Quente, pelando

Bate-boca entre Vandinho Leite e Sergio Majeski na Assembleia sobre Educação: é só o começo

Com posições confrontantes na área da Educação e protagonistas da disputa interna que definiu o comando da comissão na Assembleia Legislativa, os deputados Vandinho Leite (PSDB) e Sergio Majeski (PSB) trocaram as primeiras farpas pesadas em plenário na sessão desta segunda-feira (11). Como vem fazendo desde o primeiro mandato, Majeski repetiu seu discurso em defesa dos professores, que têm sido alvos de movimentos nacionais dos campos conservadores e religiosos, e refutou a ideia de que a categoria é vilã ou representa ameaça aos alunos, além de criticar o projeto Escola Sem Partido e a ideia de doutrinação em sala de aula. Falou em tom ameno, convocando para reflexão, mas a carapuça, literalmente, serviu! E aí, Vandinho, que tem dois projetos na mesma linha, ficou atacado. Subiu à tribuna dizendo que resolveu mudar o tema do seu pronunciamento por conta do discurso “bizarro” de Majeski. Começou falando baixo, mas depois saiu chutando canela, exaltado. Citou “ki gay”, marxismo, Jean Wilys, militantes de PT, Psol e PCdoB nas universidades, ideologia de gênero e inversão de valores, para então concluir que Majeski estava de “conversa fiada”, “distorcendo os fatos” e repetindo uma “narrativa impositiva à sociedade”, enquanto seus projetos têm tido apoio de vários segmentos, que não “aguentam mais pouca vergonha nas escolas”. Tentaram impedir, mas Majeski rebateu, instalando-se um bate-boca daqueles. O socialista disse que os projetos do tucano eram meras cópias, porque ele não entende nada de educação, e exigiu respeito, pois é um pesquisador da área e Vandinho tem um “certificado de quinta categoria”, emendando: “bizarro é o senhor, conheço muito sua carreira”. A reação provocou gritos de Vandinho do outro lado, no mesmo sentido, até serem interrompidos. Era o fim da sessão, que veio a calhar para encerrar o embate, pelo menos por algum tempo. A previsão é de novos e acirrados capítulos, marcando território tanto na Assembleia como fora dela. O ano legislativo só começou...

Imperdível
No meio do discurso, Vandinho também avisou que levará à tribuna livre da Casa um estudante de direita da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), para relatar “tudo que ele passa”. Essa eu quero até ver...

Alô, 2020!
O tema de Vandinho inicial, como ele fez questão de comunicar, era a “farra de nomeações partidárias e políticas na Secretaria de Trabalho e Assistência Social”, comandada agora pelo deputado licenciado Bruno Lamas, do PSB do governador Renato Casagrande, e do mesmo reduto eleitoral de Vandinho, o município da Serra.

Agora aguenta 
Volto a perguntar: que bela estratégia do governo dar espaço para Vandinho em detrimento de Majeski, como fez em relação à presidência da Comissão de Educação, hein? É porrada atrás de porrada. 

Recusou
Aliás, Majeski anunciou em plenário, nessa segunda, sua saída do colegiado de Ciência e Tecnologia, onde atuaria como membro efetivo. Ele não apresentou os motivos para a decisão. 

Ciclista
Ainda sobre o pronunciamento de Vandinho, que mirou no PT e etc., foi depois também de uma longa defesa de Iriny Lopes aos 40 anos de fundação do partido, quando defendeu o legado do ex-presidente Lula e criticou sua “prisão política”, além de abordar o impeachment de Dilma Rousseff. “Pedalar por pedalar, o ex-governador Paulo Hartung era uma bicicleta em movimento”, apontou, referindo-se às pedaladas fiscais.

Masmorras de Hartung
A deputada também lamentou o incêndio no centro de treinamento do Flamengo e suas vítimas, lembrando que quem exportou a ideia de colocar pessoas em contêineres foi o Espírito Santo, no governo Hartung, para fazer cumprir pena de condenados pela Justiça. “Mas o projeto não nasceu com ar-condicionado” [nem banheiro]”, lembrou Iriny, recordando a denúncia feita à Organização das Nações Unidas (ONU).

Ausências
Casagrande reuniu no Palácio Anchieta, na manhã desta segunda, a nova bancada capixaba no Congresso Nacional, para a primeira reunião de articulação das demandas sobre obras em rodovias e de infraestrutura. Únicas ausências: a senadora Rose de Freitas (Podemos), que disputou contra Casagrande em outubro passado, e a deputada federal Norma Ayub (DEM). Razões?

Terreno próprio
Norma, como se sabe, é mulher do deputado estadual Theodorico Ferraço, também do DEM, que declarou recentemente posição de independência na Assembleia, depois de ter sido um dos primeiro a apoiar o palanque de Casagrande e ficar de fora das articulações para a divisão de espaços na Assembleia. Mas a deputada não deixou de participar, nesse sábado (9), da solenidade do governo de assinatura de ordem de serviço para reurbanização da orla de Marataízes. E nem poderia, o município é sua base eleitoral. 

Recado
Ao lado de Casagrande, fez um discurso para a população, sem deixar de citar, algumas vezes, a importância de Theodorico Ferraço em cobranças e ações para a região. 

No cargo
Na reunião dessa segunda no Palácio, estreia do secretário de Estado de Saneamento, Habitação e Desenvolvimento Urbano, Marcus Vicente, que tomou posse na última sexta-feira (1). Ele era o coordenador da bancada, posto agora ocupado por Da Vitória (PPS), novato em Brasília.

PENSAMENTO:
“O verdadeiro analfabeto é aquele que sabe ler, mas não lê”. Mario Quintana

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
3 Comentários
  • Araujo , terça, 12 de fevereiro de 2019

    Tirar Leite de pedra, na comissão da educação, essa tarefa difícil e improdutiva na Assembleia da Terra dos Papagaios. Discussão que já nasceu démodé, vai fazer firula para seus eleitores bizarros com seu dinheiro, seu DNA é Tipo C.

  • Guilherme H Pereira , terça, 12 de fevereiro de 2019

    É uma grande perda para a sociedade capixaba a ALES ter escolhido Vandinho para presidir a Comissão de Educação. Justamente este tema que mais precisamos construir projetos inovadores, precisamos de rupturas importantes para poder avançar muito e superar nossos atrasos. Colocar uma pessoa fora do debate, sem conhecimento do assunto só lhe deixa uma alternativa: trazer para a discussão questões marginais que nada têm de significativo para a educação. São os casos dos assuntos relacionados à comportamento e ao debate político e cultural. É preciso entender que a evolução social ocorrerá por movimentos próprios e não é uma questão de leis e programas de governo. Vandinho, siga o conselho de quem gosta de você: pede para ir ao banheiro e volta com a humildade de se juntar aos que estão discutindo o que realmente precisamos na educação; ou seja mais ousado e inteligente: saia fora dessa presidência de comissão de educação.

  • SANDRA CASSARO , terça, 12 de fevereiro de 2019

    Apoio total a Vandinho Leite. Não aguentamos mais tanta doutrinação ideológica, que desde 1969 vem sendo aplicada no Brasil, através do CEBRAP, criado por FHC, na USP, onde começou a aplicação de Antônio Gransci. As universidades brasileiras estão infestadas de professores doutrinadores, que destroem nossos jovens e arruínam famílias. Aonde que o COMUNISMO deu certo no mundo, Sr. Majeski ??? Ideologia que mais matou e mata e ainda um deputado se dá o desfrute de defendê-la. UMA VERGONHA, UM NOJO ! GO VANDINHO!!!!!!

Matérias Relacionadas

Hartung x Casagrande

Embate puxado por Vandinho Leite mostra que disputa por território político ainda vai longe no Estado

Chegou chegando

Vandinho Leite retoma pautas polêmicas, na contramão do que defende governo Casagrande. Bom negócio?

Vandinho, Bruno Lamas  e Sueli Vidigal disputam a maior votação na Serra

Sueli conta com o apoio do seu marido, Sérgio Vidigal, que deve ser o campeão do votos