Projeto 'Periferia Sobrevive' une formação política e geração de renda

Ações do Fejunes vão acontecer em bairros da Grande Vitória com foco nas mulheres jovens e negras

Unir atividades de formação políticas com oficinas para geração de renda é a estratégia do projeto Periferia Sobrevive, que busca fortalecer as condições de vida para mulheres jovens e negras dos territórios periféricos da Grande Vitória. A iniciativa criada pelo Fórum Estadual da Juventude Negra do Espírito Santo (Fejunes) com apoio da Fundação Luterana de Diaconia (FLD) e entidades locais.

A primeira etapa acontece em Vila Velha e logo o projeto irá para bairros da Serra, Cariacica e Vitória. O início será com cinco dias de atividades no Instituto GGl5 de Desenvolvimento Comunitário em Terra Vermelha nos próximos dias 16, 18, 23, 25 e 30 de julho, sempre às 14h. Serão feitas oficinas de artesanato, penteado afro e turbante, sempre junto com uma "gira", como o Fejunes tem chamado as rodas de conversa, retomando o nome ancestral ligado às crenças de origem africana. Nas giras, temas como Relacionamento e Direitos das Mulheres; A Periferia e Seus Direitos Sociais; Justiça de Gênero na Quebrada; Gestão Democrática na Periferia; e Mulheres na Periferia. As inscrições são feitas pela internet e pede-se que seja levado 1 kg de alimento não-perecível

Segundo Crislayne Zeferina, presidente do Fejunes, entidade que está atuando em nove municípios do estado, a intenção do Periferia Sobrevive é trabalhar a questão financeira das jovens, a "gestão da sobrevivência", já que muitas vezes faltam oportunidades. O artesanato, o penteado afro, o turbante, entre outros, além de servirem como possível fonte de recurso, também reafirmam a identidade e auto-estima da mulher negra. "Chegar nas comunidades periféricas apenas com debates talvez não interesse tanto quanto chegar com oficinas que ajudem a gerar renda. Partimos do mapeamento de 'territórios do crime' feito por um jornal para lançar a ideia de 'territórios de direitos', para conseguir que diminua o extermínio da juventude negra", afirma.

Com a formação para as jovens negras, o Periferia Sobrevive pretende promover o desenvolvimento de relações de consumo mais seguras, inclusivas e sustentáveis "tanto para estas mulheres, jovens negras, como para os consumidores. Trabalhando a identidade dessas jovens e a autoafirmação de quem ‘eu sou‘,  incentivando a prática do artesanato com rodas de conversas, troca de experiência, lazer, integração e auto-valorização", diz a descrição divulgada pelo projeto.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Publicação registra lutas contra exploração petroleira no Espírito Santo

Almanaque da Campanha Nem Um Poço a Mais será lançado nesta quinta-feira durante a III Semana Sem Petróleo

Cufa realiza 1° Favela Literária no Espírito Santo

Encontro acontece na próxima segunda-feira, na Serra, reunindo oito escritores das periferias capixabas

Estado participa de campanha nacional contra extermínio de jovens da periferia

Movimento negro realiza sarau neste sábado no Centro de Vitória com artistas que dão voz à juventude

Estado venderá prédio que poderia ser destinado à moradia social

Enquanto ensaia construir política habitacional, governo se desfaz a preço baixo de edifício de 10 andares