Racismo institucional freia política de saúde para população negra na Serra

Rosemberg Caitano, do Conegro, acusa Secretaria de Saúde de ignorar diretrizes nacionais

São anos de cobrança sem resultado. O movimento negro da Serra vem reclamando da falta de implementação de políticas de saúde integral para a população negra, seguindo as diretrizes da política nacional estabelecida em 2009.

Na verdade, a luta vem de antes. Em 2005 foi aprovado um projeto de lei para instituir um programa de atenção de pessoas com anemia falciforme, doença hereditária que afeta especialmente a população negra. Segundo Rosemberg Caitano, integrante do Conselho Municipal do Negro (Conegro), a política nunca foi implementada, mas o movimento negro mudou o foco com o estabelecimento da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra, que contemplaria também esta doença.

Desde 2014, a cobrança do Conegro tem aumentado, porém, a prefeitura não avança no estabelecimento de política com enfoque especial para população negra. Um seminário aconteceu a nível estadual em 2015 e outro no município da Serra em 2018. Foi criado o Comitê Municipal de Saúde Integral da População Negra em Serra integrando o Conegro, o Conselho Municipal de Saúde, a Secretaria Municipal de Saúde e Secretaria Municipal de Direitos Humanos. Mas as reuniões são desmarcadas ou não resultam efetividade nos encaminhamentos para a construção de políticas públicas específicas, voltando sempre ao ponto inicial, acusa o conselheiro.

“É uma política que deve atender boa parte da população serrana, que é afrodescendente. Parece que as coisas estão amarradas, por mais que gestores aparentem boa intenção, não há vontade política”.

Ele alega ser mais um exemplo de racismo institucional. “É uma política que já existe há quase 10 anos a nível nacional, aprovada pelas conferências municipal e estadual de saúde. Quando os gestores não conhecem, devem buscar se inteirar sobre o tema. Mas também pode haver uma orientação universalista que despreza a ação segmentada como a política para a população negra”, diz Rosemberg.

O integrante do Conegro diz que há mais uma reunião marcada no qual o movimento negro espera um posicionamento conclusivo da Secretaria de Saúde. Caso contrário, podem interromper os diálogos e buscar pressionar diretamente o prefeito Audifax Barcelos (Rede) ou até acionar o Ministério Público.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Movimento negro quer Espírito Santo como exemplo no combate ao racismo

Entidades protolocaram notícia-crime pedindo denúncia do MPF em caso de racismo contra professor da Ufes

Começam preparativos para Marcha Contra o Extermínio da Juventude Negra

Fejunes e movimentos sociais definiram o tema, local e horário do tradicional ato de 20 de novembro

Festival Lula Livre promete 13 horas de atividades em Vitória em outubro

Coluna CulturArte: Teatro Capixaba na Argentina, concurso de Trovas, grande músico mineiro no Sesc

Atendimento Educacional Especializado é tema de audiência pública na Serra

Professores e associações reclamam que cobertura ainda é insuficiente e há falha na qualidade do serviço