Orçamento 2020 e manifestação agitam o cenário político na Serra

Treze vereadores contestam o decreto do prefeito Audifax Barcelos, alvo também de lideranças comunitárias

Discordâncias em torno do Orçamento 2020 que começa a ser debatido na próxima semana e uma manifestação organizada por lideranças comunitárias voltam a movimentar a partir deste sábado (19) o cenário político da Serra, pondo em risco a trégua entre o prefeito Audifax Barcelos (Rede) e a Câmara Municipal. 

Neste sábado, lideranças comunitárias e alguns potenciais candidatos a vereador em 2020 promovem uma manifestação, a partir das 8 horas, na avenida Central de Laranjeiras. O ato ocorre depois de solicitação feita a órgãos judiciais para reforçar a investigação visando apurar as declarações do prefeito Audifax Barcelos (Rede) sobre a existência de crime organizado na Câmara de Vereadores, registradas no último mês de abril.

Na Câmara, um bloco de vereadores não aceita o decreto do prefeito suspendendo uma alteração na Lei Orgânica, que retira dos vereadores a atribuição para alterar o orçamento com emendas impositivas. Treze vereadores, incluindo o presidente da Comissão de Finanças, Basílio Antonio Neves Santos, o Basílio da Saúde (sem partido), prometem buscar uma solução na Justiça, caso não haja um acordo com o prefeito.  

Já a manifestação popular tem como base o processo judicial decorrente de inquérito policial instaurado no rastro das declarações do prefeito, que apontou para a existência de uma organização criminosa no legislativo municipal, no auge do conflito entre os dois poderes.

No dia 8 desse mês, em ofícios encaminhados ao Ministério Público e Tribunal de Justiça, com cópias à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-ES), o grupo solicita, também, apuração de irregularidades na prefeitura denunciadas pelos vereadores e a reabertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde, suspensa pela Justiça. 

A manifestação reforça a decisão do desembargador Pedro Valls Feu Rosa encaminhada à Procuradoria do Tribunal de Justiça (TJES), em setembro passado, processo que já apura a prática de crime contra a honra no qual Audifax Baecelos é réu, a partir de denúncia formulada por 10 vereadores. O Zap Sociedade Civil Organizada, como o grupo se denomina, se reúne semanalmente em diferentes bairros do município. 

“O prefeito denunciou à imprensa que o crime organizado estaria patrocinando ações na Câmara da Serra para derrubá-lo do cargo. Diante da acusação, o presidente da câmara, vereador Rodrigo Caldeira, subiu à tribuna para devolver a acusação. Disse ele na ocasião que o crime organizado estaria sim, atuando na prefeitura, e alegou possuir provas”, afirma o documento do grupo, cobrando a devida investigação.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Câmara da Serra reage à contratação de serviços de limpeza

O vereador Aécio Leite disse que Audifax fere a lei que regula manejo de resíduos sólidos e líquidos

Audifax é impedido por Conselho de Saúde de terceirizar Hospital Materno

Em assembleia realizada na última sexta-feira, maioria dos conselheiros vetou gestão compartilhada 

Vereador critica Justiça e lança Nacib Haddad à Prefeitura da Serra em 2020 

A decisão que confirmou o afastamento de Nacib será contestada no Superior Tribunal de Justiça (STJ)

Grupo pede reforço na investigação sobre denúncias de crime organizado na Serra

Iniciativa de lideranças comunitárias respinga na aparente trégua entre Rodrigo Caldeira e Audifax