Renova suspende auxílio emergencial de 143 atingidos pelo crime da Samarco

Defensoria Pública e Câmara Técnica orientam atingidos no Estado e MG a recorrer de seus direitos

A Fundação Renova suspendeu o pagamento do auxílio financeiro emergencial (AFE) de 143 atingidos no Espírito Santo e Minas Gerais. O recurso é pago mensalmente aos atingidos que ficaram impossibilitados de exercerem suas atividades profissionais em função dos danos advindos do crime da Samarco/Vale-BHP em Mariana/MG em 2015. Por ser, via de regra, um valor menor que o obtido com seu trabalho habitual, muitas famílias passam por dificuldades, mesmo recebendo o auxílio. Sem ele, a situação é dramática.

O assunto foi tema da reunião dessa quarta-feira (14) da Câmara Técnica de Ordem Social (CTOS), ligada ao Comitê Interfederativo (CIF), que fiscaliza os programas de reparação e compensação dos danos.

Em resposta aos questionamentos feitos pela Câmara e pela Defensoria Pública, a Renova afirmou que os cortes são resultado de “um trabalho de saneamento da base de dados, pois haveriam, de acordo com a Renova, casos de atingidos recebendo indevidamente o auxílio”,

A Defensoria Pública avalia os contornos jurídicos dessa ação e defende que “qualquer decisão deste tipo deve ser devidamente comunicada ao atingido, de preferência presencialmente”, informa.

Além disso, destaca, “deve haver o cuidado de que a motivação esteja devidamente clara para que ele, caso assim entenda, busque as vias adequadas para buscar os seus direitos”. A Defensoria também está de prontidão pra receber os casos de atingidos que tiveram o seu AFE suspenso injustamente para análise, enfatizou o defensor.

As denúncias sobre suspensão dos auxílios chegaram ao Núcleo de Defesa Agrária e Moradia (Nudam) da Defensoria por meio de atingidos moradores de Baixo Guandu, Linhares e Colatina, no início de agosto.

“São relatadas preocupações de inúmeras comunidades acerca da interrupção de todo o programa. Acompanhamos com extrema preocupação este movimento da Renova, que destoa de todas as previsões do TTAC e TAC GOV [Termo de Transação e Ajuste de Conduta de 2016 e Termo de Ajustamento de Conduta da Governança, de 2018]”, declarou Rafael Portella.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Renova tem dez dias para explicar corte indevido nos auxílios emergenciais

Pagamento foi retirado de 143 atingidos pelo crime da Samarco. DPES também aguarda resposta da Fundação

Relator da CPI das Licenças pede nova quebra de sigilo da Fundação Renova

Requerimento de Euclério Sampaio foi necessário porque a Justiça concedeu habeas corpus à fundação

Juiz que homologou o TAC da Governança é 'suscetível à pressão das empresas'

Denúncia é da pesquisadora Cristiana Losekann e da Rede do Rio Doce, que pede anulação da homologação

Crime Samarco/Vale-BHP: camaroeiros assinam autorreconhecimento coletivo

Acordo extrajudicial com pescadores da Praia do Suá com a Renova sai com quatro anos de atraso