Não passa mais nada

Prévias eleitorais: Assumção e Pazolini miram no Estado Presente e governistas contra-atacam

Os trabalhos da Assembleia Legislativa mal, mal recomeçaram e o clima eleitoral já tomou conta do plenário. A vitrine que sai na frente é, não à toa, a disputa em Vitória, que só perde em importância política para o governo do Estado. O tom subiu no primeiro dia de sessão ordinária deste ano, nesta terça-feira (4), tendo como pano de fundo o programa que é carro-chefe do governador Renato Casagrande, o Estado Presente. Os deputados Capitão Assumção (PSL) e Lorenzo Pazolini (sem partido), cotados como candidatos a prefeito, usaram áudios e imagens do tiroteio registrado no Centro em mais uma disputa entre os morros do Moscoso e da Piedade, para disparar contra a política de segurança pública da gestão estadual. As respostas vieram principalmente do atual e do ex-líder do governo na Casa, Freitas (PSB) e Enivaldo dos Anjos (PSD), gerando um “toma-lá-dá-cá”, acirramento que só tende a se acentuar nos próximos meses, envolvendo todas as áreas de disputa. Freitas não perdeu tempo e logo classificou as críticas como “extremismo em função das eleições e do afã da candidatura”, enquanto Enivaldo chamou para o debate e relacionou o problema com a política de concessão de armas do governo Jair Bolsonaro, reforçada por Assumção. “O deputado será candidato e tem como base de sua campanha o fuzil”, provocou o deputado, em um bate-boca que se prolongou ainda mais, com direito a pedido de corte do microfone. Num cenário até agora embolado de lideranças na Capital e com delimitação de espaços que alcançam 2022, as estratégias já entraram em fase de execução. Tem jogo!  

Pacotão
O PSB de Casagrande, como se sabe, também está em campo na Capital e deu início ao processo para escolha de seu candidato, que ficará entre o vice-prefeito Sérgio Sá e o deputado Sergio Majeski, campeão de votos em 2018. Mas também cisca com o prefeito Luciano Rezende (Cidadania), que por sua vez apoia outro deputado, Fabrício Gandini (Cidadania), e entrou em rota de colisão com Sérgio, ao exonerá-lo da secretaria de Obras. 

Pacotão II
Os adversários, para todos os efeitos, têm como alvo tanto o governo, que tem a máquina, Casagrande como cabo eleitoral e projeto de poder de longa duração, como Luciano, que também tem a máquina e tenta de todas as formas emplacar seu sucessor.

Artilharia
Aliás, os discursos que começaram no Estado Presente também voltaram a artilharia contra o prefeito, devido à realização do bloco de carnaval na Praia do Canto, sem autorização do município, que acabou em confusão e pessoas feridas. Pazolini disse que o bloco foi anunciado com sete dias de antecedência nas redes sociais, mas nenhuma providência foi tomada.

Artilharia II
Mesmo tema serviu de munição para o pré-candidato do Novo, o coronel Nylton Rodrigues. No Facebook, ele considerou inadmissível, em tempos de redes sociais, a Prefeitura de Vitória dizer que não tinha conhecimento prévio do evento. “Mas pior do que isso, é tentar transferir uma responsabilidade que é sua para outras instituições. A falta de planejamento colocou moradores e comerciantes em risco”, criticou.

Mais um
E não pararam por aí as movimentações na Capital nesse retorno de ano legislativo. Nessa segunda (3), mesmo dia em que o deputado José Esmeraldo (MDB), pai de Sérgio Sá, falou também do plenário que “as perseguições já começaram”, o presidente da Câmara de Vitória, Cleber Felix (Prog), fez mais uma reunião com o DEM, com a presença de Theodorico Ferraço. Clebinho se diz candidato a prefeito pelo partido.

Desgaste
O vereador, na semana passada, como tratado aqui, protocolou pedido de acesso à íntegra do inquérito civil contra o prefeito Luciano Rezende, provocado por denúncia anônima no Ministério Público Estadual (MPES) sobre a suposta utilização de dinheiro público para autopromoção em canais de comunicação, o que configuraria crime de improbidade administrativa.

Desgaste II
Quem resolveu mexer nesse vespeiro, também, foi Capitão Assumção. No meio do embate dessa terça-feira na Assembleia, ele citou que os gastos de Luciano foram de R$ 15 milhões e garantiu voltar a tratar do assunto. Veremos...

Ué...
Voltando ao bate-rebate entre Assumção e Enivaldo, sempre bom lembrar....no ano passado, o ex-líder do governo fez mais de um discurso em favor do colega de plenário do caso da incitação à violência (recompensa a quem matasse o assassino de uma jovem em Cariacica) e também sugeriu “dar uma coça” nos dirigentes da ECO 101. Desta vez, o contrário...

Ué II...
Envialdo repudiou o combate à violência com mais violência, método que apontou como “arcaico, atrasado e imbecil”. 

PENSAMENTO:
“A liberdade de eleições permite que você escolha o molho com o qual será devorado”. Eduardo Galeano

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Corregedoria arquiva processo do Capitão Assumção por incitação ao crime 

O relator do processo, Euclério Sampaio, justificou o arquivamento citando a imunidade parlamentar

Assembleia em chamas

Depois de embates em plenário, como atuará Euclério no processo contra Assumção, ressuscitado logo agora?

Corregedoria tem audiência para apurar incitação ao crime feita por Assumção

O deputado ofereceu em plenário uma recompensa de R$ 10 mil a quem matasse o assassino de uma jovem

‘Quase na hora’

Assumção e Pazolini voltam a falar em mais uma “tragédia de 2017”. O que vem por aí, afinal?