Parteiras indígenas Guarani discutem parto natural no Estado

Encontro nacional será entre os dias 25 e 28 próximos, em aldeia de Aracruz

Prejudicada e incomodada com os problemas criados para as índias nos partos cesarianos feitos nos hospitais, a comunidade Guarani realizará o Encontro das Parteiras Guarani no Espírito Santo. Participarão parteiras de aldeias de São Paulo, Santa Catarina, Rio de Janeiro e do Espírito Santo. 

Estarão em Aracruz (região norte), cerca de 20 parteiras dos outros estados, e aproximadamente 70 capixabas, entre parteiras, ajudantes e as meninas que vão aprender sobre o tema, como relata Werá Kwarai, o Cacique Toninho Guarani, da Aldeia Boa Esperança, em Aracruz. 

O encontro será aldeia Três Palmeiras, onde as parteiras de outros estados chegarão no dia 24. 

O que motivou a realização do encontro são os muitos problemas enfrentados pela população indígena quando as parturientes são levadas aos hospitais. Neste caso, são comuns os partos  cesarianos, com a agressão cirúrgica praticada. E aí ocorrem muitos casos de infecção hospitalar no pós-parto, esquecimento de material no corpo da mulher durante o  procedimento, entre tantos outros problemas.

Diferentemente, nos partos naturais realizadas nas aldeias, é aplicada medicina dos próprios índios. É um parto 100% seguro, cuja preparação começa durante o crescimento do bebê no útero da mãe. 

A alimentação especial neste período e os cuidados durante o parto garantem a normalidade do processo. Depois, a criação da criança segue a cultura guarani, inclusive na alimentação especial para o período de crescimento.

Um detalhe importante, como informa o cacique, é que no parto natural há troca de energia entre a parteira e a criança. “A criança fortalece o espírito da parteira. E o espírito da parteira fortalece o espírito da criança.  Há troca de energia”, explica Toninho Guarani.

Esta troca energética ajuda na saúde da criança, favorecendo o seu crescimento com saúde. E mais um detalhe de extrema significação para os índios. Feito o parto natural, com a troca energética habitual, “a criança que nasce com um dom, quando crescer o realizará”, diz o cacique. Assim poderá se tornar músico ou se voltar para a cura de doenças, cita Toninho.

Apesar desta segurança no parto natural, muitos feitos em casa, algumas índias são seduzidas a procurarem os hospitais para o parto. Muitas, inclusive as jovens, já rejeitam o atendimento hospitalar.

Então, como explica o cacique Toninho Guarani, o encontro das parteiras também buscará discutir o chamamento para que os partos sejam sempre naturais e nas aldeias guarani.

Para as aldeias guarani no Espírito Santo, a comunidade vai construir uma farmácia natural e junto uma sala para atendimento nos partos. O espaço será utilizado pelas índias de todas as aldeias. Toninho Guarani informou que a construção deve começar no ano que vem. 

O Espírito Santo tem cinco aldeias guarani: Três Palmeiras, Piraquê-Açu, Boa Esperança, Olho D' água, em Aracruz, e a de Nova Esperança, no Caparaó. 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

"Não somos indígenas só em abril. Somos indígenas nos 365 dias do ano"

Às vésperas do Dia do Índio, guaranis e tupinikim foram convidados na Ufes e no gabinete do governador

Ufes terá um dia inteiro de atividades sobre questão indígena

Evento Aliança indígena acontece na próxima quarta-feira com filmes, debates e atividades culturais

'A área da Saúde do governo Hartung é uma falácia'

Valdecir Gomes Nascimento, do Sindsaúde, critica abandono dos hospitais e política de terceirização

'A área da Saúde do governo Hartung é uma falácia'

Valdecir Gomes Nascimento, do Sindsaúde, critica abandono dos hospitais e política de terceirização