Peça de teatro comemora 30 anos com apresentação gratuita

"Vitor ou Vitrola?!", espetáculo sobre relação do homem com tecnologia, será encenado em Cariacia dia 14

Era 1988, quando estreava a peça Vitor ou Vitrola?! na antiga Casa da Cultura em Vitória. De lá pra cá tanta coisa mudou, mas a peça continua atual e atuando. Nesta quarta-feira (14), às 19h30, o Grupo HB de Teatro realiza uma apresentação especial no Centro Cultural Frei Civitella, em Cariacica, comemorando os 30 anos do espetáculo, que calculam já haver sido apresentado mais de duas mil vezes, atingindo público estimado de 250 mil pessoas.

Não só os palcos, mas salas de aula, pátios de escola, ruas, bares, tudo virou possível cenário para encenar a peça. “O público não tem hábito de ir ao teatro, por questões de facilidades, de segurança e outras questões é mais prático ver TV, filmes e séries dentro de casa. Então resolvemos fazer o inverso, levar o teatro ao público. Assim, a peça se tornou alternativa, para além do teatro convencional”, explica o ator Hudson Braga, que atua desde o início das apresentações, há 30 anos.

Com figurino e um cenário simples, que tem como fundo a representação de um mega aparelho de rádio, a peça, que consiste numa comédia farsesca, ganhou essa versatilidade. Já circulou pela Bahia, Minas Gerais, e na semana passada, o grupo esteve no Rio de Janeiro, onde apresentou Vitor ou Vitrola?! em três escolas.

O que faz com que a obra siga atual é o tema. Trata-se de uma sátira que fala sobre o envolvimento do homem com a tecnologia. O texto foi escrito por Marquinhos Nô, baiano que morava no Espírito Santo, que ao voltar para casa se sentia envolto nas parafernalhas eletrônicas. “A obra parte da percepção que muitas coisas que estavam sendo inventadas estavam tirando espaço do homem. O personagem Vitor se relaciona com uma de suas invenções, uma vitrola, que entra em cena dialogando com ele, dizendo que a partir de então o homem seria um escravo de sua própria invenção”.

Com o tempo, o grupo também foi inserindo pequenos ajustes que tornam o texto mais atual. Na era dos smartphones, pode-se deduzir que o tema é mais contemporâneo que nunca. “O texto é voltado para alertar para o que estamos vivendo, não só nos dias de hoje, mas cada vez mais fechados num mundo em que a solidão e a introspecção estão prevalecendo. Busca colocar no espectador essa pulguinha atrás da orelha, para que possa pensar no que está fazendo no dia a dia com seu corpo, sua voz, seus pensamentos e atitudes”, explica o ator.

A apresentação em comemoração aos 30 anos da peça vai ser mais que especial, pois contará com a presença do idealizador da peça, Marquinhos Nô, que voltou para a Bahia e não faz mais parte do grupo. Desde o ano 2000, o personagem que era interpretado por ele é feito pelo ator Ricardo Amaro, que contracena com Hudson Braga. A data, 14 de novembro, é justamente o dia do aniversário de Marquinhos, que terá como presente assistir a durabilidade e persistência de sua obra em tempos de descartabilidade.

AGENDA CULTURAL

Espetáculo Vitor ou Vitrola?! – aniversário de 30 anos

Quando: Quarta-feira (14/11), 19h30

Onde: Centro Cultural Frei Civitela di Trento – Avenida Expedito Garcia, 220 – Cariacica/ES

Entrada franca

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Segundo ato contra cortes de Bolsonaro leva multidão às ruas de Vitória

Manifestantes saíram da Ufes e do Ifes no final da tarde desta quinta-feira e se encontraram na Sedu

Comunidades acadêmicas da Ufes e do Ifes preparadas para 'Ato 30M'

Federais do País fazem ato conjunto nesta quarta em solidariedade à UFPR, afixando faixas em seus campi

Exposição traz fotografias tiradas a partir de câmeras feitas com latas

Resultado de oficinas de fotografia com técnica rudimentar, exposição está no Centro Cultural em Cariacica

Ministério Público não participa das audiências de custódia realizadas no Estado

Com juízo confirmado em segunda instância, mandado de prisão para três servidores pode ser expedido a qualquer