Procurador da República contraria Constituições Federal e Estadual, diz ONG

Juntos-SOS requer que seja reconhecido o pedido de apreciação, pelo Consema, do TCA com as poluidoras

Em recurso impetrado nessa quarta-feira (3), a ONG Juntos SOS ES Ambiental requereu ao procurador da República Júlio César de Castilho Oliveira Costa, que determine a tramitação da solicitação feita ao Ministério Público Federa, para que a sociedade civil e o Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema) sejam ouvidos no processo que culminou com a assinatura, no dia 21 de setembro, dos Termos de Compromisso Ambientais (TCAs) com as empresas Vale e ArcelorMittal.

A solicitação da entidade foi arquivada pelo procurador André Carlos de Amorim Pimentel Filho, sob o argumento de que “não há na legislação qualquer obrigação de que o secretário de Meio Ambiente e presidente do Consema convoque reunião para discutir minutas de termos ambientais, máxime quando esses termos são firmados com a participação do Ministério Público”.

Como exposto no recurso contra o arquivamento, a sociedade civil tem impetrado ações judiciais contra a continuidade da poluição do ar produzida pelo Complexo de Tubarão e a conivência do Executivo Estadual e dos Ministérios Públicos Estadual e Federal na gestão da poluição atmosférica, ações essas em que o Instituto Estadual de Meio Ambiental e Recursos Hídricos (Iema) é corréu.

“Observe-se que o Estado do Espírito Santo, o Iema - Instituto Estadual de Meio Ambiente, são réus juntamente com as megapoluidoras. Pois a poluição só existe na localidade em virtude de negligência e permissividade dos poderes estaduais, que concedem licenças para matar. Eis que a poluição é em tal grau que aumenta o número de mortes por distúrbios cardiovasculares, respiratórios e cânceres”, acusa a entidade. 

O documento afirma ainda que a decisão de arquivamento da solicitação, tomada por André Pimentel, contraria as Constituições Federal e Estadual e o Regimento Interno do Consema, em que estão explícitas a necessidade de consulta da sociedade civil e do Conselho nas questões relativas à elaboração e implementação da política ambiental. 

Na Carta Magna do Espírito Santo, por exemplo, cita a entidade, o artigo 186 estabelece, em seu parágrafo único, que “Para assegurar a efetividade desse direito, além do disposto na Constituição Federal, incumbe ao Poder Público competente (...) X - assegurar a participação da sociedade civil nos processos de planejamento e na decisão e implementação da política ambiental”.

Portanto, argumenta a autora, “a validade de qualquer TCA a ser subscrito pelo Estado e sua autarquia, repita-se: corréus com as poluidoras, dependeria da oitiva da sociedade civil. Cabe, assim, ao Ministério Público Federal zelar para que isso ocorra!”

É rotineiro, prossegue a Juntos SOS, “que os ambientalistas recebam relatos de pessoas morrendo com cânceres de pulmão que jamais fumaram, mas que vivem em bairros próximos à Ponta de Tubarão”. “E o que faz o Ministério Público em defesa dos direitos da sociedade, para reparação patrimonial dos lesados? Qual é a defesa daqueles, sobretudo crianças e idosos, que estão pagando por tratamentos de doenças causadas pela poluição?”, provoca.

Leia Também:

0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.
Matérias Relacionadas

Em reunião na Ales, Vale não responde a questionamentos sobre poluição do ar

Fracalossi se disse “ofendido “ com a acusação de que ética e transparência são só marketing da empresa

Vale vai à Assembleia Legislativa prestar contas sobre redução do pó preto

ONG questiona renovação da Licença de Operação da empresa sem comprovação dessa redução

Governo do Estado abre mão de créditos de ICMS para favorecer a Vale 

Esta não é primeira vez que o governador Paulo Hartung favorece a empresa poluidora Vale

Sem acordo com sindicato patronal, greve dos metalúrgicos continua

Não houve acordo na mediação solicitada pelo sindicato patronal na Superintendência do Trabalho