PL que garante porte de armas a agentes socioeducativos segue para o plenário

Comissão de Finanças da Assembleia, presidida por Euclério Sampaio, aprovou a proposta nesta segunda

A Comissão de Finanças da Assembleia Legislativa (Ales), presidida pelo deputado Euclério Sampaio (sem partido), aprovou nesta segunda-feira (21) o Projeto de Lei Complementar (PLC) 38/2019, do deputado Delegado Lorenzo Pazolini (sem partido), que garante prerrogativas aos agentes penitenciários e de segurança socioeducativos, como o porte de arma de fogo e documento de identificação de validade nacional. A proposta, já aprovada também nos colegiados de Justiça e Segurança, segue agora para análise em Plenário.

O PLC também dá prioridade aos agentes nos serviços de transporte, saúde e comunicação públicos e privados, quando em cumprimento de missão, e de direito à prisão especial até o trânsito em julgado de sentença e, em qualquer situação, separado dos demais presos. Quando não existir estabelecimento específico para o preso especial, os agentes serão recolhidos em dependência distinta no mesmo estabelecimento.

Euclério, que relatou a matéria na comissão, lembrou que a reivindicação da categoria é antiga, alegando “dar segurança ao trabalho". O mesmo defende Pazolini, ao dizer que as prerrogativas "pretendem resgatar a dignidade e garantir a tranquilidade não só dos agentes e seguranças socioeducativos, mas também de suas famílias". 

A questão, porém, é polêmica e criticada por militantes dos Direitos Humanos no Estado, que não consideram o agente socioeducativo como força pública de segurança, além de ressaltarem que a socioeducação não se faz com repressão, uso desproporcional da força e aparatos bélicos, o que estimula a prática da violência. O Instituto de Atendimento Socioeducativo do Espírito Santo (Iases) atende adolescentes de 12 a 17 anos e jovens de 18 a 21 anos. 

Desde setembro último, os agentes socioeducativos estão em mobilização na Assembleia pela aprovação do projeto, com participações em reuniões e presenças na galeria do plenário. A constitucionalidade da matéria foi aprovada em parecer assinado pelo procurador geral da Assembleia, Rafael Henrique Guimarães Teixeira Freitas. 

A Comissão de Finanças é presidida por Euclério e tem Enivaldo dos Anjos (PSD) como vice-presidente; e José Esmeraldo (MDB), Gandini (Cidadania), Alexandre Xambinho (Rede), Rafael Favatto (Patri) e Marcos Garcia (PV) como membros efetivos. Luciano Machado (PV), Janete de Sá (PMN), Pastor Marcos Mansur (PSDB), Freitas (PSB) e Carlos Von (Avante) são suplentes.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Marcos Do Val sofre derrota na CCJ em votação sobre o decreto de armas

Projetos que sustam a medida seguem agora para o plenário, onde serão votados na próxima terça-feira

Marcos Do Val cita pesquisa de 2005 para defender decreto de armas de Bolsonaro

Relator de projetos contra a medida, senador argumentou que não há violação ao Estatuto do Desarmamento

Ecos de insatisfação

À frente de uma das áreas mais caóticas do governo, Victor de Angelo ''estreia'' no plenário da Assembleia

Assembleia adia votação de urgência para créditos especiais do governo Hartung 

Um dos críticos da iniciativa, Euclério Sampaio falou que atual gestão está querendo ''raspar o tacho''