Violência na Piedade: mais 23 famílias querem deixar o local por medo

Desde 2018, pelo menos 40 famílias saíram do morro após episódios semelhantes ao desta semana

O tiroteio registrado na noite dessa segunda-feira (3) entre os Morros do Moscoso e da Piedade, no Centro de Vitória, agravou a crise e o medo instalados nas comunidades desde 2018, quando se intensificaram os episódios de violência e mortes na região. Nesse período, mais de 40 famílias saíram de suas casas na Piedade (cerca de 250 pessoas), poucas retornaram (menos de dez), e outras requereram na Justiça o aluguel social da prefeitura. Agora, diante do novo fato, outras 23 famílias querem deixar o local.

A atualização da lista de moradores teve início na terça-feira (4), logo depois do tiroteio, pelo Instituto Raízes, que atua na comunidade. A entidade informou, em nota, que esses núcleos de moradores também pretendem requerer o aluguel social, que já teve decisão favorável para 26 famílias no ano passado, em ação movida pela Defensoria Pública Estadual (DPES).

“Embora nossa atuação privilegie o diálogo pela permanência no território, não há como, pelo menos hoje, confrontar com elementos fortes como os ocorridos na noite de ontem [segunda]”, lamenta o Instituto, que vem promovendo diversas ações coletivas de fortalecimento e resgate da comunidade.

A perspectiva para este ano, segundo o Instituto Raízes, era dar continuidade às atividades culturais da região, que é berço do samba capixaba, e dos vínculos e articulação em rede no território, definindo projetos de formação de professores das escolas públicas, reabertura da Casa de Memória, aquisição de instrumentos musicais e seminários e oficinas socioculturais. “No entanto, com o novo episódio, necessitamos fazer novo planejamento e criar novas estratégias para efetivação deste e de outros sonhos que compartilhamos”, aponta.

O Instituto lembra que os moradores iniciaram este ano na expectativa de que as demandas de segurança pública estivessem sendo atendidas e “sob controle do poder público. No entanto, prossegue, “vivenciamos novos momentos de terror”.

Com a recente onda de violência, a Defensoria Pública protocolou petição para exigir o imediato pagamento do aluguel social às famílias que já deixaram o morro. A decisão foi proferida na terça, determinado prazo improrrogável de dez dias para a prefeitura de Vitória realizar o cadastramento das famílias para o recebimento do aluguel, sob multa de R$ 10 mil por dia em caso de descumprimento.

A medida foi necessária para tentar garantir o cumprimento da decisão proferida ainda em março de 2019, até hoje não cumprida pela gestão de Luciano Rezende (Cidadania) e pelo Estado, devido a recursos judiciais. Em dezembro do mesmo ano, após agravo de instrumento impetrado pela Defensoria, a decisão foi mantida pela 4ª Câmara Cível de Vitória.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

'Parem de nos matar!', gritam jovens da periferia para a polícia

Ato realizado nesta quinta-feira reuniu comunidades lembrando a morte de Caio Matheus no Bonfim

MUG encanta e Boa Vista empolga no Sambão do Povo

Escolas brilham e devem disputar título do Carnaval de Vitória, em que juntas venceram últimas 10 edições

Mulheres de Guarapari realizam ato contra feminicídio

Ação acontece após o assassinato de Shirley Simões, que havia pedido medida protetiva dias antes do crime

Projeto mapeia quase 400 locais com atos de violência contra mulher

Intervenção urbana coletiva lança Mapa da Violência Contra Mulher na Ufes e no Centro de Vitória