Projeto divulga mapas raros de Vitória na internet

'Atlas Urbanístico de Vitória' reúne informações dos projetos urbanos feitos para a capital no século XX

Desde 2014, foram mais de 400 documentos identificados e classificadas pelo projeto Atlas Urbanístico de Vitória sobre treze planos urbanos realizados para a capital capixaba. Parte desse acervo é de documentos que possuem cópias únicas no Arquivo Geral Municipal de Vitória, que estavam esquecidas por lá. Com o novo projeto, vários documentos podem ser acessados pela internet, além de terem sido organizados e indexados para melhorar as buscas e evidenciar as relações entre os documentos que se encontravam muitas vezes desconexos.

Além facilitar o acesso, o projeto também contribui para a conservação dos documentos em seu estado atual, já que muitos acabam danificados ao longo do tempo pelo manuseio ou outras causas. Os planos urbanísticos que tiveram imagens digitalizadas e disponibilizadas foram parte do Projecto de um Novo Arrabalde (Saturnino de Brito, 1896); Plano Geral da Cidade (Henrique de Novaes, 1917); Plano de Urbanização de Vitória (Henrique de Novaes, 1931/1933) e Planta cadastral da cidade e Plano de Urbanização de Vitória (Empresa de Topografia Urbanização e Construções – ETUC sob a supervisão de Alfred Agache, 1946). São considerados os documentos mais antigos, raros e em estado mais frágil de conservação dentre os pesquisados pelo projeto.

A maioria dos documentos mostra transformações voltadas para saneamento e melhoramentos na área central da cidade, além da expansão propiciada pelo Novo Arrabalde, que define o planejamento urbano da região em torno da Praia do Canto. Sobre os planos que não tiveram imagem digitalizada, há informações e links disponíveis no projeto, sendo materiais de mais fácil acesso em diversos arquivos do Estado. 

Flavia Botechia, pesquisadora, professora de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e coordenadora do Atlas Urbanístico de Vitória, revela que os mapas digitalizados foram pouquíssimo utilizados em pesquisas na área de arquitetura e têm muito a dizer sobre a cidade.

A preocupação do projeto foi que os textos que acompanham as imagens, feitos seguindo as normas nacionais de conservação pela Claraboia Imagens, fossem acessíveis, para envolver não apenas pesquisadores e acadêmicos, mas também o público em geral, que tenha curiosidade sobre a história e construção da cidade. "Os mapas ajudam a entender o processo de formação do nosso território, entender como as reformas urbanas foram feitas e identificar por que transformações a cidade passou", aponta a professora, lembrando da presença de urbanistas do Rio de Janeiro e até da França, que ajudaram na construção e desenho dos projetos urbanos para Vitória..

Ela cita, por exemplo, o fato de algumas praças do Centro, como a Ubaldo Ramalhete e a João Clímaco, foram construídas a partir da demolição de quarteirões, como parte de uma política de intervenção do Estado. "Os curiosos podem também fazer comparações, identificar o local de casas e ruas antigas". Por meio da indexação, é possível realizar buscas pelos projetos no site de acordo com a data, autor do projeto urbanístico, entidade custodiadora do mesmo, período governamental em que foi realizado, entre outros.
 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Coco, afoxé, maracatu e congo no Mucane

Debate, oficinas e apresentações musicais marcam aniversário dos grupos Arakorin e Maracatu Santa Maria 

Arena da greve

Se Nylton e Assumção disputarem em Vitória, mesmo, movimento da PM de 2017 será transportado para 2020

Bancários denunciam fechamento de agência do Banestes no Centro de Vitória

Jonas Freire, do Sindibancários, protestou contra ameaças ao banco na Câmara de Vereadores

Projeto mapeia quase 400 locais com atos de violência contra mulher

Intervenção urbana coletiva lança Mapa da Violência Contra Mulher na Ufes e no Centro de Vitória