Sedu busca dividir em Muniz Freire: reabre o ensino noturno em apenas uma comunidade

As comunidades de Vieira Machado, Itaici e Menino Jesus perderam o ensino médio noturno. Mas a Sedu só reabrirá o de Vieira Machado, golpeando as outras localidades

A Secretaria de Estado da Educação (Sedu) parece aplicar a máxima “Divide et impera” (Divide e impera, divisa política dos romanos) nas suas relações com as comunidades rurais de Muniz Freire (sul do Estado).  Primeiro extinguiu o ensino médio noturno nas comunidades de Vieira Machado, Itaici e Menino Jesus.
 
Com a mobilização da população do município, que protestou inclusive com passeatas na cidade, a Sedu recuou e, nesta sexta-feira (16), anunciou para comunidade de Vieira Machado que reabrirá o ensino médio noturno na comunidade. E as outras duas? A situação das outras escolas sequer foi discutida. E o tema terá que ser agendado, afirmou o subsecretario de Estado da Educação, Eduardo Malini.
 
Eduardo Malini esteve com a comunidade de Vieira Machado e informou da decisão da Sedu de reabrir o ensino médio noturno da escola da comunidade. Foi questionado sobre a situação do ensino noturno nas  outras duas comunidades. Alegou que terão que ser agendadas reuniões específicas com as comunidades.
 
Então, a autoridade viaja até Muniz Freire, distante de Vitória 179,4 km, cerca de 3h30 da capital via BR-262, e não inclui todas as comunidades com o mesmo problema? Sim, assim foi dito, relatam moradores. 
 
Eduardo Malini “possui título de mestre em Educação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, dentro da linha de pesquisa: Gestão, Políticas Públicas e avaliação Educacional”, entre outros diplomas de pós-graduação. E “atualmente ocupa o cargo de subsecretário de Planejamento e Avaliação da Secretaria de Estado da Educação do Espírito Santo. Tem experiência na área de Políticas Públicas, com ênfase em Gestão Municipal e em Educação”, diz o Escavador, citando Informações coletadas da Plataforma Lattes em 18/01/2018.
 
A aplicação do princípio romano para dividir as comunidades de Vieira Machado, Itaici e Menino Jesus e imperar, pode não ter dado certo. O golpe foi repelido por todos, tanto pelas pessoas da comunidade beneficiada com a devolução do curso tomado pela Sedu, como de representantes de Itaici e Menino Jesus.
 
Segundo relato de Maxwell José de Vargas, representante de pais de alunos, cerca de 140 pessoas  participaram da reunião onde Eduardo Malini informou que o curso da comunidade de Vieira Machado será reaberto em março. A alegria deste povo foi geral. 
 
E como a comunidade reagiu em relação aos vizinhos de Itaici e Menino Jesus? Garantiu que a estas comunidades será dado todo apoio para que também reconquistem o ensino médio noturno tomado pelo governo do Estado.
 
Ailton Vial, membro da associação dos moradores de Itaici, começou definindo a decisão do governo do Estado de não reabrir imediatamente o ensino médio noturno de sua comunidade e de Menino Jesus de “covarde”. 
 
Afirmou: “Paulo Hartung não devia nem pensar em uma coisa destas. A escola de Itaici está a cerca de 20 quilômetros da sede de Muniz Freire. Fechado a escola da comunidade, os alunos terão que viajar mais 20 quilômetros até a sede do município. São 40 quilômetros no total, todo dia. Um absurdo. Não aceitamos uma medida destas de maneira nenhuma. Nunca”.
 
O morador Ailton Vial emprega um argumento que é recorrente entre os prejudicados com a decisão do governo Paulo Hartung de fechar escolas só para povoar a Escola Viva da sede do município, escola vitrine do governo do Estado na área de educação.  
 
Os adolescentes têm o direito de estudar próximo às suas residências, direito Constitucional. E agrega: Os adolescentes trabalham com seus pais na agricultura familiar, onde aprendem suas profissões, e estudam à noite, se preparando para a vida.
 
Os 128 estudantes do ensino médio noturno das comunidades do interior de Muniz Freire que foram golpeados pela Sedu e perderam a possibilidade de estudar e trabalhar com suas famílias estão revoltados. Manifestaram seu descontentamento em passeata na sede municipal.
 
Eles contam com o apoio do promotor Elion Vargas Teixeira, do MPES, e do juiz Marcos  Antônio Barbosa de Souza. Em ação da Promotoria, o juiz tomou decisão que  permitiu que as escolas funcionassem em 2016 e 2017, através de liminar. 
 
Ocorre que o governo recorreu da sentença da Justiça de Muniz Freire. E no Tribunal de Justiça (TJES), o desembargador Dair José Bregunce de Oliveira ficou com o governo do Estado, cassando a liminar. Como resultado da decisão do desembargador, 128 alunos perderam o direito de sonhar em continuar estudando. Ao promotor caberá apresentar o recurso judicial possível para reverter a decisão do desembargador Dair José Bregunce de Oliveira, tão prejudicial aos jovens de Muniz Freire.
 
Itaici é um distrito do município de Muniz Freire, no sul do Espírito Santo, que possui cerca de 1.300 habitantes. Menino Jesus possui cerca de 3.100 habitantes. Já Vieira Machado é um distrito do município de Muniz Freire que  possui cerca de 1.400 habitantes.
 
Eduardo Malini e o seu chefe, o secretário de Estado da Educação, Haroldo Corrêa Rocha, conseguirão dividir estas comunidades para que o seu projeto imperial da Escola Viva seja sucesso em Muniz Freire? O tempo, que é a favor das comunidades, mostrará a resposta.
  • Palavras-Chaves
Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.