Sedu municipaliza três escolas em Guarapari sem consulta à comunidade

Decisão, imposta no apagar das luzes do governo, impõe o caos na vida de alunos, familiares e professores

A Secretaria de Estado da Educação (Sedu) conseguiu, no apagar das luzes do Governo Paulo Hartung, provocar o caos na vida de alunos, familiares e professores de mais três escolas até então sob sua gestão.

As escolas Joventina Simões, Escola São José e Celita Bastos, em Guarapari, serão municipalizadas, sem que tenha havido qualquer diálogo com suas respectivas comunidades escolares, o que contraria preceitos constitucionais.

As crianças terão que ser transferidas para outras unidades, mas ainda não sabem onde exatamente estudarão no próximo ano letivo. A Prefeitura garantiu que todas as matrículas serão efetivadas.

Segundo denúncia feita pelo Sindicato dos Trabalhadores e Servidores Públicos do Espírito Santo (Sindipúblicos/ES), os profissionais que atuam na Joventina Simões correm risco de demissão e sequer tiveram tempo hábil para buscar outras vagas nos processos seletivos abertos no final de ano. Isso devido o anúncio da municipalização ter acontecido apenas na segunda quinzena de novembro.

As comunidades escolares chegaram a redigir um abaixo-assinado, defendendo que “tendo vista o respeito à comunidade escolar em primeiro lugar e sabendo que na atualidade o modelo de gestão participativo está em voga, tratando-se de um processo que claramente deve ser democrático e respeitoso, solicitamos que toda comunidade escolar seja respeitada, priorizada, incluída, ouvida e faça parte do processo de negociação de uma possível municipalização da EEEFM Joventina Simões, e que seja feito de forma gradativa, clara e inclusiva para todos”.

O documento destaca o “resultado positivo do trabalho pedagógico, identificado através das altas taxas do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), o que traz a certeza de um ensino de qualidade”, como um dos argumentos para a manutenção do funcionamento atual das escolas.

A gestão da Educação de Paulo Hartung, nesses quatro anos, deixou um rastro de destruição em mais de uma centena de escolas de norte a sul do Estado, na cidade e, principalmente, na Educação do Campo. Destruição escondida debaixo do tapete de um projeto apócrifo de Escola Viva.

E sequer a aplicação do percentual mínimo de 25% do orçamento estatal em Educação foi cumprido, segundo denúncias seguidas do deputado estadual Sergio Majeski (PSB). Uma “herança” pesada para o próximo governo remediar.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Sedu não comparece em reunião para discutir fechamentos de escolas

Nova reunião foi convocada e, caso gestores faltem, poderão responder por crime de responsabilidade 

Pais dormem em gabinete e prefeito garante matrículas em creche de Pinheiros

Arnóbio Silva diz que não fechou escola, mas responsáveis alegavam bloqueio de matrícula para iniciantes

Assembleia realiza reunião para discutir fechamento de escola em Cariacica

Pais se reuniram com a Sedu, mas ainda não há definição sobre funcionamento no ano letivo de 2020

Reabertura de escolas do campo é prioridade para o Comitê Estadual

Na última década, foram fechadas mais de 500 escolas do campo estaduais e municipais de ensino fundamental