Presidente da Fundação Renova recebe voz de prisão na CPI da Sonegação

Roberto Waack deve voltar à CPI na quinta-feira, quando será definido sobre sua prisão preventiva

O diretor-presidente da Fundação Renova, Roberto Waack, recebeu voz de prisão durante reunião extraordinária da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Sonegação, na noite desta terça-feira (1). O habeas corpus preventivo apresentado antes de iniciar a sessão do colegiado não impediu que o executivo fosse retirado do plenário Judith Castelo Leão e recolhido a uma sala, enquanto um procurador da Casa tentou junto ao plantão judiciário o acolhimento do pedido de prisão. A decisão foi adiada para esta quinta-feira (3).

Roberto Waack foi à Assembleia Legislativa acompanhado de outros quatro diretores da Fundação, convocados pela CPI. Mas apenas ele e a diretora de Planejamento e Gestão, Cynthia May Hobbs Pinho, foram ouvidos. 

Os demais - gerente de Governança e Riscos, Guilherme Almeida Tângari; diretor de Programas Sociais e Ambientais, André Giancini de Freitas; e o diretor de Reconstrução e Infraestrutura, Carlos Rogério Freire de Carvalho – foram reconvocados para a próxima quinta-feira (3), às 11h, quando a sessão será retomada. 

O pedido de suspensão da sessão foi feito pelo presidente da Comissão, Enivaldo dos Anjos (PSD). Para o retorno dos trabalhos, também será analisada a convocação das diretorias das empresas responsáveis pelo crime, a Samarco, a Vale e a BHP Billiton. 

Na data, os parlamentares decidirão sobre a resposta que a Justiça dará ao pedido de prisão do presidente da Renova e de suspensão do pagamento do seguro solicitado pela Samarco/Vale-BHP, de R$ 12,3 bilhões. 

O pedido de prisão foi feito por Euclerio Sampaio (sem partido), após confirmação, por Marcelo Santos (PDT), de que Roberto Waack teria mentido aos deputados durante o último depoimento à CPI sobre dois aspectos: quando afirmou que não detinha qualquer processo na Justiça e garantiu que o produto Tanfloc não estava mais sendo usado no Rio Doce. 

Marcelo Santos relatou aos colegas que o presidente da Renova responde a um processo de crime ambiental e que a Sanear Serviço Colatinense de Saneamento Ambiental informou que o produto era usado na cidade até dois meses atrás.

Sobre a suspensão do pagamento do seguro, Euclério leu o posicionamento da CPI, em que aspectos importantes são ressaltados, como o fato de o pedido de seguro ter sido feito na véspera do rompimento da Barragem de Fundão, da Samarco, em Mariana/MG, ocorrido em cinco de novembro de 2015. 

“Esse parlamento não pode ficar de braços cruzados vendo essa empresa criminosa enriquecer ilicitamente”, afirmou. “A Samarco já sabia que o desastre aconteceria. A Vale lançava rejeitos na barragem da Samarco de forma clandestina, agravando riscos da barragem”, disse. 

“O seguro foi concedido na véspera do desastre, o que pode confirmar a suspeita do Ministério Público, de que houve dolo e que a tragédia foi premeditada”, denunciou.

Caso o seguro seja pago, prosseguiu Euclério, que o pagamento seja feito em conta judicial, para garantir a indenização dos atingidos. “É inadmissível que essa empresa criminosa tome posse desse valor bilionário e as vítimas continuem agonizando sem saber quando serão indenizadas”. Caso contrário, advertiu, “as seguradoras poderão sofrer, como consequência, ter de pagar duas vezes o valor do seguro, por descumprir recomendação deste parlamento”. 

A medida se faz necessária, ressaltou, para que haja a “supremacia do interesse público sobre privado”, e para que não haja cumplicidade e conivência com a “impunidade das empresas criminosas, em descompasso com o agonizante sofrimento das vítimas, que, até a presente data, não foram indenizadas, em total violação das cláusulas 19 e 38 do TTAC [Termo de Transação e Ajustamento de Conduta]”. 

O TTAC foi assinado em 2016 pela União, governos capixaba e mineiro, ministérios públicos e as empresas criminosas, estabelecendo 42 programas de compensação e reparação dos danos do crime, criando a Fundação Renova para executar os programas, e o Comitê Interfederativo (CIF) para fiscalizar as ações da Renova. Segundo o TTAC, todos os atingidos já deveriam ter sido indenizados desde março de 2017. 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • MARCIO ALVES , quarta, 02 de outubro de 2019

    ABUSO DE AUTORIDADE DE QUEM QUER APARECER PARA GANHAR VOTO DO POVO, A FUNDAÇÃO ESTA FAZENDO SIM O QUE PODEM SER FEITO, POREM ESBARRAM COM TODA BUROCRACIA DESTE NOSSO ESTADO CORRUPTO E INEFICIENTE ESTADO, MUITOS ESPERTOS QUERENDO GANHAR EM CIMA DESSA LAMENTÁVEL TRAGEDIA CREIO QUE JULGAR A CULPA PARA PESSOAS INOCENTES NÃO RESOLVERA O PROBLEMA. UNIÃO DE TODOS SERIA A MELHOR ALTERNATIVA PARA SE AGILIZAR TODOS OS PROCESSOS.

Matérias Relacionadas

Entidade pede abertura de processo contra diretor-presidente do Iema

Alaimar Fiuza, ligado à Vale, é acusado de falta de decoro por atos no Conselho Estadual de Meio Ambiente

Crime da Samarco: convocados não comparecem à reunião da CPI da Sonegação

Presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, apresentou HC; deputados querem fim de isenções fiscais

CPI da Sonegação convoca 24 pessoas relacionadas ao crime da Samarco/Vale-BHP

Reunião nesta quarta deve debater o fim das isenções fiscais à Vale por não indenizar atingidos no Estado

Deputados pedem fim de isenções fiscais da Vale por não indenizar vítimas

Enivaldo dos Anjos afirmou que não irá arrefecer até acabar com as regalias da mineradora