Artigo de última necessidade

Chegou a vez dos aparentemente inofensivos canudinhos de plástico. Precisamos deles?

Embora os heróis andem difíceis de se encontrar fora das telas, os vilões abundam por toda parte, e a cada dia deparamos com mais um. Chegou a vez dos aparentemente inofensivos canudinhos de plástico. Precisamos deles? Por que não ingerir seu capuccino quentíssimo ou sua guaraná gelada diretamente do copo ou no gargalo da garrafa. Felizmente não adotaram canudos para o vinho, o que seria um ultraje. Os canudos são usados por no máximo 20 minutos, raramente são reaproveitados, e não são recicláveis. 

*

Um mal desnecessário. Não faz falta, polui terra e mar, e traz graves riscos para a fauna marinha. Segundo o Google, o Rio é a primeira cidade no Brasil a abrir guerra contra os magrinhos. Nos States, a Califórnia foi o primeiro, e os outros vão aderindo. O que dizem os do contra? Canudos são responsáveis por apenas duas mil dos nove milhões de toneladas de plástico jogados no oceano. Esquecem que canudos pesam pouco. Outros alegam que os canudinhos são menos perigosos do que armas de plástico. Quem discorda da proibição pode levar o seu no bolso ou na bolsa.

*

Algo parecido aconteceu em Vitória, lembram? Banir o sal dos restaurantes virou piada, e mesmo quem não usava o saleiro acabou salgando tudo só pra contrariar. Fossem proibir o saleiro nos restaurantes de Nova York, a reação seria outra. "Quem quiser pode trazer seu excesso de sal, mas nós não estamos servindo". Essa história tem outro parceiro: o fator econômico, quando proibir pode ser ruim para os fabricantes, mas os usuários economizam. Em 1987, a American Airline eliminou a azeitona das refeições servidas a bordo. Apenas umazinha, e a empresa economizou $50 mil/ano. 

*

Nesses dias de cintos apertados, economizar está na moda. Uma fabricante de aparelhos de ar condicionado economizou $70 mil/ano mandando os empregados varrerem os carpetes das portas, em vez de mandar para a lavanderia. Sofre a lavanderia. Outra empresa pagava para remover seus pallets usados. Agora eles são  vendidos. Lucro: $38 mil/ano. A Xerox está economizando $200 mil/ano em jardinagem com o programa Adote uma Planta: cada funcionário escolhe sua planta e cuida dela. Sofre o jardineiro, mas esperemos que as plantas sobrevivam. 

*

Donde se conclui o que já é do conhecimento de todos: a economia ajuda a ecologia. Melhor reduzir do que reusar; melhor reusar do que reciclar, melhor reciclar do que poluir. Mantendo limpa a parte que nos toca, preservamos a saúde e a beleza do planeta que não é nosso - está emprestado.

0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.