PGR recorre para garantir federalização de investigações sobre greve da PM

STJ negou pedido da Procuradoria-Geral da República de transferir as investigações para a esfera federal

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, recorreu da decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de negar o pedido de federalização da apuração de condutas e eventual responsabilização dos oficiais da Polícia Militar do Espírito Santo (PMES) envolvidos no movimento grevista de fevereiro do ano passado. O recurso foi apresentado nessa quinta-feira (4).

O recurso no Incidente de Deslocamento de Competência (IDC), nome técnico da federalização, pede que seja revista a decisão, e que a apuração dos fatos seja transferida para a Justiça Federal. 

No documento, a procuradora-geral da República destaca que o indeferimento do pedido de federalização viola o próprio preceito constitucional que prevê o instituto como garantidor do cumprimento de obrigações decorrentes de tratados internacionais de direitos humanos.

“O indeferimento do pedido tolhe a atuação do órgão ministerial como legitimado exclusivo à sua formulação e possibilita a manutenção de contexto de grave violação de direitos humanos, vislumbrado, nesse momento, na ausência da isenção necessária para proceder à investigação séria e comprometida dos fatos, sem permitir a interferência de sentimentos estranhos à tal atuação”, destaca um dos trechos do recurso. 

Dodge assinala que o pedido de federalização traz demonstração minuciosa dos acontecimentos que importaram grave violação de direitos humanos, a sujeitar o Brasil à possibilidade de responsabilização internacional, e o elevado risco de contaminação do aparato estadual para a apuração do ocorrido.

Para a PGR, em cenário conturbado como o que viveu o Espírito Santo, o julgamento de crimes militares por seus próprios pares “é temerário, seja pela extensão do movimento, com adesão de praticamente 100% do efetivo policial militar (fato notório), seja pelos indícios de participação de oficiais na própria organização do movimento”. 

De acordo com o recurso, na visão do Ministério Público Federal, o movimento grevista dos policiais militares, sua proporção, os efeitos sobre a população capixaba, o comportamento e a opinião das autoridades governamentais e a repercussão do caso preenchem os requisitos constitucionais e jurisprudenciais a autorizar e recomendar o deslocamento de competência.

A procuradora-geral também destaca a parcialidade na apuração dos fatos. Ela cita no recurso que, no período dos acontecimentos, em declarações à mídia, parcela significativa dos integrantes da Polícia Militar considerou a paralisação legítima. 

“Não há maneira de se formar, nesse contexto, conselhos isentos para o julgamento que passa, necessariamente, por juízo acerca da legitimidade do movimento”, aponta Raquel Dodge.

O IDC 14 foi ajuizado em julho de 2017 pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot. O pedido destacou a presença dos três requisitos necessários para o deslocamento de competência: a constatação de grave violação de direitos humanos; a possibilidade de responsabilização internacional, decorrente do descumprimento de obrigações assumidas em tratados internacionais; e a evidência de que os órgãos do sistema estadual não mostram condições de seguir no desempenho da função de apuração, processamento e julgamento do caso.

A PGR relata que durante mais de 20 dias, sem a atuação efetiva da Polícia Militar em todo o Estado, foram registradas mais de 210 mortes, saques, arrombamentos de estabelecimentos comerciais, atos de vandalismo e depredação do patrimônio, roubos, queima de ônibus e tiroteios.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Fejunes realiza ato cobrando respostas para mais de 200 mortes na greve da PM

Ato foi realizado na escadaria da Assembleia Legislativa nessa segunda-feira

Ministro do STJ admite recurso que pode federalizar julgamento de PMs capixabas

Com admissão do ministro João Otávio de Noronha, recurso terá novo julgamento pelo STF

Após primeira condenação no Estado, Câmara aprova anistia irrestrita a PMs

Caso passe no Senado e receba sanção presidencial, processos serão trancados e expulsos poderão retornar

Abaixo-assinados pedem que demarcação de terras indígenas continue com Funai 

Entidade indígena também fez representação contra Bolsonaro na Procuradoria-Geral da República