Ponto de Memória realizará resgate da história LGBT no Estado

A inauguração do projeto será em 29 de janeiro, Dia Nacional de Visibilidade Trans

A Associação Grupo Orgulho, Liberdade e Dignidade (Gold) inaugura, no próximo dia 29, Dia Nacional de Visibilidade Trans, o Ponto de Memória Aquenda as Indacas!, que realizará um resgate da memória LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) do Espírito Santo. No evento de abertura, serão realizadas oito rodas de conversa na sede da Gold, conduzidas por ativistas convidados. O depoimento desses militantes será captado em vídeo e disponibilizado no canal do Youtube da entidade. 

Na inauguração do Ponto de Memória, Vanilly Borghi e Carlos Eduardo de Melo falarão sobre o Trans Ativismo no Espírito Santo. O Ponto de Memória Aquenda as Indacas foi aprovado no edital 005/2018 da Secretaria Estadual de Cultura do Espírito Santo. Datas comemorativas do calendário LGBT servirão de tema para algumas rodas de conversa.

As palavras aquenda e indaca são palavras do Pajubá, dialeto criado por travestis que mescla palavras de línguas africanas com palavras do português. A palavra aquenda é utilizada para chamar atenção de alguém para alguma coisa. Exemplo: “Aquenda o bofe mona”! Já a palavra indaca significa língua e, dependendo do contexto, pode ser entendida como conversa, diálogo.

O Dia da Visibilidade
No dia 29 de janeiro é celebrado o Dia da Nacional da Visibilidade Trans, marco da luta pela cidadania e respeito às travestis, homens e mulheres trans. A data surgiu em 2004 a partir do lançamento da campanha “Travesti e Respeito”. Esta foi a primeira campanha nacional idealizada e pensada por ativistas travestis e transexuais para promoção do respeito e da cidadania. 

O Dia da Visibilidade Trans tem o objetivo de ressaltar a importância da diversidade e respeito para o Movimento Trans, representado por travestis e transexuais. 

Mutirão de retificação de nome e de gênero
Como parte das comemorações do Dia da Visibilidade Trans, a Defensoria Pública do Estado do Espírito Santo (DPES) realizará um mutirão de atendimento de retificação de nome e de gênero no próximo dia 25 de janeiro. 

Para participar do evento é preciso se inscrever previamente pelo e-mail ndireitoshumanos@gmail.com, pelo telefone 3222-2019 ou pessoalmente no NUDEDH, em Vitória. O período de inscrição termina no dia 18 de janeiro. 

Os documentos necessários àqueles que desejam realizar a retificação do nome e do gênero são: certidão de nascimento, RG, CPF, título de eleitor e comprovante de residência referente aos últimos três meses.  O mutirão acontecerá no dia 25 de janeiro, das 9h às 16h, na sede do NUDEDH, localizado na Rua Pedro Palácios, nº 60, Edifício João 23, sala 205, na Cidade Alta, no Centro de Vitória.

Violência

Dados indicam que a população trans vem sendo a mais violada e violentada entre a população LGBT no país. O último Relatório de Violência Homofóbica publicado pela Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República aponta que grupos de travestis e transexuais ainda são os mais suscetíveis à violência, que se expressa através de injúrias, agressões físicas e psicológicas e assassinatos todos os dias.

Além do preconceito e da violência vividos diariamente, a dificuldade no acesso à educação, ao trabalho e à saúde está presente na vida destas pessoas. Um dos principais motivos é o fato da identidade social e da expressão de gênero da pessoa trans não corresponderem ao documento de identidade.

Para a presidente da Associação Gold, Deborah Sabará, o mutirão de retificação da Defensoria era aguardado há muito tempo. “Inúmeras meninas têm dificuldades em retificar o nome e o gênero, até mesmo por falta de informação. Falta informação também para os cartórios. Ainda há muitas dúvidas. Então, esse processo vai ser muito importante para algumas meninas que moram no Espírito Santo, mas que têm seu cartório no extremo Sul da Bahia, por exemplo. Há cartórios que encaminham as meninas para os cartórios onde foi feito o registro de nascimento”, explicou. 
 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Oficina vai capacitar organizações da sociedade civil sobre marco regulatório

Para Deborah Sabará, a capacitação é importante para as organizações ampliarem parcerias

Unesco reconhece união homoafetiva como patrimônio mundial

  Deborah Sabará afirma que a comunidade LGBTI aguarda decisão do STF sobre criminalização da homofobia 

Movimentos sociais serão resistência pela democracia e tolerância

Para Deborah Sabarah, eleição de Bolsonaro e seu discurso de ódio deixa minorias em estado de alerta

Privação de liberdade para adolescentes não é exceção no Estado

Estatuto é descumprido, superlotando unidades e dificultado a ressocialização