PH sem pouso

Hartung resolveu se agarrar a Audifax para garantir sobrevivência política 

O governador Paulo Hartung busca uma solução que lhe garanta sobrevivência política e resolveu agarrar-se ao prefeito da Serra, Audifax Barcelos (Rede), como, inclusive, já está assinalado pela imprensa corporativa. 

Só que ele está amarrando o seu bode em quem é muito sabido. Audifax controla um dos colégios eleitorais mais fortes do Estado e, diferente das demais prefeituras, a sua está com o cofre cheio. O prefeito faz uma gestão virada para dentro do seu eleitorado e gasta com publicidade para manter sua visibilidade estadual. 

Com certeza é um dos prováveis candidatos ao governo para suceder o governador eleito Renato Casagrande (PSB), já que é um nome estadual, pois quando disputou a eleição para a Câmara dos Deputados, foi o mais votado no Estado. Quer dizer, Audifax não precisa de PH para ambicionar o governo.

No mar de perdidos desta última eleição, ele é uma âncora para resgatar náufragos, evidentemente que nem todos, apenas os que lhe ajudarão a navegar na direção do Palácio Anchieta. 

Não parece que PH se encaixe neste perfil, já que se encontra descapitalizado e aturdido com a derrota que lhe impôs Casagrande, a ponto de ter visto os principais nomes do seu ex-reinado fragorosamente derrotados na eleição, como  os que foram seus vices - Lelo Coimbra (MDB), Ricardo Ferraço (PSDB) e César Colnago (PSDB).

Quando PH, descapitalizado, busca aliança com Audifax, ele também encontra na Rede o senador eleito, Fabiano Contarato, que tem acossado para ser uma espécie de capital político seu. 

Mas, para isso, precisa do aval de Audifax, presidente do partido no Estado e, que, por sua vez, não deve fechar as portas para uma relação com o governador eleito, que acumula razões de sobra para ir à forra com PH, já que passou quatro anos na planície vendo o seu governo anterior sendo dissecado por ele.

O jogo está aí, sendo movimentado com vigor. Casagrande vai ter enorme dificuldade no governo e não deverá deixar de responsabilizar PH pela herança que lhe foi destinada. Se superar os efeitos negativos, certamente, será candidato à reeleição, o que já nos antevê um painel de futuro. 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
2 Comentários
  • Marcelo Zanuncio Gonçalves , sábado, 20 de outubro de 2018

    No quadro geral político do ES, foram muitos políticos que tiveram derrotas, PH foi um deles, desde quando deixou de disputar a reeleição, deixando seu grupo em Extrema dificuldades, para não dizer perdidos, ocasionando as derrotas de seus principais apoiadores, como também a perca quase total de seu capital político. Com relação a Audifax Barcelos, prefeito da cidade da Serra, e atual presidente do partido Rede no ES, também foi um dos que colheu derrotas, quando não conseguiu eleger os deputados por ele apoiado e perdeu de forma vexatória com a candidatura da senadora Rose de Freitas ao governo do ES, apesar de seu partido ter elegido o senador Contrato, mas essa eleição se deu pelo perfil do candidato e das mudanças que a população quer impor no quadro político brasileiro. Para dificultar ainda mais o prefeito Audifax, seu atual partido o Rede se enfraquece a nível nacional com a derrota da candidata Marina a presidência da república, onde iniciou com um percentual bom e acabou sendo muito mal votada. Tudo na política capixaba, dependerá da gestão do governador eleito Renato Casagrande, que se inicia no primeiro dia do próprio ano, quando passaremos a ter a percepção se o governador compreendeu os recados das urnas, e também do que virá do segundo turno das eleições presidenciais. Tanto Audifax, quando PH, terão que além de continuar trabalhando muito politicamente, também terão que torcer para que o governador Renato Casagrande não desenvolva um gestão boa, ou seja, que não seja aprovada pelo capixaba. Só o tempo dirá.

  • Willians , segunda, 22 de outubro de 2018

    Sem contar que o partido REDE não conseguiu a cláusula de desempenho e com isso ficará sem recursos públicos, tempo de televisão e de rádio para o próximo pleito. Com isso já se fala em fusão do REDE com os partidos: PRP, PHS e PRTB.

Matérias Relacionadas

Conselho recorre a senadores contra decreto que facilita posse de armas

CEDH alerta que medida sancionada por Bolsonaro agravará os casos de feminicídios no Estado

Casagrande diz que não negará parceria com o governo Bolsonaro 

Renato Casagrande aprova a reforma da previdência, mas acha difícil a tramitação de um regime a outro

Espaço secundário

Majeski ser jogado para escanteio no governo Hartung, sempre foi o esperado. Mas no período Casagrande...

Acordo assinado por Hartung pode engessar gestão ambiental de Casagrande

Proposto pelo MPF, Hartung aprovou Termo que não estabelece níveis aceitáveis para emissões de poluentes