‘Parece que a gente sempre trabalha pra proteger as poluidoras’, ironiza Majeski

Ales arquiva projeto que exige convocação anual de secretário estadual e diretores de empresas poluidoras

Uma convocação anual do secretário de Estado de Meio Ambiente e dos diretores das empresas potencialmente poluidoras pela Comissão de Proteção ao Meio Ambiente e aos Animais. Esse é o objetivo do Projeto de Lei (PL) nº 29/2018, de autoria do deputado Sergio Majeski (PSB), que foi arquivado na sessão desta segunda-feira (4) da Assembleia Legislativa.

O PL já havia recebido parecer favoráveis de todos os procuradores da Casa, mas teve um parecer de inconstitucionalidade da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Em Plenário, Majeski pediu pela derrubada do parecer de inconstitucionalidade, o que foi rebatido pelo vice-líder do governo, Dary Pagung (PSB), que orientou a votação pela manutenção do parecer da Comissão. Na votação, prevaleceu a inconstitucionalidade, levando ao arquivamento da matéria. 

Dos 30 deputados, apenas Vandinho Leite (PSDB), Iriny Lopes (PT), delegado Lorenzo Pazolini (sem partido) e Capitão Assumção (PSL) apoiaram o pleito de Majeski. “Eu lamento muito que esse projeto seja arquivado, porque é de interesse da sociedade sim. Fica parecendo que a gente sempre trabalha no sentido de proteger as empresas poluidoras ao invés do contrário, ou seja, trabalharmos em benefício da população”, defendeu Majeski, após a derrota. 

“É espantoso que a comissão de justiça tenha encaminhado um parecer inconstitucional. Até porque, até onde eu sei, membros da CPI das Licenças [integrantes da Comissão] defenderam a inconstitucionalidade!”, protestou o parlamentar. 

Dary Pagung (PSB) é um dos membros suplentes da Comissão de Constituição e Justiça. E Marcelo Santos (PDT), presidente da CPI das Licenças, é membro efetivo da Comissão. Além dele, Rafael Favatto (Patri), Enivaldo dos Anjos (PSD), Alexandre Xambinho (Rede) e Hudson Leal (Republicanos) também integram a CPI das Licenças e a Constituição e Justiça da Casa. 

“Ora, não há inconstitucionalidade nenhuma. Conhecemos de longa data o problema da poluição do ar da Grande Vitória, provocado em grande parte pelas empresas poluidoras. Hoje temos uma CPI em andamento e parada nesse momento. Requisitamos ao presidente da comissão [Marcelo Santos] que retorne as reuniões o mais rápido possível, justamente pra entender ou pra investigar os licenciamentos ambientais. Seria muito importante pra sociedade ouvir pelo menos uma vez por ano o secretário de meio ambiente do Estado e os dirigentes das empresas poluidoras”, argumentou. 

“Mais uma vez digo, é um projeto que não pune ninguém, apenas visava ouvir anualmente o secretario de meio ambiente e os dirigentes. Eu lamento, mas nós vamos continuar insistindo em outra ocasião”, prometeu. 

CPI das Licenças

Na última quinta-feira (1), Majeski requereu, ao presidente da CPI das Licenças, Marcelo Santos, que retome as reuniões da CPI, parada há oito semanas. Para Majeski, o cancelamento das oito últimas reuniões é só mais uma demonstração inequívoca da falta de interesse da Assembleia Legislativa em investigar as irregularidades presentes nos TCAs e licenças das duas gigantes da Ponta de Tubarão. 

A primeira demonstração se deu logo na criação da Comissão, em fevereiro, quando os parlamentares articularam para não permitir a participação mais ativa de Majeski, negando-lhe a presidência, como seria o natural, visto que ele foi o proponente é e membro da Comissão de Meio Ambiente da Casa. Sequer a relatoria lhe foi dada. “Me colocaram como vice, que não quer dizer nada, é praticamente como um membro comum da CPI”. 

Em seguida, prossegue o deputado, o presidente, Marcelo Santos, inseriu o tema das licenças gerais, incluindo operações do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf). Algo completamente arbitrário, visto que o objetivo da Comissão é investigar a Vale e a ArcelorMittal. “Desde o começo a gente já sentia manobras no sentido de fugir do foco do que é realmente necessário”, afirma.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Estado possui mais de 400 escolas sem alvará de funcionamento

Denunciada desde 2015 por Sergio Majeski e MPES, situação começa a ser regularizada pela Sedu neste ano

Aprovado reajuste de 3,5% para servidores, governador, vice e secretários

Majeski comparou: alto escalão recebeu 67% de reajuste de 2010 a 2019, enquanto outras categorias 28%

Deputados pedem fim de isenções fiscais da Vale por não indenizar vítimas

Enivaldo dos Anjos afirmou que não irá arrefecer até acabar com as regalias da mineradora

Marcelo Santos pede transposição da CPI das Licenças para 2020

Comissão já não se reúne há onze semanas. ONG denuncia funcionamento da Vale sem licença por seis anos