Tribunal de Justiça retoma sessões de julgamentos na próxima terça-feira 

Já a primeira sessão do Tribunal Pleno só no dia 30, sob a presidência do desembargador Ronaldo Gonçalves

O Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) retoma as pautas de julgamento na próxima terça-feira (21), com o início das sessões das 1ª, 2ª e 3ª Câmaras Cíveis que, juntas, contam com mais de 300 processos na pauta. As sessões são públicas e tem início às 14 horas. A primeira sessão do Tribunal Pleno de 2020, por sua vez, só será realizada no dia 30, sob a presidência do desembargador Ronaldo Gonçalves de Sousa.

No dia 22 (quarta-feira), retornam também as sessões de julgamento das 1ª e 2ª Câmaras Criminais, que começam às 14h e às 13h30, respectivamente. Já as sessões da 4ª Câmara Cível e do Conselho da Magistratura terão início no dia 27 de janeiro (segunda-feira). As pautas de julgamento são disponibilizadas no site do Tribunal de Justiça e podem ser consultadas aqui.

Embora o expediente tenha voltado ao normal nos Fóruns e no Tribunal de Justiça desde o dia 07/01, quando terminou o recesso do Poder Judiciário, os prazos processuais cíveis permanecem suspensos até esta segunda-feira, dia 20/01, por determinação do Código de Processo Civil.

Mudança 

A presidência e a Mesa Diretora do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) mudaram de mãos no dia 12 de dezembro de 2019. mas os “pepinos” a serem resolvidos pelo Tribunal continuam os mesmos, em alguns casos, postergados para este ano de 2020. Caso da ação que envolve os escreventes juramentados. O Pleno do Tribunal, depois de mais um pedido de vistas, adiou para 2020 a continuidade do julgamento do processo administrativo (n.º 2019.00.187.037), que trata da regularização dos que prestaram concurso e respondiam pela titularidade das serventias vagas em cartórios. 

Segundo informações de bastidores, o julgamento que foi iniciado há mais de um ano e que é adiado constantemente por pedidos de vistas dos desembargadores, volta à neste ano e é polêmico, uma vez que envolve elevar as despesas do Tribunal, que já são altas para cobrir a série de "penduricalhos" que engordam ainda mais os salários dos magistrados. O TJES, como sempre, está no limite de gastos com pessoal. Dos desembargadores desimpedidos para votar, ainda faltam 11 se manifestarem. Dos dez que votaram, cinco foram a favor e cinco contra. 

A admissão dos novos titulares de cartórios aprovados no último concurso público foi o que gerou esse situação inusitada e preocupante no Judiciário capixaba. Os escreventes juramentados que respondiam pela titularidade há anos (em alguns casos mais de 40) e pertencem ao quadro do TJES ficaram sem qualquer função, à deriva.

Fechamento de cartórios

Outro tema polêmico a ser resolvido e que envolve a relação do TJES com a Assembleia Legislativa é a questão de fechamento de cartórios em localidades mais afastadas do interior do Estado. O Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 87/2019, do deputado Enivaldo dos Anjos (PSD), e que está para ser votado na  Casa, é uma reação para sustar os efeitos do Provimento 35/2019, do atual corregedor-geral do TJES, Samuel Meira Brasil, que determinou a extinção de 51 cartórios extrajudiciais deficitários e a anexação dos seus acervos à serventia afim, sob o argumento “de absoluta inviabilidade econômico-financeira”. Sobraram críticas de vários deputados ao desembargador e ao ato do Tribunal, que é acusado de não respeitar a instância da Assembleia, que também deveria ter sido consultada. 

O presidente do Tribunal de Justiça, Sérgio Luiz Teixeira Gama, transferiu o cargo para o desembargador Ronaldo Gonçalves de Sousa ainda em dezembro do ano passado. A nova Mesa Diretora do TJES para o biênio 2020/2021 terá, ainda, o desembargador José Paulo Calmon Nogueira da Gama como vice-presidente; Ney Batista Coutinho no cargo de corregedor-geral da Justiça; e Telêmaco Antunes de Abreu Filho como vice-corregedor geral da Justiça.

O desembargador Sérgio Luiz Teixeira Gama retornará para suas funções na 2ª Câmara Criminal; Samuel Meira Brasil Júnior irá compor a 3ª Câmara Cível; e Carlos Simões Fonseca, vice-corregedor, comporá a 2ª Câmara Cível do TJES, que também presidirá.

Já desembargador Samuel Meira Brasil Júnior, por sua vez, tomou posse como presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo (TRE) para o biênio 2020/2021. Ele substituirá o desembargador Annibal de Rezende Lima, que preside o TRE desde dezembro de 2017.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

TJES é obrigado a pagar auxílio-alimentação a PMs no mesmo valor dos servidores

Decisão foi tomada após voto-vista de Rodrigo Chamoun, que mudou posicionamento anterior do TCE

Tribunal de Justiça decidirá quem representa Conselho Comunitário de Vila Velha

Nesta segunda-feira, a 4ª Câmara Cível do TJES julgará processo sobre representação da entidade

Sindicato de Servidores do Legislativo vai se unir à Pública em prol de reajuste

Presidente do Sindilegis, Gildo Gomes, também ressalta papel do fórum de servidores da Assembleia

Grupo de Trabalho da Assembleia sobre portos vai incluir sindicatos do setor

Deputado Marcelo Santos se comprometeu em editar decreto e incluir trabalhadores da Codesa no debate