Ufes terá de fazer reformas para garantir acessibilidade em seus campi

MPF obteve decisão favorável da Justiça, necessidade de adequações são discutidas desde 2004

O Ministério Público Federal (MPF) no Espírito Santo obteve decisão na Justiça que obriga a Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) a efetuar reformas em seus campi de Goiabeiras e Maruípe visando à garantia da acessibilidade a pessoas com mobilidade reduzida e necessidades especiais.

A Ufes já foi notificada sobre a necessidade dessas adaptações por diversas vezes desde 2004. Com a decisão, a Universidade tem prazo de 90 dias para elaborar e apresentar o projeto arquitetônico das reformas e dar uma previsão de quando começarão as licitações para realização das obras. As ações deverão ser executadas e concluídas no prazo de 18 meses, a contar da apresentação do projeto.

As principais adequações a serem feitas são a construção de rampas e rotas de acesso e de banheiros acessíveis; a instalação de bebedouros acessíveis e de plataformas de acesso; a adequação de sinalizações. As medidas visam ao atendimento da legislação vigente (Decreto 5.296/2004, que regulamenta as leis 10.048/2000 e 10.098/2000 e a NBR 9050).

Em 2010, o MPF instaurou um inquérito civil público para averiguar as condições de acessibilidade das estruturas físicas da Ufes. Tudo começou quando um estudante cadeirante protocolou uma representação contra a universidade, alegando inúmeras dificuldades para se graduar por conta da pouca acessibilidade da instituição.

De acordo com a procuradora da República Elisandra de Oliveira Olímpio, a Ufes já fez melhorias nos campi de Goiabeiras e Maruípe, mas ainda não implementou todas as obras que os tornariam acessíveis.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Acordo assinado por Hartung pode engessar gestão ambiental de Casagrande

Proposto pelo MPF, Hartung aprovou Termo que não estabelece níveis aceitáveis para emissões de poluentes

Sem consenso, Câmara Federal arquiva projeto sobre Escola sem Partido 

Em debate na Câmara desde 2014, caberá à próxima legislatura retomar o debate 

MPF processa Sueli Vidigal pela prática de 'rachid'

Acusação se refere ao primeiro mandato de deputada federal, com valores calculados em R$ 53,7 mil

MPF-ES obtém condenação de professor da Ufes por falsificação de certificados

Bruno Borges Deminicis terá que prestar serviços comunitários e multa de R$ 8 mil