Vitrine de luxo

Umas mais enquadradas, outras menos, palco de Casagrande e Luciano exibiu peças do tabuleiro de 2020

O contrato firmado com pompa e circunstância pelo governador Renato Casagrande e o prefeito de Vitória, Luciano Rezende (PPS), nesta quinta-feira (21), no Palácio Anchieta, garantindo serviços da Companhia Espírito-Santense de Saneamento (Cesan) na Capital pelos próximos 30 anos e ainda a celebração de outros dois convênios, não só inaugurou oficialmente uma nova fase para Luciano após anos de isolamento político imposto por Paulo Hartung, como serviu para exibir, mais uma vez, o aliado Fabrício Gandini (PPS), já lançado pelo seu partido como candidato à sucessão de 2020 na Capital. Não é novidade, o deputado estadual tem sido companhia inseparável do prefeito em eventos da própria gestão e do governo Casagrande, como ocorreu nesta semana também na abertura do trecho da tão esperada obra da Leitão Silva, outra vitrine política, mas que teve tamanho reduzido em comparação à solenidade desta quinta. Bem posicionado no palco, próximo a Luciano, Gandini garantiu seu lugar nas fotos oficiais (inclusive na pose tradicional com a mão no contrato), que contaram ainda, só que mais distante do enquadramento e do lado oposto, com o vice-prefeito Sergio Sá (PSB), que pertence ao mesmo grupo e igualmente é cotado para a disputa. Já o terceiro nome desse campo que une PSB e PPS e que tem pretensões para 2020 em Vitória, o também deputado Sergio Majeski (PSB), não participou da festa por decisão própria, mas continua a sinalizar como interessado na eleição municipal. Hoje, o resumo do cenário seria esse: Luciano quer porque quer Gandini como seu candidato a sucessor e Casagrande “tudo menos Majeski”.

Asas cortadas
A exclusão de Majeski dos planos eleitorais, evidente pelo termômetro da Assembleia Legislativa, tem relação com 2022, já que Vitória é a segunda principal vitrine política do Estado. Até que se prove o contrário, ninguém quer dividir-disputar holofotes com o campeão de votos à Assembleia Legislativa.

Holofotes
Ao lado de Sérgio Sá, na ponta, estava outro nome que aparece nos bastidores para a eleição em Vitória, mas ainda com pouca força, o presidente da Câmara, Clebinho Felix (PP), e ainda o deputado estadual Danilo Bahiense (PSL) que, dizem, tem interesse em disputar em Vila Velha.

Espaço
Já o experiente deputado José Esmeraldo (MDB), pai de Sérgio Sá, não ficou pra trás, permanecendo ali nas beiradas de Luciano e Gandini para marcar território. Mão no papel e foto oficial, garantiu também. 

Estratégico
A propósito, o governador decidiu tocar nesta questão da Cesan e saneamento logo no início da gestão não foi à toa. O tema marcou uma longa e desgastante polêmica, resultado da queda de braço entre Luciano e Paulo Hartung, que de ex-aliados viraram inimigos políticos. 

Estratégico II
Repetindo a importância da “retomada do diálogo”, Casagrande também já anunciou outra medida que tem relação com esse embate, como a Cesan e a Leitão da Silva: a volta do desfile de Sete Setembro para a Capital. Hartung rompeu a tradição com a desculpa de fazer um rodízio, tirou Luciano do destaque, e prestigiou prefeitos aliados com a realização do evento.

Pagodeiro gospel
O ex-senador Magno Malta (PR), sem mandato depois de muitos anos, recebeu uma mãozinha do amigo e apresentador de TV, Ratinho, e gravou uma participação no programa que vai ao ar na próxima quarta-feira (27). No Facebook de Magno tem uma “palinha” da música que ele cantou e dos temas debatidos. Imperdível, só que nunca.

Pagodeiro gospel II
No vídeo da “palinha”, aliás, se a ideia era agradar, gerou também muitas críticas. Pipocam comentários reclamando das dançarinas que acompanham a música, que tem ritmo de pagode-samba. Nome do programa: Boteco do Ratinho.

E aí?
O novato na Câmara dos Deputados, Ted Conti (PSB), foi acionado pelo Sindicato dos Policiais Civis do Estado (Sindipol-ES) contra as medidas da reforma de Previdência do presidente Jair Bolsonaro. A categoria reivindicou apoio para impedir a aprovação da proposta.
 
Pegou
Primeiro lançado em plenário como o “próximo prefeito de Guarapari”, agora os atos falhos. Nas sessões da Assembleia Legislativa desta semana, diferentes parlamentares, ao se referirem a Carlos Von (Avante), soltaram um prefeito, “ops”, deputado. Imagina em 2020...

Marcou ponto
Os deputados distribuíram elogios ao novato Adilson Espíndula (PTB) na sessão dessa quarta-feira (20), por uma indicação feita ao governo. Ele pede alteração da portaria da Secretaria de Educação (Sedu) que disponibiliza transporte escolar a alunos que residem a uma distância igual ou superior a 3km da escola (passando o limite para 1km). Depois do discurso dele, vários deputados se manifestaram em favor da redução. De fato, um absurdo.

PENSAMENTO:
“Fazer o pior parece a melhor decisão”. Aristóteles

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
3 Comentários