Privatização do saneamento é muito ruim para a população, adverte Sindaema

Sindicato dialoga com comissão presidida por Contarato para barrar o PL, que será votado após o Carnaval

A Comissão de Meio Ambiente do Senado, presidida pelo capixaba Fabiano Contarato (Rede), é talvez a última trincheira na qual se apoiam as entidades que alertam sobre os prejuízos, para a população, da privatização do setor de tratamento de água e esgoto no Brasil. 

Depois de aprovado na Câmara dos Deputados, agora é a vez do Senado votar o Projeto de Lei (PL) nº 3261/2019, que estabelece o marco regulatório do saneamento, trazendo modificações na legislação que prejudicam especialmente os municípios menores e afastados dos centros urbanos, além das companhias estaduais, como a Cesan, considerada uma das mais bem geridas do país. 

“Estamos em contato com a assessoria do senador Fabiano Contarato, que é presidente da Comissão de Meio Ambiente, para fazer uma reunião com ele sobre o tema, porque essa pauta deve passar por essa comissão e vamos tentar uma interlocução para avançar em algumas coisa”, conta o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente (Sindaema/ES), João Ramos.

De fato, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), declarou nessa quarta-feira (19) que trabalha com a previsão de votar o marco regulatório do saneamento logo após o Carnaval. A afirmação foi feita após encontro com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), na residência oficial da Presidência do Senado, em Brasília.

A expectativa de Alcolumbre é de que a Casa chegue, em breve, a um entendimento. “Acredito que, após o Carnaval, já tenhamos construído esse entendimento para votarmos rapidamente [a matéria] no Senado”, disse.

Mobilização nacional

A luta contra a privatização tem envolvidos dezenas de entidades brasileiras e se estende há cerca de dois anos, desde as primeiras tentativas, com Michel Temer e suas Medidas Provisórias (MPs) que caducaram no Congresso, após muita pressão de sindicatos e associações. 

“Fizemos uma luta incansável frente ao PL 3261/2019 na Câmara Federal, mas infelizmente não alcançamos o resultado esperado e o projeto está agora no Senado. O principal ponto de discussão é a vedação dos contratos de programa. O Congresso Nacional está votando um projeto de lei que proíbe dois entes da administração pública de fazerem relações e negociar entre si. A nosso ver, isso é muito ruim para a população e vai trazer problemas gigantescos, como o aumento das tarifas”, argumenta João Ramos. 

As entidades, relata o presidente do Sindicato, tem números que provam que as tarifas privadas são muito mais elevadas do que as públicas. “Até porque o empresário quer tirar o seu lucro”, diz. As principais companhias estaduais de saneamento têm reinvestido o lucro, informa, citando a Cesan como exemplo. “Tem 16 anos que ela não tira um real da companhia e a gente defende a continuidade desse modelo”, afirma. 

Os dados apresentados no Sistema Nacional de Informações do Saneamento (SNIS), explana, mostram isso. “Defendemos que esse modelo de gestão, adotado no Espírito Santo e em outros estados, sejam levados para todo o País. Porque nós temos, sim, companhias estaduais em situações muito ruins, mas nós temos também companhias privatizadas que provam que só privatizar não resolve o problema”, assevera. 

Dinheiro público para serviço público

Um exemplo clássico é Manaus, destaca o presidente do Sindaema. Há 20 anos, a capital do Amazonas privatizou o saneamento básico, mas a cobertura atual é de somente 11% da rede de esgoto e “com tarifas elevadíssimas”, ressalta. 

“Ou seja, o lucro vai para o bolso do empresário, que leva para outros investimentos, inclusive para outros setores, porque há uma diversificação de investimento. Enquanto isso, o trabalhador e a população de modo geral acabam ficando à mercê sempre do Estado. O privado está lá, não faz e volta a cobrar de quem? Do Estado, que vai acabar usando o BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social] e outras redes de financiamento, de dinheiro público, para subsidiar uma empresa privada a prestar um serviço público”, protesta. 

“Não tem necessidade nenhuma de se fazer privatização exacerbada das companhias a toque de caixa, apenas com um discurso de equilibrar as contas do Estado. Isso é uma irresponsabilidade de gestão sem tamanho”, critica. 

Em vez de fazer todo esse cruzamento, contesta o líder sindical, “que o dinheiro do BNDES seja utilizado pelos órgãos e empresas públicas para fazer o serviço público”, recomenda.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
Matérias Relacionadas

Políticos capixabas criticam duramente pronunciamento de Bolsonaro na TV

Deputado Felipe Rigoni considerou declarações do presidente simplistas, irresponsáveis e inconcebíveis

Contarato critica ataque de Bolsonaro e defende uma imprensa livre

O senador Fabiano Contarato condenou o ataque a jornalistas e a veículos de imprensa

Baixo Guandu defende SAAE público e rechaça privatização

Autarquia, que mantém tarifas menores que a Cesan e empresas privadas, investiu três milhões em sete anos

Fabiano Contarato se reúne com Casagrande sobre óleo no mar

Diligência ao ES foi aprovada pela Comissão Temporária Externa do Senado que acompanha o caso no país