Protesto por redução de passagem bloqueia estradas em Aracruz 

São quatros piquetes em rodovias e dois em frente às garagens das empresas Cordial e Expresso Aracruz

Por volta das 4 horas desta segunda-feira (29), moradores de Aracruz, no norte do Estado, bloquearam os principais pontos de acesso à cidade em protesto contra o aumento da passagem de ônibus. Foram quatro pontos de interdição em estradas, bloqueadas com galhos e madeiras: Rodovia ES-257 em Pau-Brasil; Rodovia ES-010 em Sauê, em Vila do Riacho e em Santa Cruz. Além de dois piquetes em frente às garagens das empresas que operam o transporte municipal: Cordial e Expresso Aracruz. 

De acordo com Herval Nogueira Júnior, um dos representantes do Movimento Transporte Nossa Aracruz, os moradores estão revoltados com o sistema municipal de ônibus, que, segundo os manifestantes, operam em lote e servem mal à população, com tarifas caras e péssimos serviços. Em fevereiro deste ano, a passagem de Aracruz sofreu reajuste de 8,73%, passando para R$ 3,15. No entanto, esse valor é específico para á área urbana. Moradores das zonas rurais pagam a mais por quilometragem, valores que podem chegar até R$ 11,00.

“Como um trabalhador pode pagar por valores como esses? Já fizemos uma audiência pública no dia 13 de março deste ano, já tem uma CPI do Transporte acontecendo na Câmara dos Vereadores e já tem um processo por caducidade dessas concessões das empresas no Ministério Público Estado. Elas não podem continuar se prestam um péssimo serviço”, explicou Herval. Segundo ele, o protesto continua até o prefeito da cidade, Jones Cavaglieri (SD), revogar o decreto com aumento das passagens. 

Nota

O Movimento Nossa Aracruz, responsável pelo protesto, anunciou a paralisação em sua rede social. Também divulgou um comunicado em que explica os seus motivos: “Trabalhadora, trabalhadores, estudantes e indígenas, hoje, 29/04, nós ocupamos pistas e fechamos as garagens da Expresso Aracruz e da Cordial, para lutar por nossos direitos. A cada ano que passa a tarifa do ônibus aumenta, a qualidade do transporte piora, nosso salário diminui e nossos direitos desaparecem. O direito pela mobilidade urbana está em nossa Constituição, que a todo momento é desrespeitada, assim como a população”.

E continuam: “A nossa luta é por um transporte mais acessível e, por isso, não aceitaremos essa passagem abusiva. Um transporte coletivo de qualidade que atenda toda população. Não recuaremos enquanto o prefeito não revogar o aumento da passagem!”.

Reivindicações

Uma tarifa única que não prejudique moradores de diferentes regiões.

Mais ônibus para atender a população, porque não somos sardinhas para andarmos enlatados. Ônibus com mais horários e que cumpram esses horários.

Passe livre para os estudantes de Aracruz.

Tarifa social aos domingos para que a população possa desfrutar de lazer e cultura.

Adequação para a acessibilidade de deficientes físicos.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Escolas de samba fazem ato de repúdio em Vitória contra vereador Davi Esmael

Reação à fala do vereador, que quer cortar verbas para o Carnaval, ocorre nesta terça em frente à Câmara 

Coletivo Dona Astrogilda fortalece movimento feminista em Aracruz

Várias atividades marcam primeiro aniversário do grupo, que será comemorado com debate na Câmara

Embate de forças

Eleições 2020: prefeito Jones Cavaglieri tira Dr. Coutinho de principal vitrine da Saúde em Aracruz

Você sabia que a Ufes possui um curso que forma professores indígenas?

Em sua primeira turma, licenciatura enfrenta dificuldades pelo corte de verbas do Ministério da Educação