionadas às eleições que ocorrerem em Vitória, Vila Velha, Serra, Cariacica, Viana, São Mateus e Cachoeiro de Itapemirim, de acordo com o superintendente de Inteligência e Ações Estratégicas da Polícia Civil, delegado João Calmon.

"A atuação das Polícias Federal, Militar e Civil será essencial para que tenhamos eleições livre, limpas e seguras", destacou o presidente do TRE-ES, Annibal de Rezende Lima.

Crimes eleitorais

No primeiro turno das eleições, foram registradas 50 ocorrências policiais: 43 de boca de urna; dois casos de violação de sigilo; e um caso cada de compra de voto; transporte irregular de eleitor; propaganda irregular; falsidade ideológica; e incidente de queda de energia. Ao todo, aconteceram 62 detenções. Os policiais foram orientados a não tolerar quaisquer tipos de delitos eleitorais.

Denúncias de crimes eleitorais podem ser feitas pelo aplicativo do Pardal, disponível na App Store e na Play Store, e no site. Em caso de outras intercorrências, a Polícia Militar pode ser acionar no Ciodes-190.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Conselho LGBTI reivindica da Secretaria de Segurança formação para policiais

Conselho para Promoção da Cidadania e dos Direitos Humanos LGBTI entregou pauta ao secretário Roberto Sá

Sindicato dos Advogados elege nova diretoria e busca protagonismo entre a classe

Valim se comprometeu em exigir mudanças rápidas no Judiciário em prol da classe e da sociedade

Governo atende demanda judicial e cria comissão para o bairro Piedade

Mais de 40 famílias que deixaram o bairro precisam de apoio para moradia. Luta contra violência continua 

Novos assassinatos na Piedade expõem falta de diálogo para conter violência

Desde a intensificação da onda de violência, moradores pedem solução e paz para as comunidades