TST julga dissídio coletivo dos Correios e aprova reajuste de 3%

Decisão da corte superior ocorre após paralisação da categoria em todo o País, incluindo no Estado  

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) julgou, nessa quarta-feira (2), o dissídio coletivo ingressado pelos Correios em setembro. Entre as conclusões, a Corte definiu sobre o reajuste salarial e dos benefícios em 3% e a manutenção da maioria das cláusulas vigentes dos acordos coletivos anteriores, entre elas as que se referem ao vale alimentação/refeição, vale cultura e adicional de férias. No entanto, pais e mães dos trabalhadores não terão mais direito ao plano de saúde.

Trabalhadores dos Correios em todo o país realizaram uma paralisação de oito dias, entre 10 e 18 do mês passado. A suspensão do movimento ocorreu em função do julgamento do do dissídio coletivo. A decisão por paralisar as atividades também foi acolhida pela categoria no Espírito Santo. 

Durante os dias de greve, mobilização dos trabalhadores capixabas resultou em diversos piquetes e atos públicos, organizados pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos do Espírito Santo (Sintec-ES), que usou como estratégia o diálogo com a população para discutir a importância da ECT como uma empresa pública.

“Está longe do que gostaríamos e perdemos um direito histórico, que eram os pais e mães no plano de saúde", pontou em nota o Sindicato. A retirada de direitos, segundo a entidade, é um reflexo da política entreguista do Governo Bolsonaro, que impediu que as negociações ocorressem de maneira respeitosa e transparente e levou os trabalhadores à greve. "No entanto, o enfrentamento e a capacidade de mobilização da categoria mostraram que vamos continuar nos organizando para lutar contra a privatização”, afirmou.

A categoria reivindicava reajuste salarial de 3,25%, manutenção de benefícios como a permanência de pais e mães no plano de saúde e coparticipação, além de continuidade de percentual de férias e vales alimentação e refeição. Os trabalhadores também criticam o projeto de privatização defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) para “baratear os processos” e os salários pagos pelos Correios, "o pior entre todas as estatais”.

A empresa afirmou que vai cumprir integralmente a decisão do TST, mas alega viver delicada situação financeira, que já acumula um prejuízo de aproximadamente R$ 3 bilhões.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Pescadores ocupam escritório da Fundação Renova em Aracruz

Sem receber auxílio pelo crime da Samarco/Vale-BHP, eles acampam no local desde segunda-feira

Mulheres realizam performance 'O estuprador é você' em Vitória

Apresentação criada por chilenas vem sendo reproduzida em vários países e ganhou versão capixaba

Promessa de auxílio do governo federal é enganação, diz pescador

Liderança do Estado, Nego da Pesca acredita que capixabas não receberão apoio por impactos do óleo

Círculo Palmarino realiza Acampamento da Juventude Negra

Atividade acontecerá em janeiro em São Mateus, com inscrições gratuitas e atividades políticas e culturais