Sindipúblicos vai oficializar pedido de reajuste ao governo diante de superávit

Sindicato dos Servidores Públicos defende aumento de no mínimo 3,89%, referente à inflação do último ano

O Sindicato dos Trabalhadores e Servidores Públicos do Espírito Santo (Sindipúblicos) vai oficializar ao Governo do Estado um pedido de reajuste que garanta, no mínimo, a reposição da inflação dos últimos doze meses (3,89%), bem como a correção dos valores do auxílio-alimentação. O pedido deverá ser encaminhado à Secretaria de Gestão e Recursos Humanos, cuja sede fica no Edifício Fábio Ruschi, no Centro de Vitória, e ao próprio governador Renato Casagrande. 

De acordo com a entidade, apenas nos dois primeiros meses deste ano, o governo estadual registrou uma receita de R$ 3,07 bilhões, um aumento de 12,9% comparado ao primeiro bimestre de 2018. Descontando as despesas (R$1,88 bi) do período, o governo Casagrande ficou com um superávit de R$1,19 bilhão para realizar investimentos e realizar a correção inflacionária nos salários dos servidores, que estão defasados em mais de 20% diante a períodos sem reajustes e outros com índices menores que a inflação.

“Outro dado que reforça a possibilidade de reajuste salarial está o aumento no pagamento de impostos. De janeiro a março de 2018 foram arrecadados no Espírito Santo R$ 9,35 bilhões, em 2019 foi de R$ 9,61 bilhões, um aumento de R$ 260 milhões. Soma-se a esses valores o acordo realizado entre Estado e a Petrobras que irá realizar o pagamento de R$ 1,5 bilhão à vista referente aos royalties retroativos desde 2016, além de outro montante a ser pago nos próximos cinco anos”, diz notícia publicado no site do Sindipúblicos.

O Sindipúblicos chegou a realizar a conta. Segundo a entidade, tendo em vista as informações da Seger/Portal da Transparência de que o Estado possui 96.362 servidores (ativos e inativos) recebendo ao total R$ 400,7 milhões, o reajuste inflacionário elevaria a folha em R$ 15 milhões/mês. Ou seja, apenas 1,36% dos mais de R$1 bilhão de superávit registrado no primeiro bimestre.

“Com todos esses valores arrecadados e estimados, é inaceitável que o governo se negue a conceder o direito previsto constitucionalmente de revisão salarial. É necessário ainda destacar que a concessão do reajuste salarial contribui ainda diretamente no fluxo econômico estadual, visto que os servidores irão utilizar esses valores em compras de produtos e serviços, o que contribuiria até mesmo na geração de empregos”.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Corda bamba

Apontado há meses como o principal concorrente em potencial de Casagrande, Audifax vê seu projeto ruir

Sinases tem registro sindical anulado

Ministério da Justiça e Segurança Pública acatou recurso administrativo do Sindipúblicos

Sindicato notifica secretário de Educação por processo seletivo irregular

Ao invés de concurso, Vitor de Angelo abriu processo para contratar auxiliar de secretaria em regime de DT

Estado é condenado em R$ 50 mil por falta de estrutura do edifício Fábio Ruschi

Justiça estipulou que montante seja revertido ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT)