Presidente do DEM de Cachoeiro é o novo superintendente do Ibama-ES

Diego Libardi é advogado de Ferração e Norma Ayub. Servidores questionam critério político

O loteamento político de autarquias federais nas negociações pela reforma da Previdência de Jair Bolsonaro segue a todo vapor no Espírito Santo. Nessa segunda-feira (17) foi a vez do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Por indicação da deputada federal Norma Auyb (DEM), Diego Libardi Leal foi nomeado o novo superintendente, por meio da Portaria nº 379, publicada no Diário Oficial dessa segunda, assinada pela ministra substitua de Meio Ambiente, Ana Maria Pellini.

Ex-secretário de meio ambiente de Marataizes, no sul do Estado, Diego Libardi Leal foi eleito no início do mês como novo presidente do Partido Democratas (DEM) em Cachoeiro de Itapemirim e advoga em causas pessoais do casal Theodorico Ferraço e Norma Ayub, que comandam o DEM no Estado.

A Associação dos Servidores Públicos Federais Integrantes da Carreira de Especialista do Meio Ambiente e do Plano Especial de Cargos do Ministério do Meio Ambiente e do Ibama – PECMA no Espírito Santo (Asibama-ES) disse considerar que, numa análise preliminar, “o nomeado não preenche os pré-requisitos para a investidura no cargo” e que o assunto será tratado na assembleia da categoria, a se realizar nesta quarta-feira (18).

O jovem advogado do casal Ferração e Norma é o oitavo superintendente do Ibama nomeado no Estado em menos de três anos.

Em protestos anteriores contra essa antiga prática na esfera federal, os servidores se posicionaram em carta aberta, explicitando a necessidade de adoção de critérios técnicos e não políticos para a escola dos cargos de gestão na área ambiental.

O último foi realizado há três meses. Em uma carta aberta enviada ao ministro Ricardo Salles e ao presidente do Ibama, Eduardo Fortunato Bin, a Asibama/ES solicitou que o próximo superintendente voltasse a ser escolhido dentro do quadro técnico da entidade.

O manifesto citou o crime da Samarco/Vale-BHP, que destruiu o Rio Doce desde Mariana/MG até a foz em Linhares, e contaminou todo o litoral capixaba, além do norte do Rio de Janeiro e sul da Bahia, incluindo o Parque Nacional Marinho de Abrolhos, e o crime da Vale em Brumadinho/MG, como exemplos de situações em que o rigor técnico precisa suplantar os interesses políticos de gestores públicos e empresários.

“O cargo de superintendente do Ibama é de extrema responsabilidade e exige tomada de decisões com embasamento técnico, para isso, a pessoa não deve ter envolvimento com nenhum segmento da sociedade que tenha interesses conflitantes com as ações estabelecidas como de competência do órgão”, sublinham os servidores.

Outro fator importante, prossegue o texto, é que “a indicação de alguém que não pertence ao quadro de servidores do Ibama para o referido cargo pode representar um aumento de 40% no valor gasto com a gratificação da função”.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Está na hora de repensar a forma de liberação de agrotóxicos no país

Pesquisa do Butantã mostra que dados sobre toxidade não são devidamente considerados pela Anvisa e Ibama

Justiça determina novamente entrega de documentos sobre Abrolhos pelo Ibama

Objetivo é proteger o arquipélago, ameaçado por leilão de blocos de petróleo e gás da ANP em outubro

Contarato prepara nova ação contra venda de blocos de petróleo em Abrolhos

Tutela cautelar ainda não foi atendida pela Justiça. Leilão da ANP acontecerá em outubro

Ministro anuncia possível apadrinhamento de sete parques nacionais pela Vale

Caparaó é um dos parques que pode ser gerido pela Vale numa negociação de multa pelo crime de Brumadinho