Território Bolsonaro

PSL inicia missão para o futuro. Na vitrine local, saem na frente Danilo Bahiense e Capitão Assumção

O deputado federal Carlos Manato, representante no Estado do presidente eleito, Jair Bolsonaro, reassumiu a presidência do PSL capixaba nesta terça-feira (30). Ele havia se afastado da função devido à campanha ao Palácio Anchieta e, depois, presidencial, encerrada nesse domingo (28), que o colocou em espaço privilegiado de poder na política capixaba. A missão, agora, segundo Manato, é fortalecer o partido em todo o Espírito Santo, que, apesar dos resultados atingidos pela “onda Bolsonaro” em todo o País, ainda carece de quadros expressivos. Para isso, ele afirma que realizará uma campanha de filiação e identificará as lideranças que contribuíram para a expressiva votação de Bolsonaro - 63% do eleitorado  capixabas. Depois, montará os diretórios. Além de Manato, que conquistou a segunda posição na disputa ao Palácio Anchieta, conseguindo ultrapassar Rose de Freitas (Podemos), já entram nessa lista de potenciais nomes os candidatos que saíram vitoriosos nas proporcionais. Na Câmara Federal, a mulher dele, Soraya Manato, que obteve 57,7 mil votos e entrou na corrida escalada para assumir o posto do deputado. Por aqui, na Assembleia Legislativa, o delegado Danilo Bahiense (36 mil votos), Capitão Assumção (27,7 mil) e o coronel Alexandre Quintino (23,3 mil) e Torino Marques (22 mil). O que eles farão de suas respectivas vitrines políticas, ainda veremos, mas o olho de Manato já está lá em 2020 e 2022. 

Território Bolsonaro II
Outro que também disputou com arrancada considerável no final das contas foi o subtenente Assis, ao Senado. Chegou em quinto, com 247 mil votos. Mas não terá um mandato pra chamar de seu.

Território Bolsonaro III
Na Câmara Federal, Bolsonaro já declarou que a estratégia do PSL é não disputar a presidência e que tem simpatia pela permanência de Rodrigo Maia (DEM-RJ) no posto. E na Assembleia, onde o partido terá a maior bancada, hein?

Antes tarde...
Voltando em Capitão Assumção, finalmente, o Ministério Público do Estado (MPES) resolveu investigar a alta cúpula da Segurança e o governador Paulo Hartung pelo movimento da Polícia Militar de fevereiro de 2017. Não só Assumção, que chegou a ser preso, mas a tropa cobrava isso há muito tempo. A corda, até hoje, só arrebentou para o lado mais fraco.

...do que nunca!
A reivindicada anistia administrativa aos PMs, aliás, deve ficar mesmo para o próximo governo. Embora Hartung queira terminar o mandato bem na fita em várias áreas onde se omitiu durante quatro anos, a possibilidade de recuar nesse ponto também chegou a ser levantada no mercado, mas, até agora, nem sinal.

Inseparáveis
Por falar no palanque PSL, foi criado um grupo no Facebook contra a “parceria” de Bolsonaro com o senador Magno Malta (PR). Nome: “Não elegemos Magno Malta”. Os capixabas, definitivamente, só entenderam agora. 

Inseparáveis II
Ainda sobre essa dupla, o presidente eleito gravou vídeo ao lado do senador para agradecer o tempo que dedicou a rodar o País no seu lugar, depois que foi esfaqueado e saiu das ruas. Tanto empenho, repetiu Bolsonaro, o prejudicou até na própria reeleição. Uma tentativa de amenizar a derrota de virada de Magno, depois de passar maior parte da campanha na liderança das intenções de votos. Os aliados encerraram a gravação com abraço e choro (do senador).

Movimentações
Burburinho nos corredores da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) nesse período de transição, é uma articulação para fazer do atual subsecretário Fabiano Marily o próximo comandante da pasta na gestão Renato Casagrande (PSB). O próprio, aliás, já teria manifestado essa possibilidade em reuniões. Nada contra o profissional, mas Casagrande repetiria o filme do passado, de manter nomes do governo Hartung ao seu lado? Não é possível...

Terceirização
Já em Linhares (norte do Estado), o executivo Eduardo Porfilio, apontado como o responsável pelo Hospital Geral de Linhares (HGL), que será estadualizado, teria sido indicado pela gestão de Guerino Zanon (MDB) para integrar a banca que definirá uma Organização Social (OS) para a unidade. Por lá, dizem que ele tem ligações com a Pró Saúde, que administra o antigo São Lucas – hoje HEUE – e foi, recentemente , envolvida em escândalo no Rio de Janeiro. No entanto, até o final do ano e diante de tanta resistência dos movimentos sociais, difícil concluir o processo.

Inadmissível 
O Elo Municipal do Rede e Ativista Social de Aracruz – partido Rede Sustentabilidade – divulgou nota de repúdio por episódio registrado em Barra do Riacho, durante apuração do segundo turno. Naiane de Jesus da Silva, membro do Elo, fez denúncia contra agressão verbal e física sofrida por um homem em praça pública, ao tentar apaziguar os ânimos entre eleitores dos dois candidatos adversários, Bolsonaro e Fernando Haddad (PT). Não pode passa em branco. Que a justiça seja feita!

PENSAMENTO:
“A multidão é um monstro sem cabeça”. Charles Chaplin

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Justiça determina publicação imediata de edital das eleições do MDB de Vitória

Decisão foi lida em plenário pelo deputado José Esmeraldo, que moveu processo contra grupo de Lelo Coimbra

Sindicato dos Advogados elege nova diretoria e busca protagonismo entre a classe

Valim se comprometeu em exigir mudanças rápidas no Judiciário em prol da classe e da sociedade

As incertezas

A postura do presidente Jair Bolsonaro leva o governador Renato Casagrande a agir com cautela

Tesouradas

Carlos Manato anuncia gestão à la Bolsonaro no Sebrae-ES