Operação prende servidores do Detran-ES e despachantes acusados de fraudes

Investigações apontam rombo de R$ 100 milhões, proprietários ''laranjas'' e uso de notas fiscais frias

Operação deflagrada nesta quinta-feira (1) para apurar a existência de uma organização criminosa destinada à prática de fraudes em registros de veículos no Espírito Santo, por meio da inserção de dados e documentos falsos no Departamento Estadual de Trânsito (Detran-ES), cumpriu dez mandados se prisão em seis municípios capixabas, além de um no Rio de Janeiro e outro em Minas Gerais. O rombo estimado é superior a R$ 100 milhões.

Entre os presos estão três servidores do Detran-ES, quatro despachantes, dois demandantes (pessoas que utilizam nome de terceiros e documentos falsos destinados à realização das fraudes) e uma pessoa que seria a intermediária do esquema. Os presos foram levados para presídios da Grande Vitória e serão ouvidos pelos integrantes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco-Central), do Ministério Público Estadual (MPES), com posterior avaliação de necessidade de prorrogação do prazo de prisão temporária.

As investigações começaram em 2018 e revelaram provas de fraudes no registro de veículos em nome de mais de 400 proprietários “laranjas”, com utilização de notas fiscais falsas contendo números de chassis correspondentes a veículos exportados ou comercializados ao Exército Brasileiro. Estão sob investigação cerca de 895 registros de veículos no Detran-ES e mais de 40 servidores do órgão.

“Iniciamos uma investigação há dez meses para identificar registros fraudulentos de veículos no Espírito Santo. Foram identificadas três etapas no esquema. A primeira envolvia os demandantes que solicitavam os registros por meio dos documentos falsos. Os despachantes inseriam, então, os dados falsos no sistema do Detran e, com o auxílio de alguns servidores do órgão, eram realizadas auditorias, com base nesses documentos, para validar o registro”, destacou o promotor de Justiça e coordenador da Operação Replicante, Tiago Boucault Pinhal.

De acordo com as apurações, o esquema começava com o levantamento de números de chassis de veículos que foram vendidos ao Exército Brasileiro ou exportados, ou seja, que não tinham vinculação com placas no sistema do Detran-ES. “Os envolvidos utilizavam dados de veículos vendidos ao Exército Brasileiro ou automóveis exportados para dar um aspecto de legalidade a um produto de crime. Além de golpes de seguro e financiamento, os registros eram utilizados para permitir a livre circulação de veículos roubados no Espírito Santo”, informou Pinhal.

A operação, batizada de "Replicante”, foi conduzida pelo Gaeco-Central em conjunto com o Núcleo de Inteligência da Polícia Rodoviária Federal (NUINT/SRPRF-ES), com apoio da Polícia Militar do Estado, do Detran-ES e da Receita Federal do Brasil. Além das prisões temporárias, expedidas pelo Juízo 3ª Vara Criminal de Vila Velha, foram executados 14 mandados de busca e apreensão, com a participação de 42 agentes da Polícia Rodoviária Federal, 23 policiais militares e três promotores de Justiça.

Segundo o MPES, o comércio ilícito de documentos de registro de veículos tem finalidades múltiplas, como conferir aparente legalidade a veículos que sejam produto de outros crimes (esquentar veículos roubados/furtados), prática de estelionatos contra seguradoras, mediante a comunicação falsa de crime para recebimento do prêmio (golpe do seguro), realização de financiamentos de veículos inexistentes (golpe do financiamento) e realização de alteração de característica de veículo (inserção irregular de eixos).

A apuração dos fatos tramita sob sigilo e seguirá com a análise dos documentos apreendidos, oitiva de testemunhas e dos investigados, análise de mídias e de dispositivos móveis. Por esse motivo, não foi divulgada a lista com os nomes dos presos.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Banho-maria

Estratégia de jogar demanda dos servidores para 2020, sem qualquer garantia, é um tiro no pé de Casagrande

Intervenção urbana alerta para 467 mortes no trânsito em sete meses no Estado

Lápides foram instaladas na Praia de Camburi para marcar início da semana nacional de conscientização

‘Coincidência’

Concessão a Eder Pontes nos cargos comissionados; mesa de negociação com servidores ou...sossega-leão?

#vetagovernador

Posição antecipada por Casagrande sobre projeto do MPES está na contramão do pleito dos servidores