Servidores estaduais denunciam Renato Casagrande ao Tribunal de Contas

Documento aponta que governador descumpre as Constituições ao não conceder recomposição salarial anual

A Pública Central do Servidor protocolou denúncia no Tribunal de Contas Estadual (TCE) contra o Estado e o governador Renato Casagrande (PSB) devido à negativa em conceder a recomposição inflacionária dos salários dos servidores, descumprindo, assim as Constituições federal e estadual, como aponta o documento.

Encaminhada ao conselheiro presidente do TCE, Sérgio Aboudib, a denúncia enuncia entendimentos que apoiam o pleito dos servidores, publicados recentemente pelo próprio Tribunal, além do Ministério Público de Contas do Estado (MPC e o Tribuna de Justiça (TJES). 

No Processo TC nº: 07121/2018-7, por exemplo, o TCE-ES afirma “o cabimento e a necessidade de concessão da Revisão Geral Anual, mesmo que reste ultrapassado o limite prudencial de gasto com o pagamento de pessoal estabelecido na Lei de Responsabilidade Fiscal”. 

A exceção aceitável para justificar a não observação da revisão seria “o atingimento do limite máximo, o que, como apontado na presente peça e propalado pelo Governo do Estado, não ocorre na atualidade”, argumenta a denúncia, expondo números de um estudo econômico realizado pelas entidades sindicais. 

O estudo cita dados da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), em que o Espírito Santo obteve o 2º melhor resultado entre os estados, com uma receita corrente líquida de R$14,1 bilhões no primeiro quadrimestre. “A pujança econômica do Espírito Santo não coaduna com a situação de corrosão de orçamento familiar vivida por seus servidores públicos. De abril de 2014 até o momento, são 26,51% de perdas salariais, utilizando o IPCA [Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo], o que representaria uma perda anual de quase três salários”, expõe a Pública.

As entidades lembram que a inflação do período de abril de 2018 (data do último reajuste) até julho de 2019 se encontra no patamar de 5,56%, medido pelo IPCA, percentual que é reivindicado para reajuste neste ano de 2019. 

“Tendo em vista que o Espírito Santo fechou o primeiro semestre com um superávit nominal de R$ 1,6 bilhão, a recomposição salarial dos servidores representaria um dispêndio de R$ 24 milhões, não impactando significativamente o superávit estadual, o teto de gastos imposto pela LC 156/2016 e os limites de gastos impostos pela LRF [Lei de Responsabilidade Fiscal]”.

Sobre a LC 156, conhecida como “novo PAF” – Programa de Reestruturação e Ajuste Fiscal, a entidade discorre sua justificativa em números. Editada em 2016 pelo governo federal devido à situação crítica das finanças de alguns estados, dos quais o Espírito Santo não se incluía, a Lei permitiu à União refinanciar dívidas estaduais através da reestruturação e ampliação de prazos de pagamentos em até 240 meses. 

Em contrapartida, explica a Pública, os estados aderentes ao acordo passaram a ter um teto de gasto, tomando como base os valores atualizados da média das despesas dos exercícios de 2015 e 2016, ou do ano de 2016, ou do ano de 2017, condicionando o crescimento anual das despesas primárias correntes à variação da inflação (IPCA). 

No caso do Espírito Santo, “o teto do gasto fixado para 2019 é de R$ 12,55 bilhões e a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) projeta despesa de R$ 12,3 bilhões, gerando resultado 1,3% abaixo do teto e correspondendo a uma “sobra” de R$ 157 milhões. A estimativa indica uma projeção de aumento da despesa de 4,29%”, expõe a entidade.

Ocorre que “o resultado do primeiro semestre registrou variação da despesa de “apenas” 0,77%, bem abaixo do projetado para o ano de 4,29%, indicando margem de aumento de gasto para o segundo semestre de 7% para atingir a média anual de 4%”.

O reajuste de 5,5% requerido pelos servidores públicos, conclui a Pública, “impactará financeiramente apenas seis meses do exercício de 2019, sendo facilmente suportado pela folga de R$ 157 milhões calculados pela equipe técnica do governo estadual”.

Os pedidos feitos na denúncia são no sentido de que o Tribunal de Contas “aponte o cabimento e a necessidade de concessão da Revisão Geral Anual da remuneração dos servidores públicos do Estado do Espírito Santo, tal como prevista no Inciso X do Art. 37 da Constituição Federal, e se aponte a responsabilidade do Governo do Estado e do Sr. Governador pelo retardamento no cumprimento do mando legal e pelos prejuízos disso advindos”. 

O descumprimento das constituições com relação à recomposição salarial também foi alvo de uma representação feita pela Pública há poucos dias à direção estadual e nacional do PSB, partido do governador Renato Casagrande, no âmbito de uma denúncia sobre seu apoio à reforma da Previdência, o que contrapõe a orientação expressa do partido. 

Procurada, a Secretaria de Gestão e Recursos Humanos (Seger) informou "que já foi prevista e divulgada pelo governo a possibilidade orçamentária para reajuste linear em 2020 a todas as carreiras de servidores do Poder Executivo Estadual. A data para concessão será definida mediante avaliação do comportamento da economia nacional e da receita do Estado".

Assembleia geral


Foto: Sindipúblicos

Em paralelo à representação ao Tribunal de Contas, os servidores públicos estaduais realizaram, na manhã desta quinta-feira (24), a quarta Assembleia Geral Unificada (AGU), reunindo representantes de praticamente todas as carreiras do Estado.

A Assembleia teve início em frente ao TJES, de onde os manifestantes seguiram em passeata até a escadaria da Assembleia Legislativa. No local, deliberaram pela ampliação do movimento que reivindica a recomposição inflacionária. A intenção é, a partir de agora, realizar atos públicos nas autarquias e demais órgãos públicos estaduais, visando mobilizar as categorias e informar, à sociedade em geral, sobre o sucateamento, a falta de insumos, a sobrecarga de trabalho, a falta de pessoal e outros problemas vividos pelo funcionalismo público estadual.

Tadeu Guerzet, presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Servidores Públicos Estaduais (Sindipúblicos), lembrou que “com nossos salários congelados, com perdas de 30%, esses valores deixam de ir para a economia local. Perdemos poder de compra, e aí todos perdem. É lamentável o governo Casagrande ter dinheiro em caixa e não recompor, fazendo com que esses valores fiquem parados, travando a economia capixaba. Essa opção do governador gera ainda mais desempregos”.

STF

A falta da revisão anual dos salários dos servidores capixabas já levou a Confederação dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB) a ajuizar, em janeiro de 2018, uma Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o então governador Paulo Hartung. 

Na ADO, a Confederação relata o descumprimento e ausência de edição de leis específicas que assegurem a revisão geral anual da remuneração dos servidores e agentes públicos estaduais, civis e militares, ativos e inativos, bem como de pensionistas.

A autora da ação também sustenta a necessidade de o chefe do executivo estadual promover a revisão anual do subsídio que recebe, pois este valor orienta a aplicação do chamado “abate-teto” aos demais servidores do Poder Executivo, sob pena de a revisão geral anual se tornar “letra morta” para aqueles que têm essa limitação em suas remunerações.

O STF foi acionado após o julgamento, pelo TJES, da mesma ADO. O motivo é que, apesar de reconhecerem a ilegalidade cometida por Hartung ao não proceder a revisão geral anual, os desembargadores do tribunal capixaba não determinaram que a ilegalidade fosse sanada. 

Segundo o Sindipúblicos, que foi aceito como “amicus curiae” pelo STF, a justificativa dos desembargadores para não condenar o Estado seria a separação dos poderes. Para os magistrados, somente o Poder Executivo pode conceder a revisão anual, por meio de projeto de lei que deve ser encaminhado para a Assembleia Legislativa. No entanto, antes dos 5% concedidos por Hartung em 2018, quando ainda pretendia ser candidato à reeleição, a última vez que os servidores tiveram essa reposição, de 4,5%, tinha sido ainda em 2014. 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • Claudio , sábado, 26 de outubro de 2019

    Esse governador Casagrande é o retrato do desgoverno e a clara demonstração de desrespeito para com a classe dos servidores públicos. Socialista, é contrario a politica de gestão do governo Bolsonaro, fato que tem trazido graves consequência para o estado do ES, que não terá grandes recursos financeiros vindos do governo federal. No tocante ao trato com os servidores públicos, apresenta-se com uma postura radical, o que certamente vai leva-lo o mais rápido possível para a falência do seu governo e sem qualquer possibilidade segura de reeleição. Gestão pública totalmente ineficiente em todos os setores da administração pública estadual.

Matérias Relacionadas

Frente de policiais realiza protesto no Palácio Anchieta por reajuste salarial

Em faixa, categoria alerta que Casagrande mantém política salarial equivocada e fora da realidade do País

Deputados pedem fim de isenções fiscais da Vale por não indenizar vítimas

Enivaldo dos Anjos afirmou que não irá arrefecer até acabar com as regalias da mineradora

Reforma da Previdência e eleição da Mesa Diretora aprovadas na Assembleia

Apesar dos apelos, plenário aprovou a nova idade mínima para aposentadorias e contribuição de 14%

Fabiano Contarato se reúne com Casagrande sobre óleo no mar

Diligência ao ES foi aprovada pela Comissão Temporária Externa do Senado que acompanha o caso no país