Vitória em alerta contra surtos de dengue, zika e chikungunya

Estão em alerta 16 capitais. De dezembro de 2018 até este mês foram 22,6 mil casos de dengue no Estado

Vitória é uma das 16 capitais classificadas pelo Ministério da Saúde como em estado de alerta contra surtos de dengue, zika e Chikungunya, todas doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, que se prolifera em águas limpas e paradas nas cidades. 

As demais são Fortaleza, Porto Velho, Palmas, Salvador, Teresina, Recife, Belo Horizonte, Campo Grande, São Luís, Belém, Macapá, Manaus, Maceió, Aracaju e Goiânia. Cuiabá está classificada como em risco. Boa Vista, João Pessoa, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília estão com índice de infestação considerado satisfatório. Já Natal, Porto Alegre e Curitiba realizaram levantamento por meio de metodologia diferente (armadilha), enquanto Florianópolis e Rio Branco não enviaram informações ao ministério sobre o índice de infestação ao governo federal.

No Espírito Santo, somente os casos de dengue notificados pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesa) foram, com incidência de 570,87 casos/100 mil habitantes, entre as semanas epidemiológicas de 30 de dezembro de 2018 a 5 de janeiro deste ano e de 14 a 20 de abril últimos. Oito óbitos foram confirmados.

Segundo a Sesa, o Ministério da Saúde considera três níveis de incidência acumulada das quatro últimas semanas dos casos de dengue: baixa (menos de 100 casos/100 mil habitantes), média (de 100 a 300 casos/100 mil habitantes) e alta (mais de 300 casos/100 mil habitantes). A taxa de incidência é um importante indicador de alerta e ajuda a orientar as ações de combate à dengue.

Para o zika vírus, as notificações no Estado, no período, foram 399 casos de infecção, sem nenhuma confirmação laboratorial. A chikungunya teve 416 notificações, também sem confirmação laboratorial.

Brasil

O alto índice de infestação pelo mosquito Aedes aegypti, com possibilidade de surtos de dengue, zika e chikungunya, ameaça 994 municípios brasileiros, entre eles, as 16 capitais, segundo o Ministério. O número representa 20% das 5, 2 mil cidades que realizaram algum tipo de estudo que classifica o risco do aumento de doenças causadas pelo vetor, segundo reportagem publicada na Agência Brasil nesta terça-feira (30).

O primeiro Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) de 2019 revela que a incidência de casos de dengue no país entre janeiro e março subiu 339,9% em relação ao mesmo período de 2018.

A taxa de incidência, segundo o Ministério, está dentro do esperado para o período e o país não está em situação de epidemia, podendo ocorrer, no entanto, epidemias localizadas de dengue em alguns municípios.

Criadouros

O armazenamento de água no nível do solo (armazenamento doméstico), como em toneis e barris, foi o principal tipo de criadouro identificado no país, seguido por depósitos móveis, caracterizados por vasos e frascos com água, pratos e garrafas retornáveis. Por último, estão os depósitos encontrados em lixo, como recipientes plásticos, garrafas PET, latas, sucatas e entulhos de construção.

Dengue

Até 13 de abril de 2019, foram registrados 451, 6 mil casos prováveis de dengue no Brasil contra 102, 6 mil casos no ano passado. A incidência, que considera a proporção de casos em relação ao número de habitantes, tem taxa de 216,6 casos para cada 100 mil habitantes. O número de óbitos pela doença também teve aumento, de 186%, passando de 66 para 123 mortes.

Zika

Foram registrados ainda 3.085 casos de zika, com incidência de 1,5 caso para cada 100 mil habitantes. Em 2018, no mesmo período, foram identificados 3.001 casos prováveis da doença. Não há óbitos por zika contabilizados em 2019.

Chikungunya

Também houve 24, 1 mi casos de chikungunya, com uma incidência de 11,6 casos para cada 100 mil habitantes. Em 2018, foram 37.874 casos – uma redução de 36,3%. Em 2019, não foram confirmados óbitos por Chikungunya no país.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Projeto de fundação para gerir hospitais estaduais avança na Assembleia

Depois de reunião do secretário com deputados, frente recebeu especialistas nesta sexta-feira

Projeto que cria fundação estadual deve ser submetido à Ales na próxima semana

Novo modelo do governo para gestão de hospitais será implantado primeiro no Bezerra de Faria

Modelo de gestão dos hospitais gera dúvidas sobre permanência de OSs

Nésio Fernandes deve enviar projeto para fundação estatal, mais flerta com as organizações sociais

Ufes participa de pesquisa nacional sobre cuidados à pessoa com deficiência

O objetivo é analisar e participar do processo de implantação da Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência