MPF recorre contra a volta da cobrança da taxa de marinha no Estado

Recurso contesta anulação de sentença de 2016 e está na pauta do TRF2 do próximo mês

O Ministério Público Federal (MPF) recorreu da decisão do Tribunal Regional Federal (TRF2) que, em julho passado, reativou a cobrança das taxas de ocupação, foro e laudêmio em imóveis dentro de terrenos de marinha no Espírito Santo. A cobrança tinha sido suspensa em 2016 por sentença da 4ª Vara Federal Cível de Vitória, resultado de ação civil pública ajuizada pelo MPF em face da União. A nova determinação deve afetar 50 mil pessoas no Espírito Santo.

Em 2016, o juiz federal Aylton Bonomo Júnior declarou nulo todos os procedimentos demarcatórios de terreno de marinha realizados no Estado, incluindo as averbações eventualmente realizadas pela União, todas as cobranças referentes ao não pagamento de foro, taxa de ocupação ou laudêmio, e todos os contratos enfitêuticos, além dos Registros Imobiliários (RIP’S) cadastrados junto à Superintendência de Patrimônio da União no Estado (SPU).

O magistrado acolheu, na época, o pedido do MPF afirmando que os interessados foram intimados por edital, e não pessoalmente, violando o devido processo legal e o exercício do contraditório e da ampla defesa. A sentença ordenava que as rubricas “terreno de marinha” e “acrescido de marinha” fossem excluídas dos registros.

No recente julgamento de recurso da União, a 6ª Turma do TRF2 anulou a sentença e determinou o retorno dos autos para Vitória, para que o juiz reúna mais informações sobre a cientificação dos interessados sobre a cobrança das taxas de marinha e a averbação da qualificação do bem no Registro Geral de Imóveis. Para os desembargadores, a medida é necessária para que seja averiguada a fluência ou não do prazo da prescrição administrativa, mas para o MPF, o início da contagem do prazo sequer ocorreu, porque os interessados nunca foram notificados por intimação pessoal.

O recurso (embargos de declaração) do MPF na 2ª Região (RJ/ES) contesta a decisão do TRF2 por apontar vícios que tornaram o "teor omisso, contraditório e obscuro". O Tribunal pautou o julgamento do caso na sessão da 6ª Turma do próximo dia 4 de setembro. Nos embargos, o procurador regional da República, José Augusto Vagos, questionou a premissa do acórdão de que seriam calculáveis os prazos prescricionais.

Para o MPF, esse acórdão teria omissão (pedido da União sobre a anulação de procedimentos demarcatórios e posteriores cobranças), contradição (ao não atentar a precedentes da jurisprudência) e obscuridade (a anulação das demarcações impediria o início da contagem do prazo prescricional).

"As premissas do acórdão que concluíram pela possível prescrição ignoram que os procedimentos adotados pela União para buscar a cobrança de foro/taxa de ocupação e laudêmio estão eivadas de evidente nulidade absoluta”, notou o procurador regional no recurso ao TRF2. 

“Sanado esse vício da omissão, contraditoriedade e obscuridade quanto à nulidade dos procedimentos e ilegitimidade das cobranças subsequentes, forçoso será o afastamento, de plano, do início da contagem de qualquer prazo prescricional, o que faz cair por terra a premissa do acórdão que levou à anulação da sentença”, completou.

Os terrenos de Marinha são identificados a partir de uma linha chamada de Linha de Preamar Médio (LPM), definida por uma faixa de terra de 33 metros, do litoral em direção ao continente, onde estão localizadas as áreas da União.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Justiça suspende extinção de cargos em comissão e funções na Ufes e no Ifes

Autor da ação, MPF aponta que decreto presidencial levou à exoneração de mais de 212 profissionais

Justiça suspende ação penal contra presidente da Kia Motors por 60 dias

José Luiz Gandini foi acusado de uso de documento falso e sonegação fiscal pelo MPF no Espírito Santo

Decreto de Bolsonaro que extinguiu cargos na Ufes e no Ifes pode ser suspenso 

MPF pede que decisão que exonerou mais de 200 profissionais comissionados seja anulada 

Movimento Negro fará denúncia-crime ao MPF por racismo contra pró-reitor da Ufes

O professor Gustavo Forde foi atacado por comentários nas redes sociais