Votação para o IPAJM é encerrada com muitos servidores impedidos de votar

Sindilegis e Sindijudiciário mantêm pleito de anulação das eleições, que será judicializado

Findado o prazo para votação nas eleições dos Conselhos Administrativo e Fiscal do Instituto de Previdência dos Servidores do Espírito Santo (IPAJM), às 18h dessa quarta-feira (24), muitos servidores não conseguiram registrar seus votos, devido a diversos problemas no envio das cédulas de votação.

“Sou servidor da Casa, meu endereço é o mesmo. É um absurdo. Tem que pedir realmente anulação”, protesta o servidor da Assembleia Legislativa João Manoel Miranda Nunes.

“Muitos, muitos servidores nem receberam as cédulas! Estão indignados!”, relata o secretário-geral do Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa do Estado (Sindilegis-ES), Leandro Pereira Machado, que é candidato ao Conselho de Administração.

E mesmo os que receberam as cédulas foram impedidos de votar. Na porta do IPAJM, Leandro conta que, “restando 25 minutos para o fim do prazo da votação, o presidente da Comissão Eleitoral não aceitou o voto, alegando que a urna está lacrada”.

Além do Sindilegis, o Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário (Sindijudiciário-ES) mantém a posição de judicializar a anulação das eleições e possivelmente, também, a declaração de inconstitucionalidade do Decreto nº 2495-R/2010, que regulamenta o processo eleitoral.

Os pedidos já foram feitos oficialmente em reunião extraordinária da Comissão Eleitoral e em recurso impetrado no Conselho Administrativo do IPAJM, mas ambos foram negados.

Os sindicatos pedem mudança na forma de votação para garantir isonomia no tratamento destinado aos servidores dos diferentes poderes e entidades associadas ao IPAJM.

O motivo é que os servidores do Poder Executivo registram seus votos em um sistema eletrônico próprio, enquanto os servidores dos poderes Legislativo e Judiciário, do Tribunal de Contas do Estado, do Ministério Público Estadual e da Defensoria Pública Estadual, deveriam receber as cédulas de papel pelos Correios, nos seus endereços residenciais, e enviarem seus votos, até às 18h desta quarta-feira (24), também pelos Correios.

“Por que facilitar para uns e dificultar ao máximo pra outros?”, indaga Adda Lobato, presidente do Sindijudiciário e candidata ao Conselho Fiscal do IPAJM. “O tratamento precisa ser isonômico. Não pode ser manual pra uns e digital pra outros”, repudia. “Com a reforma da Previdência, os institutos de pensão são motivo de muita preocupação. A eleição para eles não deveria ser uma guerra”, pondera.

Negativas

Em paralelo aos requerimentos e reuniões, diversos servidores enviaram, pelos Correios, à Comissão Eleitoral, formulários com pedido de cédula de votação.

Na resposta enviada a uma das servidoras requerentes, a Comissão disse que “é com pesar que percebemos que alguns segurados ainda não receberam a sua cédula” e que as mesmas “foram postadas nos Correios nos dias 5 e 8 de julho de 2019, portanto, em tempo hábil para recebimento e retorno conforme previsto no Decreto 2495-R”.

Alegou ainda que, “buscando estabelecer total isenção junto ao pleito”, não foram disponibilizadas urnas no IPAJM, “contudo a Agência dos Correios na Leitão da Silva - Vitória, poderá receber o seu voto até o dia 24/7/2019 em seu horário de funcionamento”.

A alternativa posta, que poderia servir para os que receberam suas cédulas fora do prazo hábil para enviaram os votos pelos Correios, evidenciou a falta de isonomia entre os poderes e órgãos que participam das eleições. Sobre os que sequer receberam suas cédulas, então, a injustiça foi ainda mais gritante.

Os conselhos

O Conselho Administrativo é um órgão de deliberação e orientação superior do IPAJM que tem, entre as suas atribuições, analisar e aprovar a proposta orçamentária anual do Instituto, analisar e deliberar sobre os programas de aplicações financeiras dos recursos dos fundos e do patrimônio e, também, analisar e deliberar sobre a aceitabilidade de doações, doações em pagamento e legados com ou sem encargos, observada a legislação aplicável.

Já o Conselho Fiscal é um órgão permanente de controle interno e fiscalização, a quem compete analisar e aprovar, por parecer, as periódicas prestações de contas efetuadas pela Presidência do IPAJM, sobretudo os balancetes e os balanços, dando-os por irregulares quando for o caso; e fixar prazo a para regularização das contas examinadas e rejeitadas, denunciando ao Tribunal de Contas e ao Ministério Público em caso de descumprimento.

 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Sindicatos pedem anulação da nova Previdência por ser igual à eleição de Erick

A PEC da reforma da Previdência de Renato Casagrande teve tramitação idêntica na Assembleia

Sindicatos ajuízam pedido de nulidade da eleição dos conselhos do IPAJM

Ação aponta inconstitucionalidade do processo eleitoral, em que muitos servidores foram impedidos de votar

Governo homologa eleição e designação de representantes para conselhos do IPAJM

Alegando falta de isonomia no processo de votação, sindicatos preparam ação judicial para anular eleição

Sindilegis e Sindijuciário preparam ação para anular eleição no IPAJM

Perto do término do prazo para envio dos votos pelos Correios, servidores ainda não receberam as cédulas