Rodoviários fazem novo protesto contra possível demissão de cobradores

Categoria teme que sistema do bilhete único nos ônibus com ar-condicionado dispense os profissionais

Ocupando duas pistas e carregando logo à frente da passeata um cartaz com os dizeres: “A vida vale mais que o lucro - Em defesa dos postos de trabalho dos cobradores”, os rodoviários voltaram às ruas, nesta quarta-feira (3), em protesto contra a possível demissão dos profissionais com a implantação do sistema bilhete único.

Por volta das 16h30, os rodoviários, assim como na última segunda-feira (1), saíram da Avenida Vitória, na altura da Faculdade Faesa, seguindo em caminhada até o Centro, passando por Jucutuquara, Curva do Saldanha e Avenida Jerônimo Monteiro. Em frente ao Palácio Anchieta, realizam novo ato contra a implementação dos ônibus sem cobrador na Grande Vitória.

Segundo representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Espírito Santo (Sindirodoviários-ES), as demissões rondam a categoria após o Governo do Estado anunciar o funcionamento da nova frota do Transcol com ar-condicionado, que apenas aceitará passageiros com o bilhete único. 

De acordo com o presidente do Sindiroviários-ES, José Carlos Sales, os atos são o começo de uma série de ações que estão sendo programadas. Ele afirma que não houve paralisação do transporte público, mas motoristas apenas seguem lentamente atrás da passeata. Muitos passageiros desceram dos coletivos e seguem a pé.  Homens da Polícia Militar a da Guarda de Trânsito acompanham o protesto. 

“O papel do cobrador não é apenas cobrar a passagem, é o profissional que auxilia o motorista em tudo; inclusive na segurança. Haverá prejuízos também para as pessoas com deficiência, pois é o trocador quem realiza as manobras para entrada do cadeirante. Muitos pais de família devem ficar desempregado, mesmo que o governo diga que não”, explicou José Carlos Sales, presidente do Sindirodoviários-ES.

Já a Secretaria de Estado de Obras Públicas e Transporte garante que não haverá demissões, pois os profissionais serão remanejados para outros setores das empresas.

Entrega

O Governo do Estado entregou os primeiros 20 ônibus com ar-condicionado que passam a integrar a frota do Sistema Transcol no último dia 26. Os veículos vão operar nas linhas troncais do sistema (fazendo a ligação Terminal x Terminal). A estimativa, no entanto, é a de que, até o final deste ano, sejam entregues 100 novos veículos 0km com ar-condicionado, totalizando 600 até 2022. A aquisição está sendo feita pelos consórcios Sudoeste e Atlântico Sul, que operam o Sistema de Transporte Coletivo da Região Metropolitana da Grande Vitória (Transcol). 

No momento, também está sendo feita a migração da tecnologia utilizada pela bilhetagem eletrônica, que vai permitir a implantação do Bilhete Único Metropolitano e a integração com os sistemas municipais, aquaviário e outras possibilidades. Para embarcar nos novos veículos com ar condicionado, o usuário precisa ter um cartão da bilhetagem eletrônica, dispensando a figura do trocador. 

Dados sobre o Sistema Transcol indicam uma frota e 1.400 veículos, com 12 mil viagens/dia, transportando 570 mil passageiros/dia em cerca de 300 linhas.
 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Justiça do Trabalho homologa acordo que põe fim à greve dos rodoviários

Após assembleia da categoria nesta terça, presidente do TRT encerrou rodada de negociações

Campanha denuncia universidade 'em liquidação'

Sintufes, Adufes, DCE e outros grupos criaram a S.O.S. Ufes para alertar sobre impactos do Future-se

Sindicato dos Rodoviários anuncia greve de ônibus para a próxima segunda-feira

"Sem cobrador não roda. Vamos parar tudo", avisa a categoria, que teme demissões com o novo Transcol

Quatro mil portadores de doenças crônicas podem perder passe com bilhete único

Conselho Estadual e Rede Nacional HIV/Aids vão acionar governo e prefeitura para garantir gratuidade