Servidores denunciam Renato Casagrande à Comissão de Ética do PSB  

Categorias apontam que apoio do governador à reforma da Previdência é caso de infidelidade partidária

Uma solicitação das entidades que formam a Pública – Central do Servidor foi encaminhada à direção do PSB em nível nacional e estadual, para que o governador Renato Casagrande seja submetido à Comissão de Ética do partido. Os representantes dos servidores entendem que ele infringiu as regras estabelecidas pela direção nacional para a reforma da Previdência, que fechou posição contrária ao projeto, ao apoiar e trabalhar para incluir o Espírito Santo nas novas regras. 

No documento, divulgado nesta sexta-feira (19), a Pública afirma que, além do apoio à reforma, Renato Casagrande retirou da Lei Orçamentária de 2020 pequena recomposição salarial de parte das perdas sofridas pelos servidores públicos do Estado, após um longo período sem recomposição inflacionária. 

O documento lembra que, após análise do Conselho de Ética e, oportunizado o contraditório e ampla defesa, o PSB puniu diversos parlamentares, inclusive os deputados federais Felipe Rigoni e Ted Conti, representantes do Espírito Santo na Câmara dos Deputados, que, devido à "tamanha gravidade", foram suspensos por um ano de todas as atividades partidárias, bem como de suas funções e prerrogativas no parlamento, incluindo a participação em comissões temporárias e permanentes.

“Os posicionamentos das bancadas no Senado, na Câmara dos Deputados e dos governadores foram levadas à reunião do Diretório Nacional no dia 25 de abril de 2019, onde foi fechada posição oficial do partido sobre a reforma da Previdência proposta pelo governo de Jair Bolsonaro”, ressalta o documento, encaminhado aos presidentes da Nacional e Estadual, respectivamente, Carlos Siqueira e Carlos Rafael.

Conforme informou o partido, a resolução aprovada pela sigla foi de que a proposta significaria a destruição da Seguridade Social e o empobrecimento geral do país, sobretudo dos pequenos municípios e dos mais pobres. “É uma política regressiva que jamais qualquer governo, inclusive a ditadura, teve coragem de apresentar ao país”, destaca o texto, lembrando declarações de Carlos Siqueira. 

A denúncia cita o estatuto do PSB, que prevê as seguintes punições ao filiado que infringir os princípios programáticos e estatutários, ferir a ética partidária ou descumprir as decisões tomadas democraticamente nos congressos do Partido, estará sujeito a uma das seguintes medidas disciplinares: advertência escrita interna; suspensão do direito de voto nas reuniões internas; censura pública; suspensão por até 12 (doze) meses; destituição de função em cargo partidário; cancelamento de filiação; e expulsão.

"Entendendo ser de ainda maior gravidade o posicionamento franco e aberto do chefe do Poder Executivo do Estado do Espírito Santo, largamente noticiado em diversos meios de comunicação, inclusive no sítio eletrônico oficial do Estado, contrariando promessas de campanha e o posicionamento do diretório nacional e não respeitando decisão democrática tomada no âmbito das reuniões partidárias", a Púbica - Central do Servidor solicita "censura pública, bem como o cancelamento de filiação e/ou a expulsão, além da devolução dos recursos públicos destinados pelo partido à campanha eleitoral do atual governador, José Renato Casagrande, por infidelidade partidária".

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
Matérias Relacionadas

Frente de policiais lança vídeo em que eleva tom contra Governo Casagrande 

Militares, civis e bombeiros dizem que já estão no limite e que a situação pode piorar em 2020

Agentes dão crédito ao governo e adiam para fevereiro decisão sobre greve

Profissionais do sistema prisional aguardarão se governo enviará projeto de escalas especiais em 2020

Manutenção de agência do Banestes será cobrada em protesto na sede do governo

Bancários e comunidade do Centro de Vitória esperam ser recebidos por Renato Casagrande nesta quinta

Governo tem até quarta-feira para aprovar regras de transição da Previdência

O governador Renato Casagrande deve seguir as mesmas regras adotadas pelo governo federal