Primeiro de maio terá ato unificado com pastorais, movimentos e centrais

Criação do Vicariato Para Ação Social Política e Ecumênica ajudou a impulsionar a unificação

A Marcha Pela Vida e Cidadania, realizada pela Pastoral Operária da Arquidiocese de Vitória em parceria com sindicatos, movimentos sociais e outras pastorais, chega à 21ª edição com um ato unificado. Este ano está confirmada a participação das centrais sindicais na manifestação, que acontece anualmente, no dia 1º de maio, em Cariacica. De acordo com o representante da Federação das Associações de Moradores de Cariacica (Famoc), Dauri Correia, o diálogo entre a equipe de organização da marcha e as centrais sindicais não começou este ano. 

“Há uns cinco anos quase conseguimos fechar uma proposta de ato unificado. Ano passado a CUT esteve na marcha, que aconteceu pela manhã, e disponibilizou ônibus para as atividades do primeiro de maio que a Central estava realizando à tarde. Este ano a CUT trouxe a proposta de unificação, que foi aceita”, diz. 

A presidente da CUT/ES, Clemilde Cortes, afirma que a unificação é importante, pois as pautas que as centrais, sindicatos, movimentos e pastorais sociais defendem são as mesmas. “Cada uma em sua atuação busca uma sociedade justa, solidária e fraterna”, explica.

Clemilde destaca que a criação do Vicariato Para Ação Social Política e Ecumênica na Arquidiocese de Vitória também contribuiu para a unificação, pois possibilitou aproximação maior da CUT com as pastorais. Criado em julho de 2019, o Vicariato tem como proposta o diálogo entre a Igreja e a sociedade civil, buscando reflexão e proposição de ações diante dos problemas vividos pelo povo capixaba. 

Clemildes afirma que a CUT procurou outras centrais sindicais, como a Força Sindical, Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB) e Nova Central, que já confirmaram participação na manifestação. 

Trajeto

A Marcha Pela Vida e Cidadania sairá de dois locais distintos. Pastorais sociais, movimentos sociais e alguns sindicatos se concentrarão a partir das 8h na Associação de Moradores de Itacibá, Cariacica. De lá, irão caminhar até a quadra da escola de samba Unidos de Boa Vista, em Itaquari. No caminho, passarão pelos bairros Sotema e Expedito. O trajeto foi escolhido, segundo Dauri, por ter uma população com bom nível de organização popular, que, inclusive, reivindicou a realização da marcha na região. 

As centrais ainda não decidiram de onde irão sair para seguir rumo a Itaquari e encontrar com o grupo de Cariacica, mas, de acordo com Clemilde, provavelmente sairão do Centro de Vitória ou de algum local próximo, como o Tancredão. 

Rodas de Conversa

Em preparação para a Marcha Pela Vida e Pela Cidadania serão realizadas duas rodas de conversa. A primeira seria no próximo sábado (21), das 14h às 17h, na Associação de Moradores de São Geraldo, em Cariacica, mas foi cancelada sem previsão de nova data por causa do alerta de pandemia do coronavírus. A segunda roda de conversa será no dia 25 de abril, das 14h às 17h, na Associação de Moradores de Itacibá, onde serão debatidos os efeitos da Reforma da Previdência. A debatedora será a coordenadora do Núcleo Capixaba da Auditoria da Dívida Pública, Lujan Miranda. 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Centrais sindicais organizam ato unificado para o 1º de maio

Ações políticas e culturais vão trazer temas como reforma da previdência, políticas públicas e violência