As bruxas estão soltas

Eu avisei, mas ninguém me ouve. Comprei um amuleto e nunca tiro do pescoço

Andam  sempre juntas, sempre de preto, e embora o pretinho básico seja a preferência universal para qualquer tempo e lugar, nada a ver com o preto sufocante que elas nunca tiram: saia longa, mangas imensas, gola sufocante, seja verão ou inverno. Nenhum adorno, enfeite ou joia. Botas pretas de cano alto, o bico um tanto fino demais, deixando os bicos apontarem para cima. Resta saber se as profundas olheiras são obtidas com rímel preto... hmm, parecendo estarem sempre de óculos escuros. Elas ocupam a sala 34 A, eu ocupo a sala 34 B, portanto somos vizinhos: Sou o assistente do diretor, portanto, estou sempre de olho...

*

Estou tão acostumado a designá-las bruxas, que nem me lembro que nomes têm, embora seja responsável pelos cheques de pagamento quinzenais. Chegam juntas, saem juntas, e ninguém sabe onde moram, se agregam no mesmo endereço para diminuir as despesas, se têm família, maridos, namorados, ficantes…essas coisas básicas e triviais inerentes aos seres humanos. Normais, claro. Embora elas nunca se exponham diretamente à claridade reveladora das lâmpadas LED, às vezes noto que as duas têm um tom esverdeado na pele…Algum novo modismo?

*

Tempos áridos vivemos hoje. Muita gente não acredita em Deus e na opção céu/inferno, você tem que decidir. No entanto, acreditam piamente em promessas de campanha eleitoral e em tudo que leem e veem na Internet. Quando nos reunimos na garagem para fumar escondido na hora do expediente, aviso a todos que as duas mocreias da sala 34 A são bruxas profissionais, mas ninguém me dá ouvidos.  Acho que até gostam delas, mas se qualquer dia acontece alguma bruxaria na empresa, aí quem tem que responder pelos estragos é o assistente do diretor. Portanto, eu..

*

As duas chegaram bem recomendadas, boas cartas de referência, diplomas de faculdades, sem antecedentes criminais (se é que checam esse detalhe). No entanto, qualquer semianalfabeto hoje sabe falsificar um documento, reproduzir o logo de uma empresa, imitar a assinatura de um chefão. Todo mundo sabe baixar qualquer coisa na Internet, desde receita de frango a passarinho até atestado de falecimento. Mas não verificaram que as duas trabalhavam em empresas que, ou faliram e fecharam as portas, ou se mandaram para a China. Estranho, não? Eu sei, está acontecendo a todo momento, mas mesmo assim. Então fico preocupado, se a empresa falir ou for pra China, como fico?

*

Mesmo sempre sisudas, de vez em quando uma gargalhada sinistra ressoa na sala 34 A. Acho que elas ficam acompanhando as oscilações das ações da empresa no Dow Jones…Que, todos nós sabemos, ultimamente tem oscilado mais pra baixo do que pra cima. Eu avisei, “As bruxas estão soltas”, mas ninguém me ouve. Comprei um amuleto e nunca tiro do pescoço, mas como posso proteger uma empresa de 20 mil funcionários? Vinte mil figas baianas? Os economistas pagos a peso de ouro  para vigiar o capital flutuante da empresa nada veem. Passam o dia todo admirando os diplomas que conquistaram em  Harvard a peso de ouro.

*

Lá vêm elas… olhos fixos em seus próprios narizes rotundos, não piscam, não riem, não cumprimentam ninguém. Nunca usam o elevador, vão direto para a escada, ida ou volta, e olha que estamos no vigésimo andar. Levo uma caixa de Sonho de Valsa pra velhinha dos Recursos Humanos, e ela me conta que as bruxas se chamam Saura Rios e Saira Rios, embora não sejam gêmeas, nem mesmo parentes, e nem se conheciam antes de vir trabalhar na empresa. E mais, que as duas moram no mesmo andar do mesmíssimo edifício, e só descobriram isso quando as puseram na mesma sala. Não é muita coincidência? Ela pergunta, eufórica. Dá pra acreditar?

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.