Proposta que torna feminicídio imprescritível é aprovado em Comissão do Senado

Rose de Freitas destacou casos de violência contra a mulher no Estado. Proposta segue pro Plenário

O crime de feminicídio poderá se tornar imprescritível, assim como já o é o crime de racismo. A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou, nesta quarta-feira (30), a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 75/2019, que pretende modificar o artigo 5º da Carta Magna, para determinar que o feminicídio poderá ser julgado a qualquer tempo, independentemente da data em que foi cometido. O texto segue para votação em dois turnos no Plenário.

Feminicídio é o homicídio cometido contra mulheres motivado por violência doméstica ou discriminação de gênero. Atualmente o tempo de prescrição varia de acordo com o tempo da pena, que é diferente em cada caso. A proposta, de autoria da senadora Rose de Freitas (Podemos-ES), recebeu parecer favorável do relator, Alessandro Vieira (Cidadania-SE). O Espírito Santo ocupa o 5º lugar nacional no número de feminicídios, de acordo com o Atlas da Violência de 2019. 

Apenas no início de 2019, segundo as informações da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), mais de 4.790 pedidos de medida protetiva foram registrados, e mais de 15 casos de mortes em razão do gênero foram identificados entre janeiro e junho deste ano, uma média de dois por mês.

Ao justificar a iniciativa, Rose de Freitas citou estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) que situou o Brasil em quinto lugar na taxa de feminicídios entre 84 nações pesquisadas. Ela também mencionou o Mapa da Violência de 2015, segundo o qual 106.093 mulheres foram assassinadas no país entre 1980 e 2013. A senadora ressaltou que o Congresso Nacional tem feito sua parte, inclusive com a aprovação da Lei Maria da Penha, em 2006, e da Lei do Feminicídio, em 2015, mas ela considera possível avançar mais.

“Propomos que a prática dos feminicídios seja considerada imprescritível, juntando-se ao seleto rol constitucional das mais graves formas de violência reconhecidas pelo Estado brasileiro”, defende.

Estupro

Por sugestão da presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), o relator também incluiu o estupro na lista de  crimes imprescritíveis. Proposta com esse objetivo (PEC 64/2016) já foi aprovada pelo Senado e aguarda decisão da Câmara dos Deputados. “Se for aprovada a PEC do estupro lá [na Câmara], vamos ter duas alterações da Constituição em cima do mesmo inciso. Um dos projetos sairia prejudicado. O do ex-senador Jorge Viana é anterior, mas o dela [Rose de Freitas] vai ser mais amplo — disse Simone, ao sugerir a emenda.

O relator da matéria concordou que o feminicídio deve ser incluído no rol dos crimes muito graves que possuem status de imprescritíveis. Ele destacou levantamento feito pelo Núcleo de Estudos da Violência, da USP, e da Pesquisa Violência Doméstica contra a Mulher, realizada pelo DataSenado em parceria com o Observatório da Mulher contra a Violência, que confirmou que os registros de feminicídio cresceram em um ano no país.

“Precisamos comunicar aos agressores que a violência contra as mulheres não é admissível e será severamente punida pela ação estatal. Tornar o feminicídio imprescritível é um dos caminhos possíveis para a dissuasão que pretendemos”, defendeu.

Defensoria inaugura novo espaço

A Defensoria Pública do Estado do Espírito Santo lança, nesta quinta-feira (31), a Coordenação de Promoção e Defesa dos Direitos das Mulheres, órgão institucional direcionado à proteção e efetivação das mulheres em situação de vulnerabilidade no Espírito Santo. A solenidade de abertura das atividades da Coordenação ocorrerá às 9h, no Auditório Araceli Cabrera Crespo, no Núcleo da Defensoria Pública em Vila Velha.

A criação da Coordenação tem em sua base o reconhecimento da Instituição como integrante da rede de atendimento à mulher vítima de violência, que tem por finalidade primordial a prestação de assistência jurídica, integral e gratuita a todas aquelas que sofrem com agressões em razão do gênero, garantindo-lhes o acesso e respeito às garantias fundamentais, bem como o desenvolvimento de ações para promoção dos direitos das mulheres de forma estratégica.

Também compete à Coordenação de Promoção e Defesa dos Direitos das Mulheres a realização de estudos e a produção de análises de políticas públicas de afirmação das mulheres, a fim de subsidiar o planejamento e a execução de medidas em prol da igualdade de gênero.

Entre as ações que já estão sendo realizadas pelo órgão estão a identificação das dificuldades de acesso da mulher vítima de violência doméstica e familiar aos serviços e equipamentos especializados no Estado, e o aprimoramento das atuações institucionais realizadas, com o estabelecimento do fluxo dos atendimentos em rede.

O órgão integrará a estrutura organizacional da administração superior da Defensoria Pública Estadual, que já conta com outras sete coordenações de área, e permitirá a interiorização das políticas institucionais de gênero. Dentro de sua formação estarão presentes o Núcleo de Defesa dos Direitos da Mulher (Nudem), a Comissão Especial de Estudos Defensoriais sobre Violência Contra a Mulher no Estado do Espírito Santo e as Defensorias de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • Estanislau Tallon Bozi , quarta, 30 de outubro de 2019

    Na verdade, todo homicídio deveria ser imprescritível. No Brasil, cerca de 90% das vítimas de homicídio são do sexo masculino. Das pouco menos de 10% das vítimas de sexo feminino, cerca de um quinto são vítimas de feminicídio ou violência doméstica. Protejam as mulheres, mas protejam, igualmente, os homens!!! Todo ser humano tem direito à vida!

Matérias Relacionadas

Empresário Luiz Pastore assume cadeira de Rose no Senado

Senadora capixaba tirou licença de quatro meses para tratamento de saúde

Rose de Freitas anuncia em plenário licença do mandato por quatro meses 

Período será utilizado pela senadora para cuidados da saúde; o empresário Luiz Pastore assume a cadeira

Projeto mapeia violência contra mulher em Jardim da Penha e Centro de Vitória

“Mapa da violência contra a mulher” recebe denúncias e as transforma em arte e intervenção urbana

Orçamento do PPA é insuficiente para enfrentar violência contra a mulher

Para Conselho de Defesa dos Direitos da Mulher, verbas vão impossibilitar o funcionamento das políticas