Termômetro eleitoral

Cotado para a prefeitura de Vitória em 2020, Lorenzo Pazolini está "bem na foto" nas pesquisas de Vandinho

Sem partido, cobiçado pelo PSL e cotado para disputar a prefeitura de Vitória em 2020, o delegado Lorenzo Pazolini está "bem na foto" perante o eleitorado capixaba. Pelo menos foi o que garantiu, na sessão desta segunda-feira (30) da Assembleia Legislativa, seu colega de plenário e também integrante do "bloco dos independentes", Vandinho Leite (PSDB). A afirmação surgiu durante o debate sobre o veto do executivo ao projeto de Pazolini que institui cobrança, a título de compensação financeira, pelo uso de tornozeleira eletrônica por agressor, preso ou apenado no Estado. O que culminou em críticas à gestão Renato Casagrande feitas por Vandinho, reação do líder do Governo Enivaldo dos Anjos (PSD), e ainda numa fala de José Esmeraldo (MDB) ressaltando a inconstitucionalidade da matéria, com alerta de que o delegado poderá sofrer processo de isolamento na Casa. Foi aí que Vandinho se doeu e resolveu sair em defesa de Pazolini, dizendo que teve acesso a duas pesquisas sobre atuação dos parlamentares e o delegado "está entre os deputados mais atuantes e hoje com maior avaliação nesta Casa". No clima do bate-rebate, voltou ao microfone Enivaldo, para apontar que pesquisa de opinião não registrada não existe e, se existisse, o primeiro lugar seria do Capitão Assumção (PSL), que "teve coragem de enfrentar um tema difícil", com Sergio Majeski (PSB) logo atrás ou empatado com o militar. Assumção ainda não apareceu no cenário da eleição na Capital, mas Majeski já declarou aos quatro cantos que é candidatíssimo. Quem sai na frente, afinal?

Segue...
A situação difícil de Assumção, para Enivaldo, foi a recompensa de R$ 10 mil que ele ofereceu a quem matasse o assassino de uma jovem em Cariacica. A oferta, como se sabe, teve muita repercussão local e nacional e o militar passou a responder a processo interno por quebra de decoro. O líder do governo lembrou que ele e Vandinho compraram a briga de Assumção, mas Pazolini não teve coragem e ficou quietinho, como a maioria dos parlamentares. "Quem age assim não pode estar bem avaliado", provocou.

Capítulo novo
Assumção, aliás, agora já está em outro olho do furação e disparou, na sessão desta segunda, contra sua condenação como o principal incentivador e articulador da greve da PM em 2017. O deputado apontou a sentença como "mentira e falácia" e voltou a defender que a Justiça comum não tem competência para julgar militar. 

Nada mudou
No mesmo dia em que os servidores realizaram mais uma assembleia geral e acenaram para decisão sobre greve no próximo dia 24, o governo Casagrande prometeu, na apresentação do Orçamento 2020, os tão esperado reajuste salarial e ainda concursos público. Mas...tudo ainda no próximo ano, o que não atende às reivindicações. Os servidores exigem aplicação imediata de 5,56% - o acúmulo já é de 26,51%. 

Nada mudou II
Pelo ato desta segunda dos servidores, que teve caixão, banana e pinóquio, o governo parece ainda muito longe de convencê-los com essa estratégia. Até porque, o anúncio de hoje foi só mesmo um anúncio. Nem mesmo valor foi sinalizado.

Pior que está...
Enquanto isso, a reação se fortalece em cadeia. Além da mobilização unificada das diversas categorias do funcionalismo público, cada uma começa a se organizara também individualmente por reajuste, melhorias e demandas setoriais. Segura, Casão!

PSL x PT
A deputada federal Soraya Manato serviu de escudo mais uma vez ao governo Bolsonaro sobre o relatório entregue por representantes da Comissão dos Direitos Humanos denunciando violações à Organização das Nações Unidas (ONU) em Genebra, Suíça. Neste caso, briga de capixabas: quem esteve por lá foi o presidente do colegiado, Helder Salomão (PT).

PSL x PT II
Soraya fez discurso no plenário da Câmara manifestando repúdio à iniciativa de "entregar um documento falso, pontuando inverdades a respeito do governo Bolsonaro, e usando dinheiro público". A deputada está no seu papel, mas inverdades...nananinanão!

Na gringa
A propósito, quem está em Nova Iorque, nos Estados Unidos, para outra assembleia da ONU, é a senadora Rose de Freitas (Podemos), que tem andado meio afastada dos holofotes. Em pauta, projetos e ações para a garantia dos direitos das mulheres e o combate à violência de gênero. Rose é a atual procuradora especial da Mulher do Senado.

PENSAMENTO:
"É covardia ser leão entre ovelhas". Luís de Camões

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Governo envia projeto da fundação da saúde para gerir hospitais à Assembleia 

Projeto é analisado pelos sindicatos da saúde, que não tinham tido acesso ao texto na íntegra

Não é possível...

Do presidente do PSDB, Vandinho Leite: César Colnago foi nomeado no governo Casagrande ''na marra''

Agentes de saúde conquistam pagamento retroativo do piso nacional na Serra

Audifax passou a cumprir a lei neste mês e, após luta do Sindsaúde, fará os pagamentos desde janeiro

'Lobby'

Vandinho Leite em rota de colisão com secretário da Casa Civil. CPI da EDP Escelsa sai ou não sai?