Secretário não responde aos questionamentos da CPI das Licenças

Alegando pouco tempo no cargo, Fabrício Machado pediu tempo para responder por escrito

Os deputados presentes à sexta reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Licenças obtiveram poucos esclarecimentos do gestor da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Seama), Fabrício Machado (PV), convocado ao Plenário Dirceu Cardoso nessa segunda-feira (13).

“Pouca coisa foi esclarecida. Grande parte das coisas ele não soube responder, ou não soube responder com a profundidade necessária”, analisa o vice-presidente da CPI, Sergio Majeski (PSB). Por isso, informou, foram entregues questionamentos por escrito, pra que sejam devidamente respondidos também por escrito. “Pra que a partir daí a gente possa dar novos encaminhamentos e até convocá-lo novamente”, disse.

Dois temas principais constam no questionamento de Majeski, construído em conjunto com membros da sociedade civil integrantes dos conselhos estadual e regionais de Meio Ambiente e no conselho estadual de Recursos Hídricos (Consema, Conremas e CERH).

Um deles é a participação da sociedade civil na elaboração e acompanhamento dos Termos de Compromisso Ambiental (TCAs) assinados com poluidoras Vale S/A e ArcelorMittal. E o outro é o Conecta Meio Ambiente – projeto de informatização do licenciamento ambiental, negociado no final de 2016 por meio de um acordo de cooperação – nº 003/2016 – firmado com a ONG ES em Ação, da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes).

“A gente precisa entender qual o interesse da ONG ES em Ação nisso. Como essa cooperação está ocorrendo, se está ocorrendo, qual é o real papel da ES em Ação nas decisões tomadas por órgãos como Seama e Iema”, comentou Majeski.

No questionamento, o vice-presidente da CPI cita trechos de conteúdos publicados nos sites da Seama e do Sindicato dos Trabalhadores e Servidores Públicos (Sindipúblicos), em que o primeiro afirma que o sistema irá reduzir em 80% o tempo de emissão do licenciamento simplificado e, o segundo, que trata-se de uma forma de privatização da gestão do meio ambiente no Estado.

O documento cita também uma fala do diretor-presidente do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), Alaimar Fiuza, ex-funcionário da Vale, durante reunião da CPI no dia 23 de abril.

“Eu só queria trazer uma informação, que gostaria muito que o órgão ambiental tivesse – esse é um dos desafios que eu assumi com o governador – sistemas que fizessem a gestão e o monitoramento do processo de licenciamento. Hoje, infelizmente, o órgão ambiental, que a gente assumiu em janeiro de 2019, tá como se tivesse na Idade da Pedra. Nós não temos sistema de acompanhamento”, declarou Alaimar, na ocasião.

Durante a reunião dessa segunda, o secretário Fabrício Machado alegou que o “Conecta” é gerido pelo Iema e ainda não foi implantado plenamente, surpreendendo os deputados, já que entrou em operação há mais de dois anos. O relator da CPI, Euclério Sampaio (DC), disse que “o Conecta naufragou” e acusou o governo anterior de ter firmado a parceria para beneficiar um grupo de empresários.  

Sobre a participação da sociedade civil, Majeski lembra que os conselhos ambientais e de recursos hídricos são instâncias superiores à própria secretaria e sua autarquia estaduais e que seus regimentos determinam que todos os questionamentos feitos pelos conselheiros devem ser respondidos pelo presidente do Conselho, que é o titular da Seama. Mesmo assim, dezenas de questionamentos feitos pela sociedade civil ao secretário anterior, no governo de Paulo Hartung, aguardam respostas até hoje.

“Como o senhor explica isso? E quais providências serão tomadas para resolver e atender aos requerimentos/questionamentos da sociedade civil?”, pergunta Majeski no documento enviado ao atual gestor.

Entre outras indagações, refere-se também à Licença de Operação (LO) da ArcelorMittal, que “ainda não foi assinada e está em processo de análise, sem prazo”. “Ainda há tempo para convidar a sociedade civil através das entidades com representação no Consema. O senhor assim o fará?”, inquire o parlamentar.

Criada inicialmente para apurar a legalidade da licença de operação da Vale e dos Termos de Compromisso Ambiental (TCAs) firmados pela Vale e pela ArcelorMittal, a CPI das Licenças recebeu outras atribuições, sem relação com sua finalidade.

A perda do foco original acompanha a mudança do nome da Comissão Parlamentar, que inicialmente se chamaria CPI dos TCAs e, desde o dia 19 de março, passou a se chamar CPI das Licenças, para incluir investigação sobre “a emissão de Documentos de Origem Florestal (DOF) pelo Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf)” e sobre “a forma como o Instituto Estadual de Meio Ambiente (Iema) libera projetos a serem executados”, segundo definem os deputados integrantes da Comissão, em requerimento para aditar a CPI.

Incoerências

A CPI foi criada no dia 25 de fevereiro e tem como presidente o líder do “blocão” da Casa em apoio ao Executivo, deputado Marcelo Santos (PDT), e a relatoria de Euclério Sampaio (DC), também alinhado ao governo Renato Casagrande. Sergio Majeski (PSB), que assinou o requerimento de criação da investigação, foi destinado para a vice-presidência, e os demais membros efetivos são o líder do Governo, Enivaldo dos Anjos (PSD), e Alexandre Xambinho (Rede). Já os suplentes são Rafael Favatto (Patri), Hudson Leal (PRB), Adilson Espindula (PTB), Carlos Von (Avante) e Dary Pagung (de saída do PRP).

Além do acréscimo de dois temas alheios ao foco original da investigação, e consequente mudança de nome, a CPI apresenta outras sérias incoerências na sua composição: nenhum dos titulares faz parte da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia; o não encaminhamento de Majeski para a presidência da investigação, já que foi ele quem encabeçou o requerimento de criação da CPI; e a presidência nas mãos de Marcelo Santos, visto que, em 2015, o mesmo se declarou sem isenção para participar da investigação, pois havia sido financiado pela Vale e Arcelor.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Idoneidade do presidente do Iema é questionada em CPI das Licenças

Alaimar Fiuza trabalhou na Vale por 30 anos. Secretário da Seama também foi convocado, mas não compareceu

Reunião da CPI dos TCAs expõe falta de idoneidade do presidente do Iema

Romildo Fracalossi (foto) tentou negar que Alaimar Fiuza, ex-gerente da Vale, tenha participado dos TCAs

TST valida turno de 10h para quatro dias de trabalho na ArcelorMittal

Ainda longe da “jornada francesa”, de 8h, turno acordado é a melhor entre as opções dadas pela empresa

CPI sobre os TCAs com as poluidoras e a LO da Vale é criada na Assembleia

Requerimento da CPI, protocolado por Majeski com mais 25 deputados, foi lido na sessão desta segunda