Reciclafolia já aproveitou mais de 50 toneladas de fantasias no carnaval

Projeto surgiu de moradores do entorno do Sambão do Povo preocupados com descarte incorreto pós-desfiles

Quando os desfiles de Carnaval terminavam, o entorno do Sambão do Povo se enchia de restos de fantasias dos foliões, que podiam inclusive ir longe e chegar à baía de Vitória pela foz do RIo Santa Maria, que passa ao lado do sambódromo.

Foi diante desse problema, que em 2009 moradores da região de Santo Antônio se organizaram no âmbito comunitário no que se tornou o projeto Reciclafolia, que ao longo de sua existência reaproveitou mais de 50 toneladas de fantasias. Quem é folião já sabe que ao final da avenida lá estará uma equipe pronta para fazer a conscientização e a coleta de fantasias, que são destinadas à reutilização por escolas de samba de outros municípios, blocos, artesãos, unidades de ensino, projetos sociais e culturais, entre outros. Só no ano passado, foram seis toneladas recolhidas. Neste ano, a equipe do projeto e voluntários estão a pleno vapor após os desfiles da semana passada.

Apesar do nome Reciclafolia, dado na época pelas criadoras do projeto, a atividade consiste em reutilização, aumentando a vida útil dos materiais e evitando o descarte inadequado e desnecessário. Nos pilares da sustentabilidade se consideram 4 R's: Repensar, Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

Projeto sem fins lucrativos, o Reciclafolia ainda lamenta o pouco apoio do poder público. Uma das demandas é para maior organização na dispersão do Sambão do Povo, já que o atual formato dificulta não só a ação do projeto, mas também a circulação dos foliões e outras questões estruturais.

O Reciclafolia já encaminhou para autoridades a documentação necessária para obter o reconhecimento de serviço de utilidade pública, que poderia facilitar parcerias. Atualmente, além das diversas entidades sociais e culturais, o projeto também trabalha com associações de catadores como Ascamaris, Amarives e Limpa Brasil.

Buscando ampliar a conscientização, neste ano o projeto também reforçou a atuação nas redes sociais para aumentar o alcance e participação. "A ideia é trazer o folião e a sociedade capixaba para junto do projeto e divulgar em forma de dados, vídeos e fotos do histórico das ações desenvolvidas ao longo dos anos", explica o texto do projeto. 

Em mais de uma década de atuação, os gestores estimam que o projeto pode alcançar um público de mais de 50 mil pessoas, tendo realizado 700 oficinas em municípios do Espírito Santo e de Minas Gerais. Segundo os organizadores, o Reciclafolia foi pioneiro no despertar do reaproveitamento das fantasias, tendo inspirado inclusive o mesmo processo em outros locais como o Rio de Janeiro, fomentando o ganho social e ambiental para as cidades, atendendo a pilares como o socioambiental, de inclusão social, fortalecimento do trabalho artesanal e conscientização ambiental.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Destroços de ponte são jogados em rio, denunciam moradores de Castelo

A ponte foi interditada depois das enchentes de janeiro deste ano. Prefeitura foi acionada pela comunidade

Secult lança edital emergencial para apresentações e formações culturais

Medida assinada pelo secretário Fabricio Noronha vai contemplar 300 trabalhadores da cultura

Mesmo em isolamento social, músicos capixabas apresentam lançamentos

Dub, rap, reggae, samba, hardocre e black music fazem parte das novidades anunciadas nas últimas semanas

Sem condições de trabalhar, catadores convivem com incerteza

Risco de contaminação da Covid-19 pelo lixo obrigou associações formadas por pessoas humildes a parar