STF considera inconstitucional emenda que vinculou salários da PM ao do Exército

Mudança na Constituição Estadual foi contestada ainda no primeiro mandato do governador Casagrande

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) declarou inconstitucional regra da Constituição Estadual - parágrafo 1º do artigo 130, com a redação dada pela Emenda Constitucional Estadual 12/1997 - que vinculava os vencimentos dos policiais militares e do Corpo de Bombeiros aos dos militares do Exército, por isonomia. A decisão unânime acompanhou o voto do relator, ministro Luiz Fux, analisando a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 4944), proposta ainda no primeiro mandato do governador Renato Casagrande, em 2013. 

Em sua redação original, publicada em outubro de 1989, a emenda dizia que a Polícia Militar era uma força auxiliar do Exército, “não podendo o soldo de seus postos e graduações ser inferior ao fixado pelo Exército para os postos e graduações correspondentes”.

O governador do Estado acionou o STF, alegando que a determinação feria dispositivos da Constituição Federal e interferia na autonomia, planejamento, organização e execução da política remuneratória da administração estadual, “com impacto direto nas contas públicas”.

Para Casagrande, o dispositivo feria diversas regras da Constituição Federal, como o caput do artigo 25, que estabelece que os estados “organizam-se e regem-se pelas Constituições e leis que adotarem, observados os princípios desta Constituição”. Já o inciso XIII do artigo 37 da CF determina que a Administração Pública direta e indireta dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios deve obedecer ao princípio de que é vedada “a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público”.

Por fim, o parágrafo 1º do artigo 42 da Constituição Federal estabelece que se aplique aos militares dos Estados, Distrito Federal e Territórios o disposto em artigos constitucionais que abordam direitos da categoria, como licenças, estabilidade e outros.

Ação anterior

Esta é a segunda ADI ajuizada pelo governo do Estado contra a emenda. A primeira teve o pedido de liminar concedido pela Suprema Corte, que suspendeu a eficácia da norma. No entanto, devido à Emenda Constitucional 12/1997, que acrescentou o Corpo de Bombeiros como uma das forças auxiliares do Exército no parágrafo 1º do artigo 130, a ADI foi extinta sem julgamento de mérito.

Na ocasião, o governador Casagrande alegou "excepcional urgência” para solicitar a concessão de liminar. Segundo ele, já existiam requerimentos administrativos de policiais militares estaduais “objetivando a incidência da equiparação remuneratória”.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Tribunal Regional do Trabalho só funcionará à tarde a partir de janeiro de 2020

O horário, aprovado pelo Pleno do TRT-ES, será unificado de 12h às 19h para contenção de despesas

Soldados da PM representam Comissão de Promoção de Praças ao Ministério Público

Cerca de 60 soldados foram impedidos da promoção para cabos por estarem de licença médica no final de 2018

Policiais civis e militares fazem passeata por valorização salarial 

Profissionais, que formaram uma frente unificada, querem reajuste do governo Casagrande

Excludente de ilicitude é tema de fórum nacional de militares em Vitória

Evento, que reúne profissionais de todo o País, apresentará pesquisa sobre saúde mental dos militares