Renova suspende auxílio emergencial de 143 atingidos pelo crime da Samarco

Defensoria Pública e Câmara Técnica orientam atingidos no Estado e MG a recorrer de seus direitos

A Fundação Renova suspendeu o pagamento do auxílio financeiro emergencial (AFE) de 143 atingidos no Espírito Santo e Minas Gerais. O recurso é pago mensalmente aos atingidos que ficaram impossibilitados de exercerem suas atividades profissionais em função dos danos advindos do crime da Samarco/Vale-BHP em Mariana/MG em 2015. Por ser, via de regra, um valor menor que o obtido com seu trabalho habitual, muitas famílias passam por dificuldades, mesmo recebendo o auxílio. Sem ele, a situação é dramática.

O assunto foi tema da reunião dessa quarta-feira (14) da Câmara Técnica de Ordem Social (CTOS), ligada ao Comitê Interfederativo (CIF), que fiscaliza os programas de reparação e compensação dos danos.

Em resposta aos questionamentos feitos pela Câmara e pela Defensoria Pública, a Renova afirmou que os cortes são resultado de “um trabalho de saneamento da base de dados, pois haveriam, de acordo com a Renova, casos de atingidos recebendo indevidamente o auxílio”,

A Defensoria Pública avalia os contornos jurídicos dessa ação e defende que “qualquer decisão deste tipo deve ser devidamente comunicada ao atingido, de preferência presencialmente”, informa.

Além disso, destaca, “deve haver o cuidado de que a motivação esteja devidamente clara para que ele, caso assim entenda, busque as vias adequadas para buscar os seus direitos”. A Defensoria também está de prontidão pra receber os casos de atingidos que tiveram o seu AFE suspenso injustamente para análise, enfatizou o defensor.

As denúncias sobre suspensão dos auxílios chegaram ao Núcleo de Defesa Agrária e Moradia (Nudam) da Defensoria por meio de atingidos moradores de Baixo Guandu, Linhares e Colatina, no início de agosto.

“São relatadas preocupações de inúmeras comunidades acerca da interrupção de todo o programa. Acompanhamos com extrema preocupação este movimento da Renova, que destoa de todas as previsões do TTAC e TAC GOV [Termo de Transação e Ajuste de Conduta de 2016 e Termo de Ajustamento de Conduta da Governança, de 2018]”, declarou Rafael Portella.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Consultoria recomenda ampliar proibição de pesca no mar, leito e foz do Rio Doce

A Lactec foi contratada pelo MPF para analisar nota da Anvisa sobre risco de consumo de pescado na região

Fundação Renova se diz intimidada por atingidos e sai das reuniões do CIF

Prefeito Neto Barros, que integra o Comitê Interfederativo, considera a postura um ''verdadeiro absurdo''

Renova descumpre deliberações e prazos em programas de reparação

Segunda etapa de relatórios da Ramboll/MPF confirma novamente reclamações dos atingidos no Estado

‘É vergonhoso. A gente passar necessidade e até hoje não ter recebido um real’

Família perde todo o cacau em Colatina, é reconhecida como atingida, mas não tem auxílio nem indenização