Saída de Amaro e indefinição de Audifax fortalecem candidatura de Vidigal

Sérgio Vidigal se movimenta para garantir recursos e obras para a Serra, ganhando visibilidade para 2020

Os movimentos do deputado federal Sérgio Vidigal (PDT) visando o retorno, nas eleições de 2020, à Prefeitura da Serra, maior colégio eleitoral do Estado, ganham nova força com a indefinição do prefeito Audifax Barcelos (Rede) em achar um nome para sucedê-lo e a desistência do deputado federal Amaro Neto (Republicanos- antigo PRB) de concorrer no município.  

Com dificuldade para encontrar um candidato, depois de acenar para o delegado da Polícia Civil Rodrigo Sandi Mori, e ao seu secretário de Serviços, Igor Elson de Almeida, Audifax Barcelos demonstra uma indefinição que poderá enfraquecê-lo eleitoralmente, facilitando o projeto do seu desafeto político e polarizando, mais uma vez, a disputa eleitoral no município.    

Os resultados podem ser desastrosos em sua pretensão de concorrer à Câmara dos Deputados em 2022, opção que lhe restaria depois de cumprir o segundo mandato como prefeito e do naufrágio do projeto de concorrer à sucessão de Renato Casagrande (PSB), tendo até o nome sugerido em ato público pelo ex-governador Paulo Hartung, no final de 2018. 

Sérgio Vidigal vem penetrando no governo federal, conseguindo ampla visibilidade junto ao eleitorado por meio de uma interlocução com vereadores de sua base e a garantia de recursos para obras importantes, entre elas o Contorno do Mestre Álvaro.

Nessa segunda feira (9), ele apresentou, no Plenário da Câmara, um painel sobre essas obras, em mais uma movimentação a fim de ampliar a densidade eleitoral. Estiveram presentes, entre outras lideranças de diferentes partidos políticos, os vereadores Aécio Leite (PT), Pastor Ailton (PSC) e Basílio da Saúde (Pros). Recentemente, esses vereadores participaram de um acirrado embate entre a Câmara Municipal e Audifax, que ainda se desenvolve na Justiça. 

O cenário na Serra, segundo o mercado político favorável a Vidigal, aponta ainda o surgimento de uma frente que reúne os Republicanos do presidente da Assembleia, Erick Musso, e Amaro Neto, cotado para a disputa em Vitória mas que deve, como circula nos bastidores, concorrer ao governo, ou apoiar a candidatura de Erick Musso ao Senado em 2022.  

Esse grupo articula para lançar o deputado estadual Alexandre Xambinho (Rede) à prefeitura da Serra, mas conversa com o PSDB, do deputado Vandinho Leite, também candidato. O bloco poderia contar ainda com representantes do PSL de Jair Bolsonaro, comandado no Estado pelo ex-deputado federal Carlos Manato. 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Articulação de Vidigal junto a Casagrande pode deixar Bruno Lamas isolado

O deputado federal Sérgio Vidigal tenta retornar à Prefeitura da Serra pela quarta vez em 2020

Mapa eleitoral

Ecos Republicanos: Lorenzo Pazolini candidato em Vitória e Amaro Neto ao governo em 2022

Vidigal reúne PDT e monta estratégia para disputar Prefeitura da Serra em 2020

Com dois mandatos de deputado federal, Sérgio Vidigal tentará o quarto como prefeito

Liderança de Amaro em Vitória aquece projeto de Erick Musso ao governo em 2022

O presidente da Assembleia viaja por todo o Estado a fim de ampliar sua densidade eleitoral