Sociedade civil repudia esvaziamento do Conselho de Segurança Alimentar

Alteração imposta por Bolsonaro, nesta terça-feira (1), ameaça programas importantes no Espírito Santo

A sociedade civil que compõe os conselhos nacional e estaduais de Segurança Alimentar e Nutricional (Conseas) está mobilizada para revogar os artigos da Medida Provisória nº 870, de 1º de janeiro de 2019, que alteram a Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional (Losan) – Lei Orgânica nº 11.346, de 15 de setembro de 2006 – e modificam a composição dos conselhos.

A MP, explicam os conselheiros em nota pública compartilhada nesta quinta-feira (3), “busca esvaziar as atribuições do Consea, órgão de assessoramento direto da Presidência da República e integrante do Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Sisan)”.

Três características dos conselhos nacional e estaduais são frontalmente atacadas pela MP: sua composição bipartite, sendo terços de representantes da sociedade civil e um terço de representantes de órgãos governamentais; sua característica bicameral, em que uma câmera governamental, discute internamente as propostas e depois as apresenta à câmara com membros da sociedade civil; e a obrigatoriedade de ter a presidência ocupada sempre por um membro da sociedade civil.

São três características que fazem dos Conseas os conselhos mais democráticos do país e exemplo para vários países, que enviam comitivas para conhecer melhor o seu funcionamento.

As alterações impostas por Jair Bolsonaro, argumentam os conselheiros na nota, ameaçam o direito humano à alimentação adequada, garantido na Constituição Federal de 1988, bem como a possibilidade de participação da população na formulação de políticas públicas essenciais para a segurança alimentar, especialmente dos mais vulneráveis econômica e socialmente.

Direcionadas ao Conselho Nacional, os artigos da MP 870/2019 interferem, em efeito cascata, também nos conselhos estaduais. “Se o nacional deixa de funcionar, os demais deixam também”, diz Rosemberg Moraes, presidente do Consea/ES.

De imediato, podem ser seriamente afetados, ou até inviabilizados, o programa estadual de cisternas, com previsão de construção de mais de duas mil cisternas, e o funcionamento do programa Compra Direta de Alimentos (CDA).

O maior risco, ressalta Rosemberg, é não haver discussão dessas e outras ações dentro da extinta câmara técnica do Sistema Estadual de Segurança Alimentar, “que é onde as políticas são realmente desenvolvidas e pensadas na transversalidade”. “Esse espaço é privilegiado para o próprio poder público elaborar e executar as políticas”, diz.

O Consea não é deliberativo, mas consultivo. Seus pareceres e recomendações, no entanto, são muito bem fundamentados e respeitados, defendendo os direitos da população em questões polêmicas e de grande interesse do agronegócio e outros segmentos conservadores, como o uso de agrotóxicos, à rotulagem de produtos, incluindo transgênicos.

Entre as propostas que surgiram em debates no Consea e se tornaram políticas públicas para a garantia de uma alimentação saudável para toda a população, estão a inclusão do direito à alimentação na Constituição, a aprovação da Lei Orgânica, da Política e do Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, o Plano Safra da Agricultura Familiar, a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica e o Programa de Aquisição de Alimentos e as compras institucionais de alimentos da agricultura familiar para escolas e outros órgãos públicos.

Rosemberg conta que o Consea nasceu das ações de cidadania de Betinho e Frei Beto e visava inicialmente combater a fome. “Depois viu-se que não adiantava só fazer campanhas de arrecadação de alimentos, sem uma discussão do que é alimento de verdade, o que é o direito à alimentação”, relata.

A artilharia contra o Consea, acredita o presidente capixaba, se deve exatamente à essa sua origem democrática e história de conquistas importantes para a população menos favorecida. “Quando Fernando Henrique assumiu a presidência ele parou, depois voltou. É uma história muito bonita e muito sofrida”, opina.

 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • Alcemi Barros , segunda, 07 de janeiro de 2019

    A extinção do CONSEA, as mudanças na LOSAN e no SISAN constituem graves retrocessos ao povo brasileiro e à sociedade capixaba. Como ressaltou o nosso presidente do CONSEA-ES, Rosemberg Caitano, o conselho é fruto da democracia. A Constituição Brasileira reconhece e legitima a atuação dos conselhos de políticas públicas, como o CONSEA, na participação e no controle social, reconhecendo ainda a atuação dos conselheiros como serviço de relevância social, exercido de maneira voluntária (sem remunerações). A extinção do conselho traz um retrocesso de mais de 30 anos para a sociedade brasileira, desde a luta contra a Fome no país, até as conquistas no campo da Alimentação Escolar, Agricultura Familar, Alimentação Orgânica, e para os diferentes Povos e Comunidades Tradicionais que compõe e muito contribuem para a nação brasileira.

Matérias Relacionadas

Conselho de Segurança Alimentar de Vitória amplia prazo de inscrição

São quatorze vagas abertas para organizações da sociedade civil que queiram indicar novos conselheiros

Demarcação de Terras Indígenas pela Agricultura é vetada no STF

Ministro Barroso alegou inconstitucionalidade na reedição da MP por Bolsonaro numa mesma legislatura

Parlamentares acionam STF para manter demarcação de terras indígenas na Funai

Objetivo é impedir a aplicação da MP 886/2019, que transfere a competência para a Agricultura

Consea contesta liberação para captar água de chuva em telhados de amianto

Posicionamento do secretário de desenvolvimento social Lelo Coimbra é esperado nessa segunda-feira