Presidente Michel Temer sanciona reajuste para ministros do STF

Salários passam para R$ 39 mil, com efeito cascata no Espírito Santo de mais de R$ 30 milhões por ano

O presidente Michel Temer sancionou nesta segunda-feira (26) o reajuste dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e da procuradora-geral da República. O aumento foi garantido após a Suprema Corte cumprir acordo com Temer condicionando o aumento do salário à revogação do auxílio-moradia a juízes de todo o país.

Aprovados no início do mês pelo Senado, os dois projetos de lei sancionados nesta segunda alteram o subsídio dos 11 integrantes do STF e da atual chefe do Ministério Público Federal, Raquel Dodge, de R$ 33,7 mil para R$ 39 mil. A medida provoca um efeito cascata sobre os funcionários do Judiciário, abrindo caminho também para um possível aumento dos vencimentos dos parlamentares e do presidente da República.

Devido ao impacto do reajuste, o Palácio do Planalto previa que a sanção integral das leis só seria garantida se houvesse o fim do auxílio-moradia. Na decisão em que revoga liminar relativa ao pagamento, o ministro do STF Luiz Fux já mencionava a recomposição das perdas inflacionárias dos integrantes do tribunal em 16,38%, percentual previsto no projeto de lei. Interlocutores do Planalto lembram, porém, que a proposta de reajuste foi feita pelo próprio Supremo em 2016, e aprovada pelo Poder Legislativo.

Estudos da Consultoria Legislativa do Senado apontam que o impacto fiscal da medida pode chegar a R$ 6 bilhões, com o chamado efeito cascata. No Espírito Santo, a previsão é de que ultrapasse R$ 30 milhões anuais.

Supremo

O ministro Luiz Fux, ao revogar as liminares concedidas em seis ações de sua relatoria referentes a auxílio-moradia de magistrados, destacou que diante da promulgação das leis e o consequente incremento de despesas que decorre sistema de vinculação ao teto constitucional, “impõe-se ao Poder Judiciário o estabelecimento de parâmetros que assegurem o ajuste fiscal das contas públicas”.

Fux disse ainda que, em razão do quadro de crise do Estado brasileiro e com a recomposição dos subsídios promovidos pelas Leis 13.752/2018 e 13.753/2018, decorre a impossibilidade prática do pagamento do auxílio-moradia aos magistrados e a outras carreiras jurídicas em conjunto com a majoração do subsídio. Tal situação, enfatizou Fux, acarretaria impactos orçamentários insustentáveis.

“A inviabilidade orçamentária verificada no atual contexto impõe que seja conferido tratamento isonômico a todos os atingidos, visando a impedir o pagamento da parcela referente ao auxílio-moradia a todos os agentes, sem exceções, que recebem a parcela em decorrência do artigo 65, II, da Lei Complementar 35/1979 (todos os membros do Poder Judiciário), ou como resultado da simetria entre as carreiras jurídicas”.

Segundo a decisão, a partir de agora não é possível o recebimento do auxílio-moradia por qualquer membro do Poder Judiciário, do Ministério Público, das Defensorias Públicas, das Procuradorias, dos Tribunais de Contas ou de qualquer outra carreira jurídica com base na simetria com a magistratura, com fundamento nas liminares deferidas anteriormente ou com amparo em atos normativos locais (leis, resoluções ou de qualquer outra espécie). As liminares cassadas referem-se às Ações Originárias (AO) 1389, 1773, 1776, 1946, 1975 e à Ação Cível Originária (ACO) 2511.

O ministro Luiz Fux também determinou que o fim do pagamento do auxílio-moradia só ocorra quando for implementado o subsídio majorado pelas leis sancionadas pelo presidente da República.

(Com informações da Agência Brasil e STF)

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Justiça: decisões históricas beneficiam presas e adolescentes da Unis Norte

Também tiveram destaque volta do auxílio-moradia, precatórios da trimestralidade e concurso cartorial

Em agenda no Estado, presidente do STF recebe comenda de Hartung

Ao chegar no Palácio Anchieta, porém, Dias Tofolli foi vaiado por grupo de manifestantes

Ministro do STJ admite recurso que pode federalizar julgamento de PMs capixabas

Com admissão do ministro João Otávio de Noronha, recurso terá novo julgamento pelo STF

Estado é o oitavo no País em número de adolescentes infratores internados

Brasil tem hoje mais de 22 mil menores infratores em regime de internação em 461 unidades socioeducativas