Policiais militares e civis intensificam mobilização por reajuste salarial 

Após negativa pública do secretário Álvaro Duboc, nota e outdoors do grupo denunciam pior salário do País

O clima de insatisfação dos agentes que fazem a segurança pública no Espírito Santo aumentou nos últimos dias. O novo estopim foi o anúncio público do secretário de Estado de Economia e Planejamento, Álvaro Duboc, sobre a negativa de reajuste para o funcionalismo estadual este ano. Diante da confirmação, policiais militares e civis, além dos bombeiros, divulgaram uma nota pública e instalaram cinco outdoors pela Grande Vitória denunciando a política de arrocho estadual, que, nos últimos seis anos, garantiu apenas uma revisão anual dos salários de 5%, em 2018.

O anúncio de Duboc foi feito durante a apresentação do projeto da Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2020, nessa segunda-feira (30). A expectativa era que o governo anunciasse o percentual do reajuste, o que não aconteceu e deve ocorrer até abril do ano que vem.

Segundo os agentes, que se uniram na Frente Unificada de Valorização Salarial dos Policiais Civis e Militares e Bombeiros Militares, o Estado tem pago a pior remuneração do País, no caso dos PM’s. A indignação dos servidores é ampliada, segundo eles, com a boa situação fiscal do Espírito Santo diante de outros estados que têm concedido reajuste.

Na nota, reiteram: “os policiais e bombeiros militares capixabas estão cada vez mais insatisfeitos e indignados com a ausência de perspectiva concreta de reajuste salarial. A defasagem, que já é grave, piora com reajustes concedidos neste ano em estados que têm situação fiscal muito pior, inclusive tendo aderido ao Regime de Recuperação Fiscal, ao contrário do Espírito Santo, que possui nota A em classificação junto ao Tesouro nacional”, explicam.

Os agentes de segurança citam como exemplos o Rio Grande do Norte (23%), mesmo com crise fiscal e tendo aderido ao Regime de Recuperação Fiscal; Minas Gerais, que tem proposta de 28% de aumento para os policiais e bombeiros; Distrito Federal, com 37% anunciado no início deste ano; Rio de Janeiro, com 8% para toda segurança pública e aumento de 45% das gratificações extraordinárias, além de Alagoas (reajuste de 12% para policiais e bombeiros) e Amazonas (14,74% para policiais e bombeiros). 

De acordo com dados divulgados pela Frente, nos últimos anos (2014/2019), enquanto a inflação acumula um índice de 35,53%, os salários dos policiais tiveram reajuste de apenas em 4,5%, tornando praticamente impossível arcar com compromissos básicos sem recorrer a endividamento constante que compromete até a integridade dos policiais no exercício de suas atribuições”. Como base de comparação, o salário base dos policiais militares do Distrito Federal é de R$ 7,1 mil. Na lanterna do ranking, o Espírito Santo paga uma média de R$ 2,7 mil. 

Reuniões 

Segundo o coronel Marcos Aurélio Capita, presidente da Associação dos Oficiais da Polícia Militar do Estado, há pouca expectativa em relação à reunião que deve ocorrer no dia 11 deste mês, quando o governo prometeu retornar com uma proposta de recomposição salarial para a categoria dos policiais militares. Segundo ele, antes mesmo do encontro, o Secretário de Estado de Economia e Planejamento, Álvaro Duboc, já anunciou publicamente que não haverá reajuste para o funcionalismo estadual este ano.

“Apesar de o governo falar que a mesa de negociação está colocada, o discurso que é feito na imprensa é outro. O que está sendo falado é que talvez haja um reajuste em abril do ano que vem. Diante desse fato, resolvemos mostrar nossa insatisfação publicamente também, pois a sociedade precisa saber de nossa realidade”. 

Coronel Capita afirma que, enquanto o funcionalismo estadual agoniza com apenas um reajuste de 5% nos últimos seis anos, sendo obrigada a se endividar em empréstimos consignados, o Estado anuncia que fará uma aplicação financeira de R$ 250 milhões. 

Para o militar, a gestão de Casagrande não tem sido muito diferente do seu antecessor, o ex-governador Paulo Hartung. “Casagrande disse que concedeu anistia porque seu antecessor tinha errado por não ter concedido o reajuste anual em 2017 e pela falta diálogo. Com ele não tem sido muito diferente, que tem negado também a revisão anual, e tem um diálogo que se mostra falso”. Diante da situação, coronel Capita não descarta um clima de insatisfação similar o que culminou no movimento de fevereiro de 2017, com a paralisação da tropa. 

Representantes da Frente Unificada de Valorização Salarial dos Policiais Civis, Militares e Bombeiros Militares haviam se reunido, neste mês, com o secretário de Estado de Segurança, Roberto Sá, para reforçar o pleito de reajuste salarial, que já havia sido apresentado à secretária de Estado de Gestão e Recursos Humanos (Seger), Lenise Loureiro. 

Há um mês, policiais militares e civis, bombeiros militares, além de servidores que integram o setor de segurança pública do Espírito Santo, realizaram um protesto pelas ruas da Vitória. A caminhada percorreu as vias principais da Capital, como Avenida Vitória e Beira-Mar, com destino ao Palácio Anchieta. 

Compõem a Frente: Associação dos Militares da Reserva, Reformados, da Ativa da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros Militar e Pensionistas de Militares do Estado do Espírito Santo (Aspomires); Associação dos Bombeiros Militares do Estado do Espírito Santo (ABMES); Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar (ACSPMBM-ES); Associação dos Subtenentes e Sargentos da Polícia Militar e do Bombeiro Militar (Asses); Associação dos Oficiais da Polícia Militar (Assomes); Sindicato dos Investigadores de Polícia Civil (Sinpol); Associação dos Investigadores de Polícia do Estado (Assinpol); Sindicato dos Delegados de Polícia Civil (Sindepes); Associação dos Delegados de Polícia Civil (Adepol).
 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
Matérias Relacionadas

Frente de policiais lança nova campanha com outdoors pedindo valorização

Dizeres como “Policiais e Bombeiros do ES têm o pior salário do Brasil” estão na Grande Vitória e interior

Associação de cabos e soldados registra mais um suicídio na tropa

Para entidade, profissão de alto risco é agravada pela mais baixa remuneração do país e pouco investimento

Segurança Pública em 2019: policiais e bombeiros se unem em frente unificada

Governador Casagrande tenta administrar revolta dos agentes de segurança em função dos baixos salários

Frente de policiais lança vídeo em que eleva tom contra Governo Casagrande 

Militares, civis e bombeiros dizem que já estão no limite e que a situação pode piorar em 2020