Primeiro ato contra aumento da tarifa de Transcol acontece segunda-feira

Mobilização acontecerá em Vitória junto a debate sobre projeto de lei para revogar reajuste nas passagens

Depois da realização de plenárias e reuniões, diversas entidades decidiram convocar um ato contra o aumento da tarifa dos ônibus Transcol, que atendem à Grande Vitória. A atividade está marcada para a próxima segunda-feira (13), às 8h30, em frente a Câmara de Vereadores de Vitória, onde será votado o PL 04/2020, que poderia suspender o aumento nos ônibus em Vitória, vinculado ao ajuste do Transcol.

Convocam para o ato a Central Única dos Trabalhadores (CUT), Diretório Central dos Estudantes da Ufes (DCE-Ufes), Associação dos Docentes da Ufes (Adufes) e Sindicato dos Trabalhadores da Ufes (Sintufes). O aumento no preço da passagem dos ônibus metropolitanos foi anunciada no dia 3 de janeiro após reunião do Conselho Tarifário. Desde o dia 5 passou a valer a tarifa de R$ 3,90 por viagem ao invés dos R$ 3,75 anteriores, um aumento de 4%.

Foto: Divulgação

Além deste aumento no valor pago pelos usuários, que impacta diretamente no bolso dos cidadãos que necessitam do transporte público, uma pesquisa do Sindicato dos Trabalhadores e Servidores Públicos do Estado do Espírito Santo (Sindipúblicos) indica que em 2019 os subsídios autorizados pelo governo de Renato Casagrande (PSB) em seu primeiro ano de mandato às empresas de transporte chegou a R$ 147 milhões, o que equivale a 62% a mais do que os R$ 90 milhões do ano anterior, no governo de Paulo Hartung.

O vereador Cleber Felix (PP), presidente da Câmara Municipal de Vitória, é o proponente do projeto de lei 04/2020, que condiciona os reajustes tarifários à comprovação do aumento da qualidade da prestação de serviços no sistema de transporte público, que seria fiscalizado pelo Conselho Municipal de Transporte e Trânsito (Comuttran). O presidente da Casa convocou reunião extraordinária na segunda-feira para debater o projeto, já que a Câmara está em recesso parlamentar.

O vereador considerou que o transporte público é um assunto de interesse da população e que deve haver consulta sobre mudanças no sistema, o que não aconteceu no município nem com audiências públicas nem no âmbito legislativo, já que a tarifa dos ônibus da capital foram equiparadas ao sistema Transcol para atender ao cartão unificado que está vigente. 

Outro legislador municipal, o vereador Roberto Martins, recebeu na última quinta-feira movimentos sociais e estudantis para discutir o tema e pensar possibilidades para rever ou impedir o aumento. “A nova tarifa agora consome cerca de 15% do salário mínimo do trabalhador, tendo em vista o novo valor de R$1.039,00. É urgente repensarmos essas medidas que nem sempre estão compatíveis com a realidade dos cidadãos e, em especial, daqueles que estão em busca de oportunidades de trabalho. Eu sou contra o aumento da tarifa e farei o que estiver ao meu alcance para enfrentar essa medida”, afirmou.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • Francielly , sábado, 11 de janeiro de 2020

    Gostei de matéria falando quais vereadores estão por dentro da reunião e do interesse para discutirmos sobre esse aumento de passagem que ocorre na região. Obrigada por colocarem a Lei 04/2020 para estarmos cientes, estou atrás desse tipo de matéria para termos mais informações e passar adiante, o quanto pudermos compartilhar e buscar pessoas para participar será melhor. A respeito do passe livre para estudantes esta cada vez mais difícil de encontrar também, mas precisamos resistir.

Matérias Relacionadas

'Não seja uma ameaça para nossa comunidade!', alertam moradores de Regência

Com muitos idosos e pouca estrutura de saúde, comunidade teme fluxo de turistas devido à Covid-19

Sem condições de trabalhar, catadores convivem com incerteza

Risco de contaminação da Covid-19 pelo lixo obrigou associações formadas por pessoas humildes a parar

Movimentos criticam medidas do governo para população em situação de rua

Pastoral do Povo da Rua considerou ações para essa população diante da Covid-19 como insuficientes

A poesia não para com as ruas vazias

Saraus e slams se adaptam e seguem com programações online, confira quais são