População de Colatina ouve reivindicações de pescadores atingidos

Por terra e rio, pescadores protestaram contra descaso da prefeitura e da Fundação Renova

Mais uma vez os pescadores de Colatina (noroeste do Estado) atingidos pelo crime da Samarco /Vale-BHP protestaram contra o descaso a que são submetidos pela Fundação Renova e a prefeitura.

A Marcha em defesa dos direitos foi realizada na manhã dessa sexta-feira (30), no rio Doce e na Avenida Beira-Rio, com organização da Associação dos Pescadores Profissionais Nova Vida (Apevida). 

“Conseguimos ser vistos e ouvidos pela população e agora esperamos que dê um resultado que melhore a nossa situação”, avalia a presidente da Apevida, Andressa Karla Sacht Lemes da Rocha.

Na água e no continente, os manifestantes empunharam cartazes, denunciando o não-reconhecimento de vários pescadores como atingidos, o não pagamento de indenizações, o preconceito contra as mulheres pescadoras no reconhecimento e pagamento do auxílio emergencial, a destruição da peixaria e sede da Apevida pela prefeitura, entre outras pautas. 

Uma das participantes, a pescadora Joselita Maria de Jesus desabafou: “a Renova não enxerga os que estão sofrendo pelo rio, os que não estão podendo trabalhar. Se os homens trabalhavam, as mulheres também, e elas está sendo colocadas pra baixo, tem muitas mulheres que não foram reconhecidas. Estamos fazendo esse ato a vamos fazer muito mais!”. 

Ao final, os manifestantes receberam as bênçãos do bispo diocesano, Dom Vladimir Lopes Dias. A Apevida também convidou a Fundação Renova e o prefeito Sergio Meneguelli (MDB), além de sindicatos locais, mas estes não compareceram.

A pauta de reivindicações será entregue ao prefeito e à Renova, em reunião a ser marcada. “Estamos tentando, mas eles ainda não quiseram nos receber”, denuncia Andressa. 

A pauta completa tem oito itens: Entrega de uma nova sede para a Apevida; reconhecimento dos pescadores frente à Renova; assistência social e de saúde às famílias de pescadores; rejeição da Prefeitura ao acordo de indenização proposto pela Renova ao município; implementação e contratação assessoria técnica; melhoria e garantia da qualidade da água oferecida a população de Colatina; revitalização do Rio Doce e das nascentes do município;  Reconhecimento das mulheres atingidas por parte da Renova.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Defensorias Públicas e MPF exigem Indenização aos pescadores de camarão

Auxílio emergencial e aceitação da autodeclaração para precificação dos pagamentos também foram requeridos

'Não há legislação que atue sobre essa quantidade de metais lançados nas águas'

Coordenador do Projeto Tamar, Joca Thomé alerta sobre ausência dos órgãos de saúde e Vigilância Sanitária

Três entidades estão credenciadas a assistir aos atingidos no Estado

Cada uma das oito comissões capixabas vai escolher qual entidade lhe prestará assessoria técnica